Passagens de Miguel Torga

193 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Miguel Torga para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

√Č Preciso Regressar ao Amigo √ćntimo

Custa, mas o melhor é ver o problema a toda a luz. No conceito do homem abstracto é necessário afinal meter tanto estrume, que não há entusiasmo que resista. Feito de mil incoerências, movido por sentimentos ocasionais, preso a necessidades rudimentares, o bípede real, ao ser premido no molde da abstracção, rebenta a forma. E é preciso regressar ao amigo íntimo, ao compadre, para se calcar terra firme. Numa palavra: não há um homem-símbolo que se possa venerar: há simples indivíduos cujas virtudes e defeitos toleram um convívio social urbano.

A vida √† beira-mar, para um escritor, tem a desvantagem de o fazer esquecer o mundo. √Č t√£o absorvente e t√£o embalador este ritmo cont√≠nuo das ondas, que se perde a mem√≥ria do resto.

Só eu Sinto Bater-lhe o Coração

Dorme a vida a meu lado, mas eu velo.
(Alguém há-de guardar este tesoiro!)
E, como dorme, afago-lhe o cabelo,
Que mesmo adormecido é fino e loiro.

Só eu sinto bater-lhe o coração,
Vejo que sonha, que sorri, que vive;
Só eu tenho por ela esta paixão
Como nunca hei-de ter e nunca tive.

E logo talvez já nem reconheça
Quem zelou esta flor do seu cansa√ßo…
Mas que o dia amanheça
E cubra de poesia o seu regaço!

O que sou toda a gente é capaz de ver; Mas o que ninguém é capaz de imaginar é até onde sou e como.

As ideias são como as plantas: têm o seu clima e a sua terra. Por mais que se diga, o eucalipto será sempre exótico na paisagem portuguesa.

Aceno

Longe,
Seu coração bate por mim;
E a sua m√£o desenha aquele afago
Que me sossega inteiro…

Longe,
A verdade serena do seu rosto
√Č que faz este dia verdadeiro…

Quando um homem tem dentro de si uma verdade que quer ouvidos, at√© peixes lhe servem para audit√≥rio. Santo Ant√≥nio que o diga…

Tenho a impress√£o de que certas pessoas, se soubessem exactamente o que s√£o e o que valem na verdade, endoideciam. De que, se no intervalo da emb√≥fia e da import√Ęncia pudessem descer ao fundo do po√ßo e ver a pobreza franciscana que l√° vai, pediam a Deus que as metesse pela terra dentro.

A Influência dos Livros

N√£o h√° d√ļvida nenhuma: se um leitor n√£o se tem firme nos p√©s diante de certos livros e de certos autores, acontece-lhe como quando a gente se debru√ßa a uma alta janela e olha com ades√£o exagerada para o fundo: atira-se dali abaixo. E coisa curiosa: tanto monta que o aceno venha dum cl√°ssico, como dum rom√Ęntico, como dum realista, como dum futurista. Desde que a m√£o feiticeira que o faz saiba da sua poda, um homem, que ainda ontem era enforcado de Villon, passa a sat√Ęnico de Baudelaire sem qualquer cerim√≥nia.

O Egoísmo dos Homens

Isto de saber que √© nos enterros que melhor se manifesta o ego√≠smo dos homens, n√£o √© novo. Vem nos livros. Mas √© conveniente experimentar. √Č sempre bom ir uma, duas, tr√™s, vinte vezes atr√°s de um caix√£o, e ver como a pouco e pouco o mar de gente se reduz e fica em nada. Como, de tantos amigos, chegam ao cemit√©rio apenas tr√™s, e esses tr√™s, furiosos por n√£o terem podido escapar-se.

Artista, Homem e Revolucion√°rio

Creio que n√£o √© preciso. Em todo o caso, fica aqui a declara√ß√£o. O que eu fui sempre, o que eu sou, e o que serei, √© um artista, um homem e um revolucion√°rio. Na medida em que sou artista, quero um mundo onde a beleza seja o v√©rtice da pir√Ęmide. Na medida em que sou homem, quero que nesse mundo os indiv√≠duos sejam livres e conscientes. E na medida em que sou revolucion√°rio, quero que a revolu√ß√£o traga √† tona as grandes massas, e que nunca acabe de percorrer o seu caminho perp√©tuo, sem estratifica√ß√Ķes e sem dogmas.

