Passagens de Baltasar Gracián

166 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Baltasar Gracián para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

Não Cansar

Costuma ser cansativo o homem de um só negócio e de uma só conversação. A brevidade é lisonjeira e ainda mais negociante. Ganha por ser cortês quem perde por ser breve. O bom, se breve, é duas vezes bom. E mesmo o mau, se pouco, não é tão ruim. Mais obram as quintessências que as mixórdias. E é verdade conhecida que o homem de arengas raramente é entendido, não tanto no material que expõe quanto no formal do seu discurso. Há homens que servem mais de estorvo que de adorno do universo, alfaias perdidas, de que todos desviam. Que o discreto escuse estorvar, muito menos as grandes personagens, que vivem muito ocupadas, e seria pior desabrir-se com uma delas do que com o restante do mundo. Diz-se bem o que se diz depressa.

Mais Seguro é o Pensado

Mais seguro é o pensado. Muito depressa, se bem. O que logo se faz logo se desfaz; mas o que há-de durar uma eternidade há-de levar outra para ser feito. Só se atenta para a perfeição, e só o acerto permanece. Entender fundamentado logra eternidades: o que muito vale muito custa, pois mesmo o mais precioso dos metais é o mais vagaroso e o mais grave.

Quem Vence não Precisa de Dar Satisfações

Atenção para que as coisas lhe saiam bem. Alguns têm mais em mira o rigor da direcção que a felicidade de conseguir o intento, porém sempre prepondera mais o descrédito da infelicidade que o abono da diligência. Quem vence não precisa de dar satisfações. A maioria não percebe a exactidão das circunstâncias, mas apenas os bons ou maus sucessos; e, assim, nunca se perde reputação quando se consegue o intento. O bom fim tudo doura, mesmo que o desmintam os desacertos dos meios. Pois é arte ir contra a arte quando não se pode conseguir de outro modo a felicidade de sair-se bem.

As coisas não passam pelo que são, mas pelo que parecem. Raros são os que olham por dentro e muitos os que se contentam com as aparências. Apenas ter razão não basta; que o semblante também o demonstre.

Dissimular as Paixões

As paixões são as seteiras do espírito. O mais prático consiste em dissimular. Corre o risco de perder quem joga jogo aberto. Que a detença do recatado compita com a atenção do advertido; a linces da palavra, sibas de interioridade. Que não lhe conheçam o gosto, para que não se previnam, uns para a contradição, outros para a lisonja.

A Realidade e o Modo

Não basta a substância, requer-se também a circunstância. Um mau modo tudo estraga, até a justiça e a razão. O bom tudo supre; doura o não, adoça a verdade e enfeita até a velhice. É grande o papel do como nas coisas, e o bom jeito é o essencial das coisas. O bel portar-se é a gala do viver, desempeço singular de todo o bom termo.

O Homem no Seu Século

Os indivíduos eminentemente insignes dependem dos tempos. Nem todos tiveram o tempo que mereciam, e muitos, ainda que o tivessem, não conseguiram aproveitá-lo. Alguns seriam dignos de melhor século, pois nem tudo o que é bom triunfa sempre; as coisas têm a sua vez, e até as eminências dependem do uso; mas o sábio tem uma vantagem: é eterno, e, se este não é o seu século, muitos outros o serão.

Saber Subtrair-se

Pois se é grande lição de vida o saber negar, maior será saber negar-se a si mesmo, aos negócios, às pessoas. Há ocupações estranhas, carunchos do precioso tempo, e pior que nada fazer é ocupar-se com impertinências. Para ser avisado não basta não ser intrometido, é mister conseguir que não o intrometam. Não se há-de ser tanto de todos que não se seja de si mesmo. Tampouco dos amigos se há-de abusar, nem querer deles mais do que concederiam. Todo o demasiado é vicioso, muito mais no trato. Com essa prudente temperança conserva-se melhor o agrado e a estima de todos, porque não se fere a preciosíssima decência. Tenha, pois, liberdade de génio apaixonado do selecto, e nunca peque contra a fé do seu bom gosto.