Cita√ß√Ķes sobre Videntes

8 resultados
Frases sobre videntes, poemas sobre videntes e outras cita√ß√Ķes sobre videntes para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

As Minhas M√£os

As minhas m√£os magritas, afiladas,
T√£o brancas como a √°gua da nascente,
Lembram p√°lidas rosas entornadas
Dum regaço de Infanta do Oriente.

M√£os de ninfa, de fada, de vidente,
Pobrezinhas em sedas enroladas,
Virgens mortas em luz amortalhadas
Pelas próprias mãos de oiro do sol-poente.

Magras e brancas… Foram assim feitas…
M√£os de enjeitada porque tu me enjeitas…
T√£o doces que elas s√£o! T√£o a meu gosto!

Pra que as quero eu – Deus! – Pra que as quero eu?!
√ď minhas m√£os, aonde est√° o c√©u?
…Aonde est√£o as linhas do teu rosto?

Portugal

Maior do que nós, simples mortais, este gigante
foi da glória dum povo o semideus radiante.
Cavaleiro e pastor, lavrador e soldado,
seu torrão dilatou, inóspito montado,
numa p√°tria… E que p√°tria! A mais formosa e linda
que ondas do mar e luz do luar viram ainda!
Campos claros de milho moço e trigo loiro;
hortas a rir; vergéis noivando em frutos de oiro;
trilos de rouxinóis; revoadas de andorinhas;
nos vinhedos, pombais: nos montes, ermidinhas;
gados nédios; colinas brancas olorosas;
cheiro de sol, cheiro de mel, cheiro de rosas;
selvas fundas, nevados píncaros, outeiros
de olivais; por nogais, frautas de pegureiros;
rios, noras gemendo, azenhas nas levadas;
eiras de sonho, grutas de génios e de fadas:
riso, abund√Ęncia, amor, conc√≥rdia, Juventude:
e entre a harmonia virgiliana um povo rude,
um povo montanhês e heróico à beira-mar,
sob a graça de Deus a cantar e a lavrar!
P√°tria feita lavrando e batalhando: aldeias
conchegadinhas sempre ao torre√£o de ameias.
Cada vila um castelo. As cidades defesas
por muralhas, basti√Ķes, barbac√£s, fortalezas;
e, a dar fé, a dar vigor,

Continue lendo…

O Livro dos Amantes

I

Glorifiquei-te no eterno.
Eterno dentro de mim
fora de mim perecível.
Para que desses um sentido
a uma sede indefinível.

Para que desses um nome
à exactidão do instante
do fruto que cai na terra
sempre perpendicular
à humidade onde fica.

E o que acontece durante
na rapidez da descida
é a explicação da vida.

II

Harmonioso vulto que em mim se dilui.
Tu és o poema
e és a origem donde ele flui.
Intuito de ter. Intuito de amor
n√£o compreendido.
Fica assim amor. Fica assim intuito.
Prometido.

III

Príncipe secreto da aventura
em meus olhos um dia começada e finita.
Onda de amargura numa √°gua tranquila.
Flor insegura enlaçada no vento que a suporta.
P√°ssaro esquivo em meus ombros de aragem
reacendendo em cadência e em passagem
a lua que trazia e que apagou.

IV

D√°-me a tua m√£o por cima das horas.
Quero-te conciso.
Adão depois do paraíso
errando mais n√≠tido √† dist√Ęncia
onde te exalto porque te demoras.

Continue lendo…

Imortal Atitude

Abre os olhos à Vida e fica mudo!
Oh! Basta crer indefinidamente
Para ficar iluminado tudo
De uma luz imortal e transcendente.

Crer é sentir, como secreto escudo,
A alma risonha, l√ļcida, vidente…
E abandonar o sujo deus cornudo,
O s√°tiro da Carne impenitente.

Abandonar os l√Ęnguidos rugidos,
O infinito gemido dos gemidos
Que vai no lodo a carne chafurdando.

Erguer os olhos, levantar os braços
Para o eterno Silêncio dos Espaços
E no Sil√™ncio emudecer olhando…

A vis√£o torna o mundo uma janela, mas percebemos que h√° outras dimens√Ķes igualmente fulcrais do olhar. A come√ßar pela dimens√£o de reflexividade: o nosso corpo, que olha todas as coisas, pode tamb√©m olhar-se; ele √© ao mesmo tempo vidente e vis√≠vel.

Aqui Louvo os Animais

S√ļbdito s√≥ de quem n√£o reina,
aqui louvo os animais.
H√°, entre mim e eles, uma funda
relação de videntes:
as paisagens que fendem
e a minha, sepulta,
perfazem um mesmo habitat.
Desde que os n√£o sondo,
fez-se luz em nosso convívio.
O ar inicial
que ensaiava, ic√°rico,
nas bolas de sab√£o,
mas n√£o atina com o v√°cuo
da cidade, vem-me
dos seus pulm√Ķes arborescentes.
Alheios à sua pele
na osmose dos textos,
ignoram que nas √°guas
por correr, desta p√°gina,
cruzam, saudando-se,
o ¬ęBeagle¬Ľ e a Arca de No√©.