Poemas sobre Estrelas

200 resultados
Poemas de estrelas escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Digo que Te Amo

digo que te amo
sorris e eu amo, digo que te quero
sorris e eu quero, dizes em sonhos

em sonhos que já tive, onde desejei ser céu sol e
estrelas para que te pudesse olhar eternamente

Com uma Estrela na Voz

Que voz é esta? De onde vem?
Que fantasmas antigos desperta
quando tudo o mais parece
ferido pela imobilidade de um sono de pedra?

Corres agora atr√°s das vozes
acantonadas nas arcas de Dezembro
e o que buscas é uma centelha de riso,
o fugaz cristal de uma l√°grima,
o aconchego de uma carícia
capaz de vergar a noite ao peso
imaterial de um instante de ternura.

√Č s√≥ isso que buscas, nada mais.
E tudo o que buscas
é uma lança que trespassa a morte
tantas vezes anunciada
no mudo sofrimento dos animais.

E se, buscando, é a luz que encontras,
ergue-a ent√£o como um estandarte
na hora de todos os fingimentos
e continua buscando até descobrires
que a voz que persegues e quase te enlouquece
é a tua própria voz soletrando nos portais
os nomes piedosos e límpidos
de quem chega um dia no rasto de uma estrela.

Stella

J√° raro e mais escasso
A noite arrasta o manto,
E verte o √ļltimo pranto
Por todo o vasto espaço.

Tíbio clarão já cora
A tela do horizonte,
E j√° de sobre o monte
Vem debruçar-se a aurora.

À muda e torva irmã,
Dormida de cansaço,
Lá vem tomar o espaço
A virgem da manh√£.

Uma por uma, v√£o
As p√°lidas estrelas,
E v√£o, e v√£o com elas
Teus sonhos, coração.

Mas tu, que o devaneio
Inspiras do poeta,
Não vês que a vaga inquieta
Abre-te o √ļmido seio?

Vai. Radioso e ardente,
Em breve o astro do dia,
Rompendo a névoa fria,
Vir√° do roxo oriente.

Dos íntimos sonhares
Que a noite protegera,
De tanto que eu vertera
Em l√°grimas a pares,

Do amor silencioso,
Místico, doce, puro,
Dos sonhos de futuro,
Da paz, do etéreo gozo,

De tudo nos desperta
Luz de importuno dia;
Do amor que tanto a enchia
Minha alma est√° deserta.

A virgem da manh√£
J√° todo o c√©u domina…

Continue lendo…

√ď Noite, Coalhada nas Formas de um Corpo de Mulher

√ď noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher
vago e belo e voluptuoso,
num bailado erótico, com o cenário dos astros, mudos
[e quedos.
Estrelas que as suas m√£os afagam e a boca repele,
deixai que os caminhos da noite,
cegos e rectos como o destino,
suspensos como uma nuvem,
sejam os caminhos dos poetas
que lhes decoraram o nome.
√ď noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher!
Esconde a vida no seio de uma estrela
e f√°-la pairar, assim m√°gica e irreal,
para que a olhemos como uma lua son√Ęmbula.

Entrei no café com um rio na algibeira

Entrei no café com um rio na algibeira
e pu-lo no ch√£o,
a vê-lo correr
da imagina√ß√£o…

A seguir, tirei do bolso do colete
nuvens e estrelas
e estendi um tapete
de flores
a concebê-las.

Depois, encostado à mesa,
tirei da boca um p√°ssaro a cantar
e enfeitei com ele a Natureza
das √°rvores em torno
a cheirarem ao luar
que eu imagino.

E agora aqui estou a ouvir
A melodia sem contorno
Deste acaso de existir
-onde só procuro a Beleza
para me iludir
dum destino.

