Indivíduo e Colectividade

Uma antiquada concep√ß√£o, cuja carreira n√£o terminou de todo em Portugal, faz constituir a hist√≥ria na evoca√ß√£o dos homens e dos eventos singulares, faustosa galeria de retratos e pain√©is de batalhas, a que se acrescenta quando muito o quadro das institui√ß√Ķes. Dir-se-ia desta sorte que os factos de ocupa√ß√£o do solo e agrupamento da popula√ß√£o, as varia√ß√Ķes do regime econ√≥mico, a elabora√ß√£o de um esp√≠rito colectivo, os movimentos e transforma√ß√Ķes da massa, isto √©, os factos pr√≥priamente sociais n√£o t√™m import√Ęncia na vida da sociedade. Longe de n√≥s negar a parte da cria√ß√£o individual na hist√≥ria. Mas todas as na√ß√Ķes, antes de atingirem a sua defini√ß√£o pol√≠tica suprema, atravessam um demorado per√≠odo de forma√ß√£o, onde ocultam quase exclusivamente esses factos gerais.
A consci√™ncia de uma solidariedade e de um ideal colectivo, o sentimento e a ideia de uma p√°tria elaboram-se lentamente atrav√©s desses movimentos de grupos e das lutas entre eles suscitadas. E por via de regra os grandes homens s√£o tanto mais representativos quanto melhor encarnam e orientam as aspira√ß√Ķes colectivas.