Cita√ß√Ķes de Cesare Pavese

131 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Cesare Pavese para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Os Pr√°ticos e os Contemplativos

T√™m sentido de humor os que t√™m sentido pr√°tico. Quem descuida a vida, embevecido numa ing√©nua contempla√ß√£o (e todas as contempla√ß√Ķes s√£o ing√©nuas), n√£o v√™ as coisas com desprendimento, dotadas de livre, complexo e contrastante movimento, que forma a ess√™ncia da sua comicidade. O t√≠pico da contempla√ß√£o √©, pelo contr√°rio, determo-nos no sentimento difuso e vivaz que surge em n√≥s ao contacto com as coisas. √Č aqui que reside a desculpa dos contemplativos: vivem em contacto com as coisas e, necessariamente, n√£o lhes sentem as singularidades e caracter√≠sticas; sentem-nas, pura e simplesmente.
Os práticos Рparadoxo Рvivem distantes das coisas, não as sentem, mas compreendem o mecanismo que as faz funcionar. E só ri de uma coisa quem está distante dela. Aqui está, implícita, uma tragédia: habituamo-nos a uma coisa afastando-nos dela, quer dizer, perdendo o interesse. Daqui, a corrida afanosa.
Naturalmente, de um modo geral, ninguém é contemplativo ou prático de forma total, mas, como nem tudo pode ser vivido, resta sempre, mesmo aos mais experimentados, o sentimento de qualquer coisa.

As √ļnicas mulheres com quem vale a pena casar s√£o aquelas que n√£o s√£o confi√°veis como esposas.

√Č Preciso Procurar uma S√≥ Coisa para Encontrar Muitas

Desaparecido o fervor de uma monomania, falta uma ideia central para dar significado aos momentos interiores esparsos. Em suma, quanto mais o esp√≠rito est√° absorvido por um humor dominante, mais a paisagem interior se enriquece e varia. √Č preciso procurar uma s√≥ coisa, para encontrar muitas.

O Respeito Humano é Mais Forte do que a Consciência

Todos sabemos ter pensamentos maus, mas muito raramente praticar ac√ß√Ķes m√°s. Todos sabemos praticar boas ac√ß√Ķes, mas poucos s√£o capazes de bons pensamentos.
O respeito humano é mais forte do que a consciência.

O castigo de quem pratica actos contra a natureza e que, quando quiser ser natural, já não o conseguirá. A história de Jekyll e Hyde.

O ócio torna as horas lentas e os anos velozes. A actividade torna as horas rápidas e os anos lentos.

A Ira Nunca √© S√ļbita

A ira nunca √© s√ļbita. Nasce de um longo roer precedente, que ulcerou o esp√≠rito e nele acumulou a for√ßa reactiva necess√°ria para a explos√£o. Daqui resulta que um belo acesso de c√≥lera n√£o √©, de forma alguma, sinal de uma √≠ndole franca e directa. √Č, pelo contr√°rio, revela√ß√£o involunt√°ria de uma tend√™ncia para nutrir dentro de si o rancor – isto √©, de um temperamento fechado, invejoso, e de um complexo de inferioridade.
O conselho de ¬ęestar em guarda contra quem nunca se irrita¬Ľ, significa, portanto, que – todos os homens, acumulando inevitavelmente √≥dio – conv√©m ter especial cuidado com os que nunca se traem por acessos de ira. Quanto a ti, n√£o fazes mal em ser insicero no teu remoer interior, mas em te tra√≠res na explos√£o.

Ser√° um conforto pensar que a fraqueza pode ser uma for√ßa, como uma sa√ļde delicada √© uma defesa contra as doen√ßas graves?

Se só a dor nos pode educar, pergunto porque é, filosoficamente, proibido encarniçarmo-nos contra o próximo, educando-o do melhor modo?

Todo o crítico é exatamente como uma mulher na idade crítica: rancoroso e reprimido.

Existir Eficazmente

Esta necessidade de estar s√≥, de n√£o sentir que te pedem seja o que for, que te separam de ti pr√≥prio. Este horror a que tenham o m√≠nimo direito sobre ti, de que to fa√ßam sentir… Esta evidente impertin√™ncia dos outros, quando esperam qualquer coisa, quando take for granted alguma coisa de ti.
Tornas-te de s√ļbito distante, apagas-te, ficas r√≠gido, repeles. Incapaz de dizer uma boa palavra. P√Ķes ponto final e afastas-te.
Rancor contra aqueles que tiveste de eliminar dessa maneira e que, por piedade, por espírito de sacrifício, tens de voltar a aceitar.

A sa√ļde interior que d√£o a profiss√£o pol√≠tico-moral e o contacto com as massas n√£o √© diferente da que prov√©m de qualquer ocupa√ß√£o, de qualquer actividade a que um homem se consagre. Quando escreves e te entregas inteiramente √† tua arte, sentes-te sereno, equilibrado, feliz.

Mito

Vir√° o dia em que o jovem deus ser√° um homem,
sem sofrimento, com o morto sorriso do homem
que compreendeu. Também o sol se move longínquo
avermelhando as praias. Vir√° o dia em que o deus
j√° n√£o saber√° onde eram as praias de outrora.

Acorda-se uma manh√£ em que o Ver√£o morreu,
e nos olhos tumultuam ainda esplendores
como ontem e no ouvido os fragores do sol
feito sangue. A cor do mundo mudou.
A montanha já não toca o céu; as nuvens
j√° n√£o se amontoam como frutos; na √°gua
j√° n√£o transparece um seixo. O corpo dum homem
curva-se pensativo onde um deus respirava.

O grande sol acabou, e o cheiro da terra
e a rua livre, colorida de gente
que ignorava a morte. N√£o se morre de Ver√£o.
Se alguém desaparecia, havia o jovem deus
que vivia por todos e ignorava a morte.
Nele a tristeza era uma sombra de nuvens.
O seu passo pasmava a terra.

Agora pesa
o cansaço sobre todos os membros do homem,
sem sofrimento: o calmo cansaço da madrugada
que abre um dia de chuva.

Continue lendo…

O amor tem a virtude, não apenas de desnudar dois amantes um em face do outro, mas também cada um deles diante de si próprio.

Experimenta fazer bem a alguém. Passado um pouco, verás como odeias aquela face contrita e radiosa.

Cultura Ofuscada

N√£o √© que, no nosso tempo, o representante da cultura seja menos escutado do que no passado o eram o te√≥logo, o artista, o s√°bio, o fil√≥sofo, etc. √Č que, actualmente, tem-se consci√™ncia da massa que vive de mera propaganda. Tamb√©m no passado, as massas viviam de m√° propaganda, mas, ent√£o, sendo a cultura elementar menos difundida, essa massa n√£o imitava as pessoas verdadeiramente cultas e, portanto, n√£o fazia surgir o problema de saber se estava mais ou menos em concorr√™ncia com essas pessoas cultas.