CitaçÔes sobre Broches

3 resultados
Frases sobre broches, poemas sobre broches e outras citaçÔes sobre broches para ler e compartilhar. Leia as melhores citaçÔes em Poetris.

O ouro Ă© sempre ouro, quer seja transformado em anel, quer em moeda ou em broche. A aparĂȘncia pode mudar, mas a essĂȘncia do ouro permanece inalterada. TambĂ©m o homem, qualquer que seja a sua aparĂȘncia e ainda que seu corpo seja destruĂ­do, Ă© filho de Deus na sua essĂȘncia e jamais se destrĂłi.

Esta Dor que me Faz Bem

As coisas falam comigo
uma linguagem secreta
que é minha, de mais ninguém.
Quem sente este cheiro antigo,
o cheiro da mala preta,
que era tua, minha mĂŁe?

Este cheiro de além-vida
e de indizĂ­vel tristeza,
do tempo morto, esquecido…
TĂŁo desbotada e puĂ­da
aquela fita escocesa
que enfeitava o teu vestido.

Fala comigo e conversa,
na linguagem que eu entendo,
a tua velha gaveta,
a vida nela dispersa
chega Ă  cama onde me estendo
num perfume de violeta.

Vejo as tuas jĂłias falsas
que usavas todos os dias,
do princĂ­pio ao fim do ano,
e ainda oiço as tuas valsas,
minha mĂŁe, e as melodias
que cantavas ao piano.

Vejo brancos, decotados,
os teus sapatos de baile,
um broche em forma de lira,
saia aos folhos engomados
e sobre o vestido um xaile,
um xaile de Caxemira.

Quantas voltas deu na vida
este ĂĄlbum de retratos,
de veludo cor de tĂ­lia?
Gente outrora conhecida,
quem lhe deu tantos maus tratos?

Continue lendo…

A DecadĂȘncia do Coração nos Tempos Modernos

Nestes ruins tempos de material e nauseante industrialismo, a fase do coração Ă© curta, o amor vem temporĂŁo, e como que apodrece antes de sazonado. De toda a parte, aos ouvidos do mancebo vem a soada do martelar da indĂșstria. A sociedade, aparelhada em oficina, nĂŁo dĂĄ por ele, se o nĂŁo vĂȘ a labutar e mourejar no veio da riqueza. TĂ­tulos, glĂłria, homenagens, regalos, as feiçÔes todas da festejada mĂĄscara, com que por aqui nos andamos entrudando uns aos outros, sĂł pode ser afivelada com broches de ouro. Dislates do amor empecem o ir direito ao fim. O coração Ă© vĂ­scera que derranca o sangue, se com as muitas vertigens o vascoleja demais. Faz-se mister abafar-lhe as vĂĄlvulas e exercitar o cĂ©rebro, onde demora a bossa do cĂĄlculo, da empresa, da sordĂ­cia gananciosa, e outras muitas bossas filiadas ao estĂŽmago, o qual Ă©, sem debate, a vĂ­scera por excelĂȘncia, o luzeiro perene entre as trevas que ofuscam as almas.