Recentes

África

Na partilha das sáfaras conquistas
Desta Líbia de mouros rancorosos,
O Deserto foi dado aos Poderosos
E o Oásis, florido e mínimo, aos Artistas.

E os felizes, quais são? Os mil sofistas
Da Ventura, a pedir, de olhos gulosos,
Terra e mais terra? Ou o que limita os gozos
E em sete palmos acomoda as vistas?

Certo, não sereis vós, ó Donatários
Do alvo Deserto, que velais, em guerra,
A áurea carga dos vossos dromedários.

Mas, tu, ó Poeta, que, por onde fores,
Teus sete palmos hás de achar na terra
Abrindo em trigo, rebentado em flores!

Quero explodir as grades e voar.
Não tenho pra onde ir, mas não quero ficar.
Suspender a queda livre… Libertar.
Novos horizontes… Se não for isso o que será?
O que não tem fim, sempre acaba assim

O sucesso é um péssimo professor. Ele seduz as pessoas inteligentes a pensar que não podem perder.

Em todas as evoluções da arte, nós (portugueses) nunca aproveitamos com os princípios, e ficamos sempre com os maneirismos.

A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.

O problema fundamental do casamento é que ele abala a confiança de um homem nele mesmo, e diminui grandemente sua competência e eficácia geral. Ele passa a pensar como um comandante que perdeu uma batalha decisiva e dramática e, desde então, nunca mais acredita inteiramente em si mesmo.

O problema da ficção é que ela precisa ser verossímil, enquanto a realidade poucas vezes consegue sê-lo.