Namoro II

Ai se eu disser que as tremuras
Me d√£o nas pernas, e as loucuras
Fazem esquecer-me dos prantos
Pensar em juras

Ai se eu disser que foi feitiço
Que fez na saia dar ventania
Mostrar-me coisas t√£o belas
Ter fantasia
E sonhar com aquele encontro
Sonhar que n√£o diz que n√£o

Tem um jeito de senhora
E um olhar desmascarado
De céu negro ou céu estrelado, ou Sol
Daquele que a gente sabe.
O seu balanço gingado
Tem os mistérios do mar
E a certeza do caminho certo
que tem a estrela polar.

Não sei se faça convite
E se quebre a tradição
Ou se lhe mande uma carta
Como ouvi numa canção
Só sei que o calor aperta
E ainda n√£o estamos no ver√£o.

Quanto mais o tempo passa
Mais me afasto da raz√£o
E ela insiste no passeio à tarde
Em tom de provocação
Até que num dia feriado
P’ra curtir a solid√£o
Fui consumir as tristezas
P’r√≥ baile do Sr. Jo√£o

N√£o sei se foi por magia
Ou seria maldição
Dei por mim rodopiando
Bem no meio do sal√£o
Acabei no tal convite
Em jeito de confiss√£o
E a resposta foi t√£o doce
Que a beijei com emoção
Só que a malta não gritou
Como ouvi numa canção

Lua Cheia

Duas gotas de sangue nas dunas,
duas rosas rubras na areia.
Se foi prazer ou suplício,
sabe o amor e a lua cheia.

Foi de amor esse gemido?
Ou foi de gozo esse grito?
Sabem tudo e nada dizem
as estrelas no infinito.

Atitude

Minha esperan√ßa perdeu seu nome…
Fechei meu sonho, para cham√°-la.
A tristeza transfigurou-me
como o luar que entra numa sala.

O √ļltimo passo do destino
parar√° sem forma funesta,
e a noite oscilar√° como um dourado sino
derramando flores de festa.

Meus olhos estar√£o sobre espelhos, pensando
nos caminhos que existem dentro das coisas transparentes.
E um campo de estrelas ir√° brotando
atrás das lembranças ardentes.

Fala Também Tu

Fala também tu,
fala em √ļltimo lugar,
diz a tua sentença.

Fala ‚ÄĒ
Mas n√£o separes o N√£o do Sim.
Dá à tua sentença igualmente o sentido:
d√°-lhe a sombra.

D√°-lhe sombra bastante,
d√°-lhe tanta
quanta exista à tua volta repartida entre
a meia-noite e o meio-dia e a meia-noite.

Olha em redor:
como tudo revive √† tua volta! ‚ÄĒ
Pela morte! Revive!
Fala verdade quem diz sombra.

Mas agora reduz o lugar onde te encontras:
Para onde agora, oh despido de sombra, para onde?

Sobe. Tacteia no ar.
Tornas-te cada vez mais delgado, irreconhecível, subtil!
Mais subtil: um fio,
por onde a estrela quer descer:
para em baixo nadar, em baixo,
onde pode ver-se a cintilar: na ondulação
das palavras errantes.

Tradução de João Barrento e Y. K. Centeno

Natal

1

A voz clamava no Deserto.

E outra Voz mais suave,
Lírio a abrir, esvoaçar incerto,
Tímido e alvente, de ave
Que larga o ninho, melodia
Nascente, docemente,
Uma outra Voz se erguia…

A voz clamava no Deserto…

Anunciando
A outra Voz que vinha:
Balbuciar de fonte pequenina,
Dando
√Ä luz da Terra o seu primeiro beijo…
Inef√°vel an√ļncio, dealbando
Entre as estrelas moribundas.

2

Das entranhas profundas
Do Mundo, eco do Verbo, a profecia,
– √Ä dist√Ęncia de S√©culos, – dizia,
Pressentia
Fragor de sismos, o dum mundo ruindo,
Redimindo
Os c√°rceres do mundo…

A voz dura e ardente
Clamava no Deserto…

Natal de Primavera,
A nova Luz nascera.
Voz do céu, Luz radiante,
Mais humana e mais doce
E irm√£ dos Poetas
Que a voz trovejante
Dos profetas
Solit√°rios.

