CitaçÔes sobre LamĂșria

6 resultados
Frases sobre lamĂșria, poemas sobre lamĂșria e outras citaçÔes sobre lamĂșria para ler e compartilhar. Leia as melhores citaçÔes em Poetris.

A Dificuldade de Estabelecer e Firmar RelaçÔes

A dificuldade de estabelecer e firmar relaçÔes. HĂĄ uma tĂ©cnica para isso, conheço-a. Nunca pude meter-me nela. Ser «simpĂĄtico». É realmente fĂĄcil: prestabilidade, autodomĂ­nio. Mas. Ser sociĂĄvel exige um esforço enorme — fĂ­sico. Quem se habituou, jĂĄ se nĂŁo cansa. Tudo se passa Ă  superfĂ­cie do esforço. Ter «personalidade»: nĂŁo descer um milĂ­metro no trato, mesmo quando por delicadeza se finge. Assumirmos a importĂąncia de nĂłs sem o mostrar. Darmo-nos valor sem o exibir. Irresistivelmente, agacho-me. E logo: a pata dos outros em cima. Bem feito. Pois se me pus a jeito. E entĂŁo reponto. O fim. Ser prestĂĄvel, colaborar nas tarefas que os outros nos inventam. ColĂłquios, conferĂȘncias, organizaçÔes de. Ah, ser-se um «inĂștil» (um «parasita»…). RazĂ”es profundas — um complexo duplo que vem da juventude: incompreensĂŁo do irmĂŁo corpo e da bolsa paterna. O segundo remediou-se. Tenho desprezo pelo dinheiro. Ligo tĂŁo pouco ao dinheiro que nem o gasto… Mas «gastar» faz parte da «personalidade». SaĂșde — mais difĂ­cil. Este ar apeurĂ© que vem logo ao de cima. A Ășnica defesa, obviamente, Ă© o resguardo, o isolamento, a medida.
É fĂĄcil ser «simpĂĄtico», difĂ­cil Ă© perseverar, assumir o artifĂ­cio da facilidade. Conservar os amigos. «NĂŁo Ă©s capaz de dar nada»,

Continue lendo…

Spleen

Fora, na vasta noute, um vento de procela
Erra, aos saltos, uivando, em rajadas e em fĂșria;
E num rumor de choro, uma voz de lamĂșria,
Ouço a chuva a escorrer nos vidros da janela.

No desconforto do meu quarto de estudante,
Velo. Sinto-me como insulado da vida.
Eu imagino a morte assim, aborrecida
SolidĂŁo numa sombra infinita e constante…

Tu, que Ă©s forte, rebrame em fĂșria, natureza!
Eu, caĂ­do num fundo abismo de tristeza,
Invejo-te a expansĂŁo livre do temporal;

E, no tédio feroz que me assalta e me toma,
Sinto ansiarem-me n’alma instintos de chacal…
E compreendo Nero incendiando Roma.

Funeral: um cortejo atravĂ©s do qual demonstramos o nosso respeito para com os mortos, enriquecendo o cangalheiro, e reforçamos a nossa dor com uma despesa que torna mais pungentes as nossas lamĂșrias e mais abundantes as nossas lĂĄgrimas.

