Passagens de Manoel de Oliveira

108 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Manoel de Oliveira para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Parar √© morrer e isto √© aplic√°vel hoje. O pior de tudo √© parar, quer dizer, n√£o se fazerem coisas, n√£o se fazer nada, ficar com medo, retrair-se, etc. Esta ideia do povo, diante da crise, correr a tirar o dinheiro dos bancos, com medo de o perder, agrava terrivelmente a situa√ß√£o. √Č um erro parar, n√£o continuar a despertar as coisas.

Sem identidade n√£o se √©. E a gente tem que ser, isso √© que √© importante. Mas a identidade obriga depois √† dignidade. Sem identidade n√£o h√° dignidade, sem dignidade n√£o h√° identidade, sem estas duas n√£o h√° liberdade. A liberdade imp√Ķe, logo de come√ßo, o respeito pelo pr√≥ximo. Isto pode explicar um pouco os limites da pr√≥pria vida.

A nossa memória está nos livros, nas pinturas e nos filmes. Dizia Arturo Ripstein, um realizador mexicano, que os governos deviam ajudar os realizadores não por favor mas por obrigação, porque o cinema é o espelho da vida, não temos outro.

A Minha Cidade Preferida

√Č o Porto. Tem umas caracter√≠sticas muito particulares, muito suas. Ou melhor, tinha. Est√£o agora a fazer for√ßa para tir√°-las, ao contr√°rio do que se faz l√° fora. Mesmo √†s cidades que foram arrasadas pela guerra, como Vars√≥via, na Pol√≥nia, que foi refeita tal qual era antes. O mesmo aconteceu em Berlim. Aqui destroem o que est√° feito para construir uma porcaria qualquer incaracter√≠stica, que n√£o representa coisa nenhuma. Por exemplo, o que querem fazer no mercado do Bolh√£o √© uma vergonha – querem meter l√° um supermercado, ou outra borra qualquer, que tira todo o car√°cter √† cidade e a modifica. Assim, as cidades confundem-se todas: a gente chega a uma cidade e j√° n√£o sabe onde est√°. √Č tudo igual em toda a parte.

Sinto que perten√ßo a uma deontologia cinematogr√°fica que recusa mostrar o lado √≠ntimo. S√≥ filmo o que √© p√ļblico, embora possa sugeri-lo.

N√£o √© normal a liga√ß√£o mulher com mulher e homem com homem. Mas √© toler√°vel. Eles que fa√ßam l√° o que entenderem. Mas o casamento tem um √ļnico fim: preservar a continuidade da esp√©cie.

Sinto que precisava de viver mais 50 anos para concretizar todos os projectos que tenho. Se tivesse os meios, não me custava nada fazer dois filmes por ano. Ideias não me faltam, seja através de projecto escritos por mim ou por grandes escritores.

O computador tem possibilidades de mais para aquilo de que eu preciso. N√£o quero saber coisas de computadores. Quero apenas saber o necess√°rio para escrever os meus textos e as minhas planifica√ß√Ķes. O resto das capacidades dos computadores s√≥ me atrapalha.

O cinema √© mundano. E a santidade √© a fuga do mundano. √Č o desprendimento ‚Äď o sentimento de liberdade mais profundo ‚Äď de tudo quanto √© mundano, da vida, das atrac√ß√Ķes. √Č separar-se de tudo. Por tr√°s do cinema e do autor est√° a vaidade. Basta isso para destruir tudo. Ele faz isto ‚Äď gosta de receber pr√©mios, de receber elogios, que compreendam os seus filmes. E isso √© mundano ‚Äď √© deste mundo ‚Äď, a santidade n√£o √© deste mundo.

A Esperança é o Bordão da Vida

A esperan√ßa √© o bord√£o da vida. H√° uma coisa do Padre Vieira, muito bonita, em que ele fala do Non. Terr√≠vel palavra √© o non, de qualquer lado por onde se pegue, √© sempre Non ‚Äď isto aparece no meu filme ‚ÄúNon ou a v√£ gl√≥ria de mandar‚ÄĚ, dito por esse grande actor, o Ruy de Carvalho. A √ļltima palavra do Vieira sobre Non √©: ‚ÄúO Non tira a esperan√ßa, que √© a √ļltima coisa que a natureza deixou ao homem‚ÄĚ. Sem esperan√ßa n√£o se pode viver.

[A esperança e o desejo são o que nos impele a fazer, prosseguir. Mas não é supremamente difícil mantê-los vivos?]