3

A divina alvorada
Trazia
Lírios no regaço
E rosas.
Natal. Primeiro passo
Da secular Jornada,
Era um canto de Amor
A anunciar Calv√°rios,

Continue lendo…

O Amor Limitado

Algum homem indigno de ser possuidor
De amor velho ou novo, sendo ele próprio falso ou fraco,
Pensou que a sua dor e vergonha seriam menores
Se a sua ira sobre as mulheres descarregasse.
E ent√£o uma lei nasceu:
Que cada uma um só homem conhecesse.
Mas s√£o assim as outras criaturas?

S√£o o sol, a lua, as estrelas proibidos por lei
De sorrir para onde lhes apetece, ou de esbanjar a sua luz?
Divorciam-se os p√°ssaros, ou s√£o censurados
Se abandonam o seu par, ou dormem fora uma noite?
Os animais n√£o perdem as suas pens√Ķes
Ainda que escolham novos amantes,
Mas nós fizémo-nos piores do que eles.

Quem j√° armou belos navios para ancorar nos portos,
Em vez de buscar novas terras, ou negociar com todos?
Ou construiu belas casas, plantou √°rvores e arbustos,
Apenas para as trancar, ou ent√£o deix√°-los cair?
O Bom não é bom, a não ser
Que mil coisas possua,
Mas arruína-se com a avidez.

Tradução de Helena Barbas

Criança

Cabecinha boa de menino triste,
de menino triste que sofre sozinho,
que sozinho sofre, ‚ÄĒ e resiste,

Cabecinha boa de menino ausente,
que de sofrer tanto se fez pensativo,
e n√£o sabe mais o que sente…

Cabecinha boa de menino mudo
que n√£o teve nada, que n√£o pediu nada,
pelo medo de perder tudo.

Cabecinha boa de menino santo
que do alto se inclina sobre a √°gua do mundo
para mirar seu desencanto.

Para ver passar numa onda lenta e fria
a estrela perdida da felicidade
que soube que n√£o possuiria.

A Idade

Falou e disse um p√°ssaro,
dois sóis, uma pequena estrela.
Falou para que cal√°ssemos
e disse amor, pen√ļria, brevidade.
E disse   disse   disse
a idade    da eternidade.

A Tua Beleza para Mim Est√° em Existires

√öltima estrela a desaparecer antes do dia,
Pouso no teu trêmulo azular branco os meus olhos calmos,
E vejo-te independentemente de mim;
Alegre pelo critério (?) que tenho em Poder ver-te
Sem “estado de alma” nenhum, sonho ver-te.
A tua beleza para mim est√° em existires
A tua grandeza est√° em existires inteiramente fora de mim.

Bela D’Amor

Pois essa luz cintilante
Que brilha no teu semblante
Donde lhe vem o ‚Äėsplendor?
N√£o sentes no peito a chama
Que aos meus suspiros se inflama
E toda reluz de amor?

Pois a celeste fragr√Ęncia
Que te sentes exalar,
Pois, dize, a ing√©nua eleg√Ęncia
Com que te vês ondular
Como se baloiça a flor
Na Primavera em verdor,
Dize, dize: a natureza
Pode dar tal gentileza?
Quem ta deu sen√£o amor?

Vê-te a esse espelho, querida,
Ai!, vê-te por tua vida,
E diz se há no céu estrela,
Diz-me se h√° no prado flor
Que Deus fizesse t√£o bela
Como te faz meu amor.

M√£e

I

Dantes, quando a deixava,
As férias já no fim,
Ela vinha à janela
Despedir-se de mim.

Depois, quando na estrada,
Olhava para tr√°s,
Deitava-me ainda a benção
Para que eu fosse em paz.

Dali n√£o se movia,
À vidraça encostada,
Até que eu me perdia
J√° na curva da estrada.

