Passagens sobre Vida

6391 resultados
Frases sobre vida, poemas sobre vida e outras passagens sobre vida para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O mal é ninguém ter ainda percebido que o problema para mim consiste apenas em saber de que lado estão os valores da vida. Se os meus valores estivessem trocados, e eu o percebesse, seria eu o primeiro a destrocá-los. Mas não vejo que estejam. E não mudo.

A Actividade Cega

Toda a actividade é um prazer dela própria. Não se junta dinheiro para viver melhor: junta-se dinheiro para se juntar dinheiro. Decerto, a vida melhora-se. Mas há um limite para essa melhoria, para além do qual se não passa, de acordo com a nossa dimensão. Entretanto junta-se ainda dinheiro. O impulso a uma acção é-lhe somente um impulso: a acção depois rola por si.

O amor √© uma coisa, a vida √© outra. O amor n√£o √© para ser uma ajudinha. N√£o √© para ser o al√≠vio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso ¬ęd√° l√° um jeitinho¬Ľ sentimental.

Eu acho que no artista, e mesmo fora do artista, na vida, o subconsciente resolve muita coisa e trabalha tudo. E de vez em quando atira uma coisa para o consciente. Est√° tudo guardado nessa grande mala que herdamos, que vem no sangue.

Os P√°ssaros de Londres

Os p√°ssaros de Londres
cantam todo o inverno
como se o frio fosse
o maior aconchego
nos parques arrancados
ao tr√Ęnsito autom√≥vel
nas ruas da neve negra
sob um céu sempre duro
os p√°ssaros de Londres
falam de esplendor
com que se ergue o estio
e a lua se derrama
por praças tão sem cor
que parecem de pano
em jardins germinando
sob mantos de gelo
como se gelo fora
o linho mais bordado
ou em casas como aquela
onde Rimbaud comeu
e dormiu e estendeu
a vida desesperada
estreita faixa amarela
espécie de paralela
entre o tudo e o nada
os p√°ssaros de Londres

quando termina o dia
e o sol consegue um pouco
abraçar a cidade
à luz razante e forte
que dura dois minutos
nas √°rvores que surgem
subitamente imensas
no ouro verde e negro
que é sua densidade
ou nos muros sem fim
dos bairros deserdados
onde n√£o sabes n√£o
se vida rogo amor
algum dia erguer√£o
do pavimento cínzeo
algum claro limite
os p√°ssaros de Londres
cumprem o seu dever
de cidad√£os brit√Ęnicos
que nunca nunca viram
os c√©us mediterr√Ęnicos

Ocorreu-lhe que a vida toda de um homem era desempenhar um papel, e que achava perigoso abandonar, por um momento que fosse, sua falsa personalidade.

O Maior Bem

Este querer-te bem sem me quereres,
Este sofrer por ti constantemente,
Andar atr√°s de ti sem tu me veres
Faria piedade a toda a gente.

Mesmo a beijar-me a tua boca mente…
Quantos sangrentos beijos de mulheres
Pousa na minha a tua boca ardente,
E quanto engano nos seus v√£os dizeres!…

Mas que me importa a mim que me n√£o queiras,
Se esta pena, esta dor, estas canseiras,
Este mísero pungir, árduo e profundo,

Do teu frio desamor, dos teus desdéns,
√Č, na vida, o mais alto dos meus bens?
√Č tudo quanto eu tenho neste mundo?

N√£o me importo se vai haver o amanh√£. Pois me deram uma vida, n√£o uma eternidade.

Num momento, num olhar, o cora√ß√£o apanha-se para sempre. Ama-se algu√©m. Por muito longe, por muito dif√≠cil, por muito desesperadamente. O cora√ß√£o guarda o que se nos escapa das m√£os. E durante o dia e durante a vida, quando n√£o est√° l√° quem se ama, n√£o √© ela que nos acompanha ‚Äď √© o nosso amor, o amor que se lhe tem.

Massas sem Direcção

O Poder p√ļblico tem sido sempre assim, quando exercido directamene pelas massas: omnipotente e ef√©mero. O homem-massa √© o homem cuja vida carece de plano e vai √† deriva. Por isso n√£o constr√≥i nada, embora as suas possibilidades, os seus poderes, sejam enormes.