O desejo n√£o nos impele para existir. O desejo impele para a continuidade da esp√©cie. O que nos impele √† exist√™ncia √© o que diz o maia, ‚Äúcome para viveres‚ÄĚ, e isso √© a fome. A fome √© o que nos garante a subsist√™ncia. Se n√£o tiv√©ssemos fome, n√£o com√≠amos, n√£o comendo, n√£o sobreviv√≠amos. Se n√£o tiv√©ssemos o desejo, n√£o ter√≠amos a rela√ß√£o sexual e a rela√ß√£o sexual √© que garante a continuidade da esp√©cie. O desejo √© uma coisa, a fome √© outra. S√£o os dois para a continuidade: um para a continuidade do indiv√≠duo,

Continue lendo…

Nada é Verdadeiramente Satisfatório

Nada √© verdadeiramente satisfat√≥rio. Mesmo a arte a que um artista √© vocacionado, e sobre a qual e para a qual vive, est√° sempre aqu√©m do seu desejo. Nunca atinge aquele n√≠vel, aquele andar que desejaria. Est√° sempre a tentar, a aproximar-se do limite das possibilidades. No fundo, do absoluto. Um absoluto que se n√£o atinge, [que se] ignora mesmo. A √ļnica coisa que sabemos ao certo √©: ningu√©m nasce sen√£o para morrer. Morrer mais cedo ou morrer mais tarde. Tem esse privil√©gio: acabar com a vida antes do fim natural dela. Se estiver desesperado, acontece. Justamente quando perde a esperan√ßa. Quando perde a esperan√ßa, perdeu tudo, e ent√£o liquida-se.

[Pensou alguma vez? Houve algum momento na sua vida t√£o desesperan√ßado? Teve tantos reveses…]

Não. Suponho que ninguém deixa de pensar na morte. E quando se chega à minha idade, está-se mais consciente de que se aproxima o fim. Portanto, ele tem que se preparar para esse final. Há muita gente que conheci que se suicidou por isto ou por aquilo. E há o problema da eutanásia, quando o sofrimento é muito grande, a experiência é nula e as pessoas não podem sequer matar-se, têm que pedir que alguém as mate.

Continue lendo…

Tudo Tem de Ser a Favor da Humanidade

Quando fiz o Crist√≥v√£o Colombo, e depois fiz uma apresenta√ß√£o em Fran√ßa, defendi que a hip√≥tese de o navegador ter nascido em Portugal n√£o era uma quest√£o de patriotismo. O m√©rito est√° na pessoa, seja ela de que nacionalidade for. E o m√©rito de qualquer pessoa d√° m√©rito √† na√ß√£o a que pertence, e d√° m√©rito √† humanidade. Essas figuras n√£o s√£o cativas delas pr√≥prias. √Č isto o fundo humanista, porque tudo tem de ser a favor da humanidade. Se for contra, √© mau. Isso √© muito importante. √Č assim que, quando um realizador portugu√™s recebe um pr√©mio, est√° a receb√™-lo a cinematografia portuguesa, est√° a receb√™-lo Portugal, a Europa, o mundo cinematogr√°fico. Isto n√£o √© assim t√£o individual como parece. Quando se fala muito de Cam√Ķes, estamos a falar dos portugueses, mas tamb√©m do m√©rito dos humanos. As pessoas est√£o obcecadas com o patriotismo: “Eu √© que sou.” N√£o √© nada disso. O humanismo √© que √© fundamental e, √†s vezes, √© esquecido. Mesmo nos partidos pol√≠ticos, que muitas vezes caem no sectarismo. A natureza humana, em qualquer um dos partidos, √© sempre a mesma. N√£o muda. √Č nela que est√° o mal e o bem. Mas concordo com a exist√™ncia dos partidos,

Continue lendo…

Sou um sobrevivente como qualquer outro. A arte √© um of√≠cio, uma paix√£o que as pessoas t√™m. O usur√°rio tem uma paix√£o pelo dinheiro e junta o dinheiro para nada ‚Äď √© triste. O artista tende ao absoluto; pode tamb√©m estar numa situa√ß√£o de revolta. N√£o √© exactamente o meu caso, embora muitas vezes me revolte.

O cinema só trata daquilo que existe, não daquilo que poderia existir. Mesmo quando mostra fantasia, o cinema agarra-se a coisas concretas. O realizador não é criador, é criatura.

Somos todos escravos da tecnologia. Lembro-me da sabedoria desses grandes homens que viajavam pelo mundo e passavam por terras diferentes, diferentes línguas. Não conheciam e acabavam por conhecer aquelas gentes e os seus modos de vida diferentes, de um lado para o outro, até à China e por aí fora. Era admirável, não era? Hoje não, vai-se de avião, não se sente nada.

O cinema √© imaterial, o teatro √© material: os actores t√™m carne e osso, est√£o l√°, vivos, nos cen√°rios. Mas o cinema, n√£o ‚Äď √© um fantasma da realidade.

Estou habituado a que recebam mal os meus filmes e isso não me altera, nem altera nada do que penso sobre o cinema. Eu reprovo o prémio da competição.

Creio que o amor por uma paisagem pode ser sensual. Muitas coisas relevam da sexualidade. √Č um abismo. Mesmo a morte √© um ato sexual, o mais virtuoso, o mais belo, o √ļltimo.

O teatro é mais rico. Os actores estão lá, em carne e osso. No cinema, só está a personagem. O actor já não se encontra lá quando o filme é exibido. O cinema é complementar mas tem uma vantagem perdura no tempo. Se houvesse cinema no tempo áureo das tragédias gregas saberíamos como elas eram. Como não há, apenas calculamos como seriam.