Citações de Dinis I de Portugal

5 resultados
Frases, pensamentos e outras citações de Dinis I de Portugal para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

Amiga, o Coração Seu

Amiga, muit’ha gran sazón
que se foi d’aquí con el-rei
meu amigo, mais ja cuidei
mil vezes no meu coraçón
que algur morreu con pesar,
pois non tornou migo falar.

Porque tarda tan muito lá
e nunca me tornou veer,
amiga, si veja prazer,
máis de mil vezes cuidei ja
que algur morreu con pesar,
pois non tornou migo falar.

Amiga, o coraçón seu
era de tornar ced’aquí,
u visse os meus olhos en mí,
e por én mil vezes cuid’eu
que algur morreu con pesar,
pois non tornou migo falar.

Ai Flores do Verde Pino

__ Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
Ai Deus, e u é?

__ Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado!
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo!
Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do qui mi á jurado!
Ai Deus, e u é?

__ Vós me perguntardes polo voss’amigo,
e eu bem vos digo que é san’vivo.
Ai Deus, e u é?

Vós me perguntardes polo voss’amado,
e eu bem vos digo que é viv’e sano.
Ai Deus, e u é?

E eu bem vos digo que é san’vivo
e seera vosc’ant’o prazo saído.
Ai Deus, e u é?

E eu bem vos digo que é viv’ e sano
e seera vosc’ant’o prazo passado
Ai Deus, e u é?

Ai, Madre, Morro de Amor

Nom chegou, madr’, o meu amigo
e oj’est o prazo saído.
Ai, madre, moiro d’amor!

Nom chegou, madr’, o meu amado
e oj’est o prazo passado.
Ai, madre, moiro d’amor!

E oj’est o prazo saído!
Por que mentiu o desmentido?
Ai, madre, moiro d’amor!

E oj’est o prazo passado!
Por que mentiu o perjurado?
Ai, madre, moiro d’amor!

Porque mentiu o desmentido,
pesa-mi, pois per si é falido.
Ai, madre, moiro d’amor!

O que vos Nunca Cuidei a Dizer

O que vos nunca cuidei a dizer,
com gram coita, senhor, vo-lo direi,
porque me vejo já por vós morrer;
ca sabedes que nunca vos falei
de como me matava voss’amor;
ca sabe Deus bem que doutra senhor,
que eu nom havia, mi vos chamei.

E tod[o] aquesto mi fez fazer
o mui gram medo que eu de vós hei
e des i por vos dar a entender
que por outra morria — de que hei,
bem sabedes, mui pequeno pavor;
e des oimais, fremosa mia senhor,
se me matardes, bem vo-lo busquei.

E creede que haverei prazer
de me matardes, pois eu certo sei
que esso pouco que hei de viver
que n?um prazer nunca veerei;
e porque sõo desto sabedor,
se mi quiserdes dar morte, senhor,
por gram mercee vo-lo [eu] terrei.

Ai, Senhor Fremosa, por Deus

Ai, senhor fremosa, por Deus
e por quan boa vos el fez,
doede-vos algua vez
de min e destes olhos meus,
que vos viron por mal de si,
quando vos viron, e por mí.

E, porque vos fez Deus melhor
de quantas fez e máis valer,
querede-vos de min doer
e destes meus olhos, senhor,
que vos viron por mal de si,
quando vos viron, e por mí.

E, porque o al non é ren,
senón o ben que vos Deus deu,
querede-vos doer do meu
mal e dos meus olhos, meu ben,
que vos viron por mal de si,
quando vos viron, e por mí.