A atitude de todo o artista verdadeiro não pode ser neste momento senão de inteira e franca comunhão com a grande massa do país. Os artistas não constituem uma classe. São livres e mágicos servidores de quem tem a verdade e a história pelo seu lado. Ora, a verdade e a história estão, como sempre estiveram, do lado do povo.

O Caminho da Salvação

A cegueira e a obstina√ß√£o dos homens lembra-me √†s vezes a cegueira e a obstina√ß√£o das varejeiras enfrenizadas contra as vidra√ßas. Bastava um momento de serenidade, dez-r√©is de bom senso, e em qualquer fresta estava a liberdade. Mas o dem√≥nio da mosca, quanto mais a impossibilidade se lhe p√Ķe diante, mais teima. O resultado √© cair morta no peitoril.
Não se pode fazer ideia da maravilha de criança que era a filha de um poeta de meia tigela que hoje me lia versos impossíveis, a empurrá-la enfastiado com a mão esquerda, quando ela graciosamente o interrompia. A canção enluarada, a quadra perfeita, o soneto verdadeiro que justificavam aquele homem estavam ali, a brilhar nos olhos da pequenita; e o desgraçado às turras à janela, a zumbir e a magoar-se, sem ver que tinha diante de si o verdadeiro caminho da salvação!

A Política ao Sabor dos Humores Pessoais e Colectivos

Bem quero, mas n√£o consigo alhear-me da com√©dia democr√°tica que substituiu a trag√©dia autocr√°tica no palco do pa√≠s. S√≥ n√≥s! D√° vontade de chorar, ver tanta irreflex√£o. N√£o aprendemos nenhuma li√ß√£o pol√≠tica, por mais eloquente que seja. Cinquenta anos a suspirar sem gl√≥ria pelo fim de um jugo humilhante, e quando temos a oportunidade de ser verdadeiramente livres escravizamo-nos √†s nossas obsess√Ķes. Ningu√©m aqui entende outra voz que n√£o seja a dos seus humores.

√Č humoralmente que elegemos, que legislamos, que governamos. E somos uma comunidade de solid√Ķes impulsivas a todos os n√≠veis da cidadania. Com oitocentos anos de Hist√≥ria, parecemos crian√ßas sociais. Jogamos √†s escondidas nos corredores das institui√ß√Ķes.

Mais um ano, mais um palmo a separar-me dos outros, j√° que a vida n√£o passa de um progressivo distanciamento de tudo e de todos, que a morte remata.

Dies Irae

Apetece cantar, mas ninguém canta.
Apetece chorar, mas ninguém chora.
Um fantasma levanta
A m√£o do medo sobre a nossa hora.

Apetece gritar, mas ninguém grita.
Apetece fugir, mas ninguém foge.
Um fantasma limita
Todo o futuro a este dia de hoje.

Apetece morrer, mas ninguém morre.
Apetece matar, mas ninguém mata.
Um fantasma percorre
Os motins onde a alma se arrebata.

Oh! maldição do tempo em que vivemos,
Sepultura de grades cinzeladas,
Que deixam ver a vida que n√£o temos
E as ang√ļstias paradas!

Orfeu Rebelde

Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a f√ļria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade do meu sofrimento.

Outros, felizes, sejam os rouxin√≥is…
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que h√° gritos como h√° nortadas,
Violências famintas de ternura.

Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legítima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.

Requiem por Mim

Aproxima-se o fim.
E tenho pena de acabar assim,
Em vez de natureza consumada,
Ruína humana.
Inv√°lido do corpo
E tolhido da alma.
Morto em todos os órgãos e sentidos.
Longo foi o caminho e desmedidos
Os sonhos que nele tive.
Mas ninguém vive
Contra as leis do destino.
E o destino n√£o quis
Que eu me cumprisse como porfiei,
E caísse de pé, num desafio.
Rio feliz a ir de encontro ao mar
Desaguar,
E, em largo oceano, eternizar
O seu esplendor torrencial de rio.