Os Animais e o Homem

Desde Montaigne e ainda hoje, entretemo-nos de bom grado com um desĆ­gnio que nada tem de caridoso, a meu ver, em comparar os animais com o homem. Querem reduzir a quase nenhuma a distĆ¢ncia que separa as suas faculdades; de facto, elas tocam-se, excepto num ponto, que estĆ” bem prĆ³ximo de ser tudo: Ć© que um faz por princĆ­pios o que os outros fazem por necessidade e natureza, ou seja, um pensa e os outros parecem pensar.