Cita√ß√Ķes de Teixeira de Pascoaes

74 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Teixeira de Pascoaes para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

O Objectivo e o Subjectivo

Representamos o objectivo e o subjectivo, a quantidade e a qualidade, o n√ļmero cardinal e o ordinal, a desordem corpuscular e a m√ļsica das esferas, a fatalidade e a liberdade. Representamos tudo isso, num cen√°rio s√≥lido, l√≠quido e gasoso. E, por isso, comemos, bebemos, e respiramos; – tr√™s virtudes do f√īlego animado, porque muda o que come, em sensa√ß√Ķes, o que bebe em sentimentos e o que respira em ideias claras ou obscuras, conforme √© l√≠mpido o ar ou enevoado… √Č de s√≥lida origem a sensa√ß√£o; o sentimento √© j√° de origem fluidica; e, ent√£o, o pensamento √© s√≥ cor azul ou imagem √≠ntima da luz.

Trágica Recordação

Meu Deus! meu Deus! quando me lembro agora
De o ver brincar, e avisto novamente
Seu pequenino Vulto transcendente,
Mas t√£o perfeito e vivo como outrora!

Julgo que ele ainda vive; e que, lá fóra,
Fala em voz alta e brinca alegremente,
E volve os olhos verdes para a gente,
Dois berços de embalar a luz da aurora!

Julgo que ele ainda vive, mas j√° perto
Da Morte: sombra escura, abysmo aberto…
Pesadêlo de treva e nevoeiro!

√ď vis√£o da Crean√ßa ao p√© da Morte!
E a da M√£e, tendo ao lado a negra sorte
A calcular-lhe o golpe traiçoeiro!

O Português é indeciso e inquieto, como as nuvens em que as suas montanhas se continuam e as ondas em que as suas campinas se prolongam.

Somos uma Turba e Ninguém

Somos uma turba e ningu√©m: um ningu√©m que vive, porque √© sangue e carne, e existe porque √© esqueleto ou pedra; e uma turba da espectros que nos acompanha desde a Origem, e √© a nossa mesma pessoa multiplicada em mil tend√™ncias incoerentes, for√ßas contradit√≥rias, em v√°rios sentidos ignotos… E l√° vamos, a tactear as trevas, ladeando, avan√ßando, recuando, como pobres jumentos aflitos e √†s escuras, sob as esporas que o espica√ßam para a frente e as r√©deas que o puxam para tr√°s.
Pobres jumentos aflitos e às escuras! Escouceiam, orneiam, levantam a garupa. De que serve? As patas ferem o ar e aquela voz de soluços, que faz rir, não chega ao céu.
(…) Deus, criando as almas, condenou-as √† suprema solid√£o. Algumas iludem a pena. Imaginam conviver com as √°rvores e os penedos. Falam √†s √°rvores e aos penedos, queixando-se dos seus desgostos. (…) Somos uma turba e ningu√©m. Somos Deus e o Dem√≥nio, o C√©u e a Terra e outras letras grandes e Ningu√©m.

O Homem Corrige Deus

N√≥s encontramos o soldado em v√°rias esp√©cies inferiores. A formiga tem ex√©rcitos e creio que pol√≠cia civil. Qualquer obscuro passarinho √© um aut√™ntico Bleriot. N√£o h√° industrial alem√£o que se aproxime da abelha. O canto do galo e os versos da Il√≠ada. Jo√£o de Deus e o rouxinol, o castor e o arquitecto, a sub-marinha e os tubar√Ķes, representam cousas e criaturas que se confundem…
Mas o Fil√≥sofo revela-se apenas no homem. A Filosofia √© o sinal luminoso que o destaca da mesquinha escuridade ambiente… S√≥ o homem √© suscept√≠vel de magicar, de refazer a Cria√ß√£o √† sua imagem… O homem corrige Deus.

Encantamento

Quantas vezes, ficava a olhar, a olhar
A tua d√īce e angelica Figura,
Esquecido, embebido num luar,
Num enlêvo perfeito e graça pura!

E á força de sorrir, de me encantar,
Deante de ti, mimosa Creatura,
Suavemente sentia-me apagar…
E eu era sombra apenas e ternura.

Que inocencia! que aurora! que alegria!
Tua figura de Anjo radiava!
Sob os teus pés a terra florescia,

E até meu proprio espirito cantava!
Nessas horas divinas, quem diria
A sorte que j√° Deus te destinava!

O Que Eu Sou

Nocturna e dubia luz
Meu s√™r esbo√ßa e tudo quanto existe…
Sou, num alto de monte, negra cruz,
Onde bate o luar em noite triste…

Sou o espirito triste que murmura
Neste silencio l√ļgubre das Cousas…
Eu é que sou o Espectro, a Sombra escura
De falecidas formas mentirosas.

E tu, Sombra infantil do meu Am√īr,
√Čs o S√™r vivo, o S√™r Espiritual,
A Presen√ßa radiosa…
Eu sou a D√īr,
Sou a tragica Ausencia glacial…

Pois tu vives, em mim, a vida nova,
E eu j√° n√£o vivo em ti…
Mas quem morreu?
F√īste tu que baixaste √° fria cova?
Oh, n√£o! Fui eu! Fui eu!

Horrivel cataclismo e negra sorte!
Tu f√īste um mundo ideal que se desfez
E onde sonhei viver apoz a morte!
Vendo teus lindos olhos, quanta vez,
Dizia para mim: eis o logar
Da minha espiritual, futura imagem…
E viverei √° luz daquele olhar,
Divino sol de mistica Paisagem.

Era minha ambição primordial
Legar-lhe a minha imagem de saudade;
Mas um vento cruel de temporal,

Continue lendo…

O segredo da nossa vida moral não reside na etérea consciência, mas nas profundas da inconsciência, onde rastejam a dissimulação, a crueldade, o medo e outras virtudes adquiridas nos combates.