Cita√ß√Ķes sobre Pestanas

5 resultados
Frases sobre pestanas, poemas sobre pestanas e outras cita√ß√Ķes sobre pestanas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Sopra o Sonho

Sopra o sonho por dentro
Das p√°lpebras em viagem
Enceta o curso habitual nocturno
Num corredor sombrio de pestanas

Antes porém cumprimenta
Toda a matéria viva em que tropeça
Sabe o segredo do corpo tem uma p√°tria
Bioquímica extremamente embrionária

A morte j√° habita os seus tecidos
Quando os outros de guarda se abastecem
Pronta ao assalto das células
Como se dormisse

A que fins se destina e a que estranhos
bul√≠cios suas √ļltimas vontades?

N√£o o sabemos

Só mesmo o oceano o incomoda

Tenho Fome da Tua Boca

Tenho fome da tua boca, da tua voz, do teu cabelo,
e ando pelas ruas sem comer, calado,
n√£o me sustenta o p√£o, a aurora me desconcerta,
busco no dia o som líquido dos teus pés.

Estou faminto do teu riso saltitante,
das tuas m√£os cor de furioso celeiro,
tenho fome da p√°lida pedra das tuas unhas,
quero comer a tua pele como uma intacta amêndoa.

Quero comer o raio queimado na tua formosura,
o nariz soberano do rosto altivo,
quero comer a sombra fugaz das tuas pestanas

e faminto venho e vou farejando o crep√ļsculo
à tua procura, procurando o teu coração ardente
como um puma na solid√£o de Quitratue.

Zagala, os Teus Olhos

Zagala, os teus olhos,
Picam, e n√£o s√£o tojos!
Nos bois o aguilh√£o
N√£o faz tanto dano
Como um seu engano
No meu coração.
Num jeito que d√£o,
Zagala, os teus olhos,
Picam mais que tojos!

Nem naquele ensejo,
Quando mosca o gado,
Fica t√£o picado
Como eu quando os vejo;
Este meu desejo,
Zagala, e teus olhos,
Picam, e n√£o s√£o tojos!

Se, de mim zombando,
Sorrindo-te os mudas,
Com pontas agudas
Me est√£o traspassando;
Mais picado ando
De ver os teus olhos
Que de arrancar tojos!

Setas no ferir
S√£o suas pestanas
Que eu temo, e me enganas
Em vendo-as bulir;
Mas n√£o sei fugir
Piques dos teus olhos,
Que s√£o mais que tojos!

Pesada Noite

A noite cai de bruços,
cai com o peso fundo do cansaço,
cai como pedra, como braço,
cai como um século de cera,
aos tombos, aos soluços,
entre a maçã maciça e a perene pêra,
entre a tarde e o crep√ļsculo,
dilatação da madrugada, elástica,
cai, de borracha,
imita√ß√£o de m√ļsculo,
cai, parecendo que se agacha
na sombra, e feminina, e √°gil
salta, com molas de gin√°stica
nos pés, o abismo
do press√°gio,
a noite, essa mandíbula do trismo,
tétano e espasmo,
ao mesmo tempo, a noite
amorosa, à espreita do orgasmo,
ferina, mas também açoite,
contraditória
como existir esquecimento
no íntimo do homem,
na intimidade viva da memória,
reminiscências que o consomem
fugindo com o vento,
a noite, a noite acata
tudo que ocorre,
tanto aquele que mata
quanto aquele que morre,
a noite, a sensação e aguda
de um sono
fechando os olhos, invencível
como fera que estuda
a vítima, abandono
completo, fuga, salto
nas garras do impossível,
a noite pétrea do basalto,

Continue lendo…

Retrato de Mulher Triste

Vestiu-se para um baile que n√£o h√°.
Sentou-se com suas √ļltimas j√≥ias.
E olha para o lado, imóvel.

Est√° vendo os sal√Ķes que se acabaram,
embala-se em valsas que não dançou,
levemente sorri para um homem.
O homem que n√£o existiu.

Se alguém lhe disser que sonha,
levantará com desdém o arco das sobrancelhas,
Pois jamais se viveu com tanta plenitude.

Mas para falar de sua vida
tem de abaixar as quase infantis pestanas,
e esperar que se apaguem duas infinitas l√°grimas.