O Casulo

No casulo:
uma mesa quatro cinco estantes
livros por centenas ou milhares
tijolos de papel onde as traças
acasalam e o caruncho espreita
sĂłlidas muralhas de elvezires onde
a rua nĂŁo penetra
uma mĂĄquina de escrever olivetti
com a tinta acumulada nas letras mais redondas
cachimbos barros estanhos medalhas fotos
bonecos marafonas lembranças
retratos alguns gente ida ou vinda
gorros usbeques gorros bailundos leques
japoneses arpÔes açorianos sinos de não sei donde
ou sei esperem sinos da trĂłica em natais nocturnos
marfins africanos Ăłleos desenhos calendĂĄrios
feitiços da Baía a mão a fazer figas
tudo do melhor contra raios coriscos mau olhado
retratos dizia Jorge o de Salvador JĂșlio o da Morgadinha
Berglin o cientista Kostas o dramaturgo
e outros e outros
Afonso Duarte o das ossadas pĂłrtico
destas lamĂșrias o sorriso sibilino e rugoso
que matou no Nemésio o bicho harmonioso
mais de agora o Umberto Eco barbudo
a filtrar-me com medievismo os gestos tontos
e outros e outros
suecos brasileiros romenos gregos
e ainda aqueles em que a Zita foi escrevendo
a minha sina de andarilho
Tolstoi patrono obcecante um pastor a tocar
pĂ­faro algures nos BalcĂŁs sinais da BulgĂĄria da PolĂłnia
da FinlĂąndia sinais de tantas partes onde
fui um outro de biografia aberrante
sinais da minha terra também
a minha de verdade e nĂŁo as outras
a que chamam minhas por distraĂ­do palpite
o Lima de Freitas num candeeiro alumiando
a mulher verde-azul em casas assombrada
mestre Marques d’Oliveira num esquisso
de alto coturno a carta de Abel Salazar
que o sol foi comendo nĂŁo se lendo jĂĄ
o que a censura omitiu
aqui a China também representada
um Ă­cone de SĂłfia as plĂĄcidas cabras
do Calasans o tinteiro de quando
se usavam plumas roubaram-se o missal do Cicogna
um almofariz para esferogrĂĄficas furta-cores
a caixa de madeira floreada veio da RĂșssia
deu-ma a Tatiana sob promessa (cumprida)
de a pÎr bem em frente das minhas divagaçÔes
anémonas nórdicas da Anne
miosĂłtis bĂșlgaros da Rumiana
o poster Ă© alemĂŁo Friede den Kindern
nunca pedi a ninguém a decifração
dois horĂłscopos face a face
cangaceiros nordestinos
o menino ajoelhado do TĂł ZĂ©
num gesso jå sem braços nem rosto
objectos objectos o pote tem as armas de nĂŁo lembro
[quem
embora o nome que venha por de cima
seja o meu e eu também no óleo carrancudo
do ZĂ© Lima hĂĄ um ror de anos
melhor nĂŁo saber quantos
o molde para o bronze Ă© um perfil onde
desenganadamente me reconheço
tanta bugiganga tanto bazar tanto papel
branco ou impresso uma faca para
apunhalar alguém a cassete de poesias na voz
da Maria Vitorino as esculturas astecas
do Miguel medalhas medalhas outra vez lembranças
agendas sem préstimo canetas gastas mais papéis
letras miĂșdas ou letras farfalhudas
depende da ocasiĂŁo
um livro de filigrana
as paredes mal se vĂȘem estantes copiosas jĂĄ disse
quadros em demasia e ainda
as rendas de minha mĂŁe em molduras destoadas
ela no retrato de cenho descontente
fitando-me até ao miolo dos desvairos
o bordão de régulo justiceiro
obliquando no trono de cactos
amuletos africanos o mata-borrĂŁo que foi
de um pide deu-mo o fuzileiro no pĂłs-Abril
uma bela cabeça de mulher do João Fragoso
jarras de sacristia candeias de cobre
sem pavio um samovar de madeira um samurai de
[veludo
os painéis de São Vicente em miniatura
a åurea trombeta do troféu lusíada
de parceria com o Manuel Cargaleiro
åureos pesados troféus o marasmo branco
de Pavia na tela sem idade
livros livros os correios nĂŁo pĂĄram
de mos trazer para maior sufocação
cartas a granel por responder relógio não hå mas ouço-o
sem falhar um segundo hå cordas cordÔes medalhas
[medalhÔes
armas lauréis proibiçÔes
perfumes em minaretes levantinos.

Continue lendo…

Soneto

(Lendo o “Poema de Maio”)

Na rua em funeral ei-la que passa,
A romaria eterna dos aflitos,
A procissĂŁo dos tristes, dos proscritos,
Dos romeiros saudosos da desgraça.

E na choça a lamĂșria que traspassa
O coração, além, ùnsias e gritos
De mĂŁes que arquejam sobre os probrezitos
Filhos que a Fome derrubou na praça.

Entre todos, porém, lùnguida e bela,
Da juventude a virginal capela
A lhe cingir de luz a fronte baça,

Vai Corina mendiga e esfarrapada,
A alma saudosa pelo amor vibrada,
– A Stella Matutina da Desgraça!

Enchi com frequĂȘncia uma pĂĄgina de lamĂșrias, quando na verdade estava cheio de força e de alegria.