umas vezes falavas-me dos rios

umas vezes falavas-me dos rios
e densas cicatrizes
e o sangue
procedia

outras vezes velava-te uma lĂąmpada
de faias e de enigmas
e a sombra
repousava

outras vezes o barro
originava
uma erupção de insónia recidiva
no gume do incĂȘndio onde jazias

nessas vezes a ĂĄgua do teu riso
abria nos meus pulsos uma rosa
e eu entontecia