A poesia nĂŁo Ă© nem pode ser lĂłgica. A raiz da poesia assenta precisamente no absurdo.