Citações de Natércia Freire

5 resultados
Frases, pensamentos e outras citações de Natércia Freire para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

Liberta em Pedra

Livre, liberta em pedra.
Até onde couber
tudo o que Ă© dor maior,
por dentro da harmonia jacente,
aguda, fria, atroz,
de cada dia.

Não importam feições,
curvas de seios e ancas,
pés erectos à luz
e brancas, brancas, brancas,
as mĂŁos.

Importa a liberdade
de nĂŁo ceder Ă  vida,
um segundo sequer.

Ser de pedra por fora
e sĂł por dentro ser.
– Falavas? NĂŁo ouvi.
– Beijavas? NĂŁo senti.
Morreram? Ah! Morri, morri, morri!

Livre, liberta em pedra,
voltada para a luz
e para o mar azul
e para o mar revolto…
E fugir pela noite,
sem corpo, nem dinheiro,
para ler os meus santos
e os meus aventureiros,
(para ser dos meus santos,
dos meus aventureiros),
filĂłsofos e nautas,
de tantos nevoeiros.

Entre o peso das salas,
da mĂşsica concreta,
de espantalhos de deuses,
que fará o Poeta?

Amor

Vibrátil, fina, perfumada e clara
ondula a aragem que o amor provoca.
Longe respira a vida. Aqui o sonho.
Tudo é infância de águas e colinas
Na manhĂŁ dos teus olhos.
E vĂ´os de mĂŁos dadas.
E cantos, cantos de infinito amor,
Nos galhos, nas correntes e nas sombras veladas.

Envolve-se de nuvem nosso abraço.
Vibrátil, fina, perfumada e clara
ondula a aragem. Fadas e duendes
agitam instrumentos na folhagem.

Vibrátil, fina, imperceptível, fluída
orquestra ao longe. Ao fundo dos sentidos.
Dedos de flores ondeiam sobre a pele
de CĂ©us indefinidos.

Cantam mistérios bocas fascinadas.
Abrem corolas sob a luz que as toca.
Vibrátil, fina, perfumada e clara
ondula a aragem que o amor provoca.

Guerra

SĂŁo meus filhos. Gerei-os no meu ventre.
Via-os chegar, Ă s tardes, comovidos,
nupciais e trementes
do enlace da Vida com os sentidos.

Estiveram no meu colo, sonolentos.
Contei-lhes muitas lendas e poemas.
Ă€s vezes, perguntavam por algemas.
Respondia-lhes: mar, astros e ventos.

Alguns, os mais ousados, os mais loucos,
desejavam a luta, o caos, a guerra.
Outros sonhavam e acordavam roucos
de gritar contra os muros que há na Terra.

SĂŁo meus filhos. Gerei-os no meu ventre.
Nove meses de esperança, lua a lua.

Grandes barcos os levam, lentamente…

Canção do Verdadeiro Abandono

Podem todos rir de mim,
podem correr-me Ă  pedrada,
podem espreitar-me Ă  janela
e ter a porta fechada.

Com palavras de ilusĂŁo
não me convence ninguém.
Tudo o que guardo na mĂŁo
não tem vislumbres de além.

NĂŁo sou irmĂŁ das estrelas,
nem das pombas nem dos astros.
Tenho uma dor consciente
de bicho que sofre as pedras
e se desloca de rastos.

Poema de Amor

Teu rosto, no meu rosto, descansado.
Meu corpo, no teu corpo, adormecido.
Bater de asas, tĂŁo longe, noutro tempo,
sem relógio nem espaço proibido.

Oh, que atĂłnitos olhos nos contemplam,
nos sorriem, nos dizem: Sossegai!
Românticos amantes, viajantes eternos,
olham por nĂłs na hora que se esvai!

Que mĂşsica de prados e de fontes!
Que riso de águas vem para nos levar?
Meu rosto, no teu rosto de horizontes,
Meu corpo, no teu corpo, a flutuar.