Citações sobre Trompas

6 resultados
Frases sobre trompas, poemas sobre trompas e outras citações sobre trompas para ler e compartilhar. Leia as melhores citações em Poetris.

Afra

Ressurges dos mistérios da luxúria,
Afra, tentada pelos verdes pomos,
Entre os silfos magnéticos e os gnomos
Maravilhosos da paixĂŁo purpĂşrea.

Carne explosiva em pĂłlvoras e fĂşria
De desejos pagĂŁos, por entre assomos
Da virgindade–casquinantes momos
Rindo da carne já votada a incúria.

Votada cedo ao lânguido abandono,
Aos mĂłrbidos delĂ­quios como ao sono,
Do gozo haurindo os venenosos sucos.

Sonho-te a deusa das lascivas pompas,
A proclamar, impávida, por trompas,
Amores mais estéreis que os eunucos!

Guerra Junqueiro

Quando ele do Universo o largo supedâneo
Galgou como os clarões — quebrando o que nĂŁo serve,
Fazendo que explodissem os astros de seu crânio,
As gemas da razĂŁo e os mĂşsculos da verve;

Quando ele esfuziou nos páramos as trompas,
As trompas marciais — as liras do estupendo,
Pejadas de prodĂ­gios, assombros e de pompas,
Crescendo em proporções, crescendo e recrescendo;

Quando ele retesou os nervos e as artérias
Do verso orbicular — rasgando das misĂ©rias
O ventre do Ideal na forte hematemese.

Clamando — Ă© minha a luz, que o sĂ©culo propague-a,
Quando ele avassalou os píncaros da águia
E o sol do Equador vibrou-lhe aquelas teses!

A Dor

Torva Babel das lágrimas, dos gritos,
Dos soluços, dos ais, dos longos brados,
A Dor galgou os mundos ignorados,
Os mais remotos, vagos infinitos.

Lembrando as religiões, lembrando os ritos,
Avassalara os povos condenados,
Pela treva, no horror, desesperados,
Na convulsão de Tântalos aflitos.

Por buzinas e trompas assoprando
As gerações vão todas proclamando
A grande Dor aos frĂ­gidos espaços…

E assim parecem, pelos tempos mudos,
Raças de Prometeus titânios, rudos,
Brutos e colossais, torcendo os braços!

A Cavalgada

A lua banha a solitária estrada…
SilĂŞncio!… mas alĂ©m, confuso e brando,
O som longĂ­nquo vem se aproximando
Do galopar de estranha cavalgada.

São fidalgos que voltam da caçada;
VĂŞm alegres, vĂŞm rindo, vĂŞm cantando,
E as trompas a soar vĂŁo agitando
O remanso da noite embalsamada…

E o bosque estala, move-se, estremece…
Da cavalgada o estrépito que aumenta
Perde-se apĂłs no centro da montanha…

E o silĂŞncio outra vez soturno desce,
E límpida, sem mácula, alvacenta
A lua a estrada solitária banha…

ManhĂŁ

Alta alvorada. — Os Ăşltimos nevoeiros
A luz que nasce levemente espalha;
Move-se o bosque, a selva que farfalha
Cheia da vida dos clarões primeiros.

Da passarada os vĂ´os condoreiros,
Os cantos e o ar que as árvores ramalha
Lembram combate, estrĂ­dula batalha
De elementos contrários e altaneiros.

Vozes, trinados, vibrações, rumores
Crescem, vĂŁo se fundindo aos esplendores
Da luz que jorra de invisível taça.

E como um rei num galeĂŁo do Oriente
O sol põe-se a tocar bizarramente
Fanfarras marciais, trompas de caça.

O Natal de Minha MĂŁe

A abstracção não precisa de mãe nem pai
nem tĂŁo pouco de tĂŁo tolo infante

mas o natal de minha mĂŁe Ă© ainda o meu natal
com restos de Beira Alta

ano apĂłs ano via surgir figura nova nesse
presépio de vaca burro banda de música

ribeiro com patos farrapos de algodĂŁo muito
musgo percorrido por ovelhas e pastores

multidĂŁo de gente judaizante estremenha pela
mĂŁo de meu pai descendo de montes contando

moedas azenhas movendo água levada pela estrela
de Belém

um galo bate as asas um frade está de acordo
com a nossa circuncisĂŁo galinhas debicam milho

de mistura com um porco a que minha avĂł juntava
sempre um gato para dar sorte era preto

assim íamos todos naquela figuração animada
até ao dia de Reis aí estão

um de joelhos outro em pé
e o rei preto vinha sentado no

camelo. Era o mais bonito.
depois eram filhoses o acordar de prenda no

sapato tudo tĂŁo real como o abrir das lojas no dia
de feira

e eu ia ao Sanguinhal visitar a minha prima que
tinha um cavalo debaixo do quarto

subindo de vales descendo de montes
acompanhando a banda do carvalhal com ferrinhos

e roucas trompas o meu Natal Ă© ainda o Natal de
minha mĂŁe com uns restos de canela e Beira Alta.

Continue lendo…