Imortal Atitude

Abre os olhos à Vida e fica mudo!
Oh! Basta crer indefinidamente
Para ficar iluminado tudo
De uma luz imortal e transcendente.

Crer é sentir, como secreto escudo,
A alma risonha, l√ļcida, vidente…
E abandonar o sujo deus cornudo,
O s√°tiro da Carne impenitente.

Abandonar os l√Ęnguidos rugidos,
O infinito gemido dos gemidos
Que vai no lodo a carne chafurdando.

Erguer os olhos, levantar os braços
Para o eterno Silêncio dos Espaços
E no Sil√™ncio emudecer olhando…

E quando todos os dias ficam iguais, é porque as pessoas deixaram de perceber as coisas boas que aparecem em suas vidas sempre que o sol cruza o céu.

Deves cuidar bem dos objetos alheios como se fossem teus; do contrário, teu coração não estará em sintonia com a vontade de Deus. Em todas as coisas se aloja a Vida de Deus; por isso, aquele que não tem zelo por uma folha de papel ou uma xícara que seja, é uma pessoa que não ama a Deus. Vendo-se os pratos trincados na cozinha, pode-se perceber a escassez de amor da pessoa que deles cuida.

O Amor Indómito

H√° casos de alucina√ß√£o, extasis incendiados de fantasia, em que o homem subjuga ao seu transporte as f√©rreas considera√ß√Ķes sociais, fazendo-as reflexivas de todo o brilho da sua alegria. √Č por isso que as grandes paix√Ķes est√£o em div√≥rcio com o ju√≠zo prudencial. No mar da vida o fanal do amor √© o que mais resplende. Cegam-se os olhos e entendimento ao que mais ansiosamente o fita. Com a mente fixa nesse clar√£o esperan√ßoso, que t√£o frouxas r√©steas de luz nos d√° em paga de tremendos trabalhos, transcuram-se vagas e baixios que nos assaltam o pobre baixel. O amor ind√≥mito, fremente e tempestuoso √© um naufr√°gio que se ama, uma dor com que se brinca, e, enfim, um del√≠rio honroso em qualquer criatura.

O Cansaço da Literatura

Entre os sinais que me avisam de que a juventude terminou, o principal é aperceber-me de que a literatura já não me interessa verdadeiramente. Quero dizer que já não abro os livros com aquela viva e ansiosa esperança de coisas espirituais que, apesar de tudo, outrora sentia. Leio e quereria ler cada vez mais, mas já não recebo as várias experiências com entusiasmo, já não as fundo num sereno tumulto pré-poético. A mesma coisa acontece-me ao passear por Turim; já não sinto a cidade como um incentivo sentimental e simbólico para a criação. Já está feito, dá-me vontade de responder de cada vez.
Tomadas em justa conta as minhas v√°rias equimoses, obsess√Ķes, fadigas e terrenos est√©reis, resulta claro que j√° n√£o sinto a vida como uma descoberta e, muito menos, ent√£o, como poesia – mas, antes, como um frio material para especula√ß√Ķes, an√°lises e deveres. Aqui encalha, agora, a minha vida: a pol√≠tica, a pr√°tica, tudo coisas que se aprendem nos livros, mas os livros n√£o alimentam como o faz, pelo contr√°rio, a esperan√ßa de cria√ß√£o.
Ora, quando novo, procurava um sistema ético: descoberta a posição do impassível explorador, vivia-a e desfrutava-a sob a forma de criação. Agora,

Continue lendo…

Há homens que lutam um dia, e são bons; há homens que lutam por um ano, e são melhores; há homens que lutam por vários anos, e são muito bons; há outros que lutam durante toda a vida, esses são imprescindíveis.

Se um homem não faz novas amizades à medida que avança na vida, ficará logo sozinho. Um homem, senhor, deveria manter as suas amizades em contínuo restauro.

Amizade é quando você encontra uma pessoa que olha na mesma direção que você, compartilha a vida contigo e te respeita como você é!