Hoje, se olho, calo-me
E baixo os olhos meus!
Já não vem à janela
Para dizer-me adeus!

II

Chove, e a chuva é fria.
Noite! Nos montes distantes
O Inverno principia.
Um Inverno como dantes.

Ao redor do lume aceso
Todos ficamos a olhar…
Todos n√£o, n√£o somos todos,
Porque h√° vazio um lugar.

Esse lugar era o dela,
Que ninguém mais preencheu.
Mesmo com vida, na terra,
Era uma estrela no céu.

Sombras

A meio desta vida continua a ser
difícil, tão difícil
atravessar o medo, olhar de frente
a cegueira dos rostos debitando
palavras destinadas a morrer
no lume impaciente de outras bocas
anunciando o mel ou o vinho ou
o fel.

Calmamente sentado num sof√°,
começas a entender, de vez em quando,
os condenados a prisão perpétua
entre as quatro paredes do espírito
e um esquife negro onde v√£o desfilando
imagens, só imagens
de canal em canal, sintonizadas
com toda a ang√ļstia e estupidez do mundo.

As pessoas – tu sabes – as pessoas s√£o feitas
de vento
e deixam-se arrastar pela mais bela
respiração das sombras,
pela morte que repete os mesmos gestos
quando o crep√ļsculo fica a s√≥s connosco
e a noite se redime com uma estrela
a prometer salvar-nos.

A meio desta vida os versos abrem
paisagens virtuais onde se perdem
as inten√ß√Ķes que alguma vez tivemos,
o recorte obscuro de perfis
desenhados a fogo h√° muitos anos
numa alma forrada de espelhos
mas sempre t√£o vazia,

Continue lendo…

Os Cinco Sentidos

S√£o belas – bem o sei, essas estrelas,
Mil cores Рdivinais têm essas flores;
Mas eu n√£o tenho, amor, olhos para elas:
Em toda a natureza
N√£o vejo outra beleza
Sen√£o a ti – a ti!

Divina – ai! sim, ser√° a voz que afina
Saudosa – na ramagem densa, umbrosa.
ser√°; mas eu do rouxinol que trina
Não oiço a melodia,
Nem sinto outra harmonia
Sen√£o a ti – a ti!

Respira – n’aura que entre as flores gira,
Celeste – incenso de perfume agreste,
Sei… n√£o sinto: minha alma n√£o aspira,
N√£o percebe, n√£o toma
Sen√£o o doce aroma
Que vem de ti – de ti!

Formosos – s√£o os pomos saborosos,
√Č um mimo – de n√©ctar o racimo:
E eu tenho fome e sede… sequiosos,
Famintos meus desejos
Est√£o… mas √© de beijos,
√Č s√≥ de ti – de ti!

Macia – deve a relva luzidia
Do leito – ser por certo em que me deito.
Mas quem, ao pé de ti, quem poderia
Sentir outras carícias,

Continue lendo…

Romance do Terceiro-Oficial de Finanças

Ah! as coisas incríveis que eu te contava
assim misturadas com luas e estrelas
e a voz vagarosa como o andar da noite!

As coisas incríveis que eu te contava
e me deixavam hirto de surpresa
na solid√£o da vila quieta!…
Que eu vinha alta noite
como quem vem de longe
e sabe o segredo dos grandes silêncios
Рos meus braços no jeito de pedir
e os meus olhos pedindo
o corpo que tu mal debru√ßavas da varanda!…

(As coisas incríveis eu só as contava
depois de as ouvir do teu corpo, da noite
e da estrela, por cima dos teus cabelos.
Aquela estrela que parecia de propósito para enfeitar os teus cabelos
quando eu ia namorar-te…)

Mas tudo isso, que era tudo para nós,
n√£o era nada da vida!…
Da vida é isto que a vida faz.
Ah! sim, isto que a vida faz!…
Рisto de tu seres a esposa séria e triste
de um terceiro-oficial de finan√ßas da C√Ęmara Municipal!…