Cita√ß√Ķes de Cormac McCarthy

8 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Cormac McCarthy para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Maldade Eterna

√Č dif√≠cil, a vida do pecador. Deus fez este mundo, mas n√£o o fez a contento de todos, pois n√£o?
N√£o me parece que ele estivesse a pensar muito em mim.
Pois, disse o velho. Mas em que é que as ideias de um homem o ajudam? Que mundos viu ele que preferia a este?
Consigo imaginar lugares melhores e melhores costumes.
E vossemecê consegue fazê-los existir?
N√£o.
N√£o. √Č um mist√©rio. Um homem v√™-se em palpos de aranha para entender a pr√≥pria mente porque s√≥ tem a pr√≥pria mente para entend√™-la. Pode entender o pr√≥prio cora√ß√£o, mas n√£o quer. E faz muito bem. O melhor √© nem espreitar l√° para dentro. N√£o √© o cora√ß√£o de uma criatura que esteja no caminho que Deus lhe tra√ßou. Encontra-se ruindade na mais mesquinha das criaturas, mas quando Deus criou o homem tinha o diabo √† sua ilharga. Uma criatura capaz de tudo, capaz de criar uma m√°quina e uma m√°quina para criar a m√°quina. E maldade que se perpetua sozinha durante um milhar de anos, sem ser preciso aliment√°-la. Vossemec√™ acredita nisso?
N√£o sei.
Pois acredite.

A Guerra é Deus

Pouco interessa o que os homens pensam da guerra, disse o juiz. A guerra perdura. √Č o mesmo que perguntar-lhes o que acham da pedra. A guerra sempre esteve presente. Antes de o homem existir, a guerra j√° estava √† espera dele. O of√≠cio supremo a aguardar o seu supremo art√≠fice. Sempre foi assim e sempre assim ser√°. Assim e n√£o de outra forma.
(…) Os homens nasceram para jogar. Nada mais. Todo o garoto sabe que a brincadeira √© uma ocupa√ß√£o mais nobre do que o trabalho. Sabe tamb√©m que a excel√™ncia ou m√©rito de um jogo n√£o √© inerente ao jogo em si, mas reside, isso sim, no valor daquilo que os jogadores arriscam. Os jogos de azar exigem que se fa√ßam apostas, sem o que n√£o fazem sequer sentido. Os desportos implicam medir a destreza e a for√ßa dos advers√°rios e a humilha√ß√£o da derrota e o orgulho da vit√≥ria constituem em si mesmos aposta suficiente, pois traduzem o valor dos contendores e definem-nos. Por√©m, quer se trate de contendas cuja sorte se decide pelo azar quer pelo m√©rito, todos os jogos anseiam elevar-se √† condi√ß√£o da guerra, pois nesta aquilo que se aposta devora tudo,

Continue lendo…

Moral e Guerra

As leis da moral s√£o uma inven√ß√£o da humanidade para privar dos seus direitos os mais poderosos em favor dos fracos. As leis da hist√≥ria subvertem as leis da moral a cada passo. A validade de uma perspectiva moral nunca pode ser confirmada ou infirmada por um qualquer exame definitivo. Quando um homem cai morto num duelo, isso n√£o demonstra que as suas ideias eram erradas. O facto de ele se ter envolvido numa tal prova apenas atesta uma nova e mais vasta perspectiva. A vontade dos duelistas de renunciar a quaisquer novas discuss√Ķes, reconhecendo o car√°cter trivial de todo e qualquer debate, e de apelar directamente √†s inst√£ncias do absoluto hist√≥rico indica claramente a pouca import√Ęncia de que se revestem as opini√Ķes e a grande import√Ęncia das diverg√™ncias em torno dessas mesmas opini√Ķes. Pois a discuss√£o √© efectivamente trivial, mas o mesmo n√£o se pode dizer das vontades opostas que a discuss√£o p√īs em relevo.
A vaidade humana √© bem capaz de tocar as raias do infinito, mas o seu saber permanece imperfeito, e, por mais que ele acabe por valorizar os seus pr√≥prios ju√≠zos, em √ļltima an√°lise v√™-se obrigado a submet√™-los a um tribunal superior. Na guerra,

Continue lendo…

Verdade e Mentira

Sei que h√° imensas coisas na hist√≥ria de uma fam√≠lia que s√£o pura fantasia. Qualquer fam√≠lia. as hist√≥rias v√£o passando de gera√ß√£o em gera√ß√£o e a verdade vai-se perdendo. Quem conta um conto acrescenta um ponto, como se costuma dizer. Alguns talvez achem que isto significa que a verdade n√£o consegue competir com a mentira. Mas eu c√° n√£o acredito nisso. C√° para mim, depois de todas as mentiras terem sido contadas e esquecidas, a verdade perdura ainda. N√£o anda a fugir de um lado para o outro e n√£o muda com o passar do tempo. √Č imposs√≠vel corromp√™-la, assim como √© imposs√≠vel salgar o sal. √Č imposs√≠vel corromp√™-la porque √© pura, sem adornos. √Č a mat√©ria de que s√£o feitas as nossas palavras. J√° ouvi compar√°-la √† rocha – talvez a b√≠blia – e n√£o discordo dessa ideia. Mas a verdade permanecer√°, mesmo quando a rocha tiver desaparecido. Tenho a certeza que certas pessoas discordam isto. Bastantes, ali√°s. Mas nunca cheguei a perceber em que √© que nenhuma delas acredita.

As Pessoas Só Crescem ao Ritmo a que São Obrigadas

Os jovens de agora parece que t√™m dificuldade em crescer. N√£o sei porqu√™. Se calhar as pessoas s√≥ crescem ao ritmo a que s√£o obrigadas. Um primo meu, com dezoito anos, j√° tinha as insign√≠as de auxiliar do xerife. Era casado e tinha um filho. Tive um amigo de inf√Ęncia que, com a mesma idade, j√° tinha sido ordenado sacerdote baptista. Era pastor de uma igrejinha rural, muito antiga. Ao fim de uns tr√™s anos foi transferido para Lubbock e, quando disse √†s pessoas que se ia embora, elas desataram todas a chorar, ali sentadas no banco da igraja. Homens e mulheres, todos em l√°grimas. Tinha celebrado casamento, baptizados, funerais. Com vinte e um anos, talvez vinte e dois. Quando pregava os seus serm√Ķes, a assist√™ncia era tanta que havia gente de p√© no adro a ouvir. Fiquei espantado. Na escola ele era sempre t√£o calado.
(…) A Loretta contou-me que ouviu falar na r√°dio de uma certa percentagem de crian√ßas deste pa√≠s que est√° a ser criada pelos av√≥s. J√° n√£o me lembro do n√ļmero. Era bastante alto, pareceu-me. Os pais n√£o querem ter esse trabalho. Convers√°mos sobre isso. Demos connosco a pensar que quando a pr√≥xima gera√ß√£o crescer e tamb√©m j√° n√£o quiser criar os filhos,

Continue lendo…

Destino sem Medo

O homem que acha que os segredos do mundo são para sempre insondáveis vive no mistério e no medo. A superstição arrasta-o para o abismo. A chuva acabará por esfarelar os feitos da sua existência. Mas do homem que atribui a si mesmo a tarefa de isolar da trama do cosmos o fio da ordem podemos dizer que, com essa simples decisão, tomou as rédeas do mundo nas suas mãos e só dessa forma conseguirá ditar os termos do seu próprio destino.

Cada Homem Habita em Todos os Outros

Vossemec√™ aprendeu a desenhar v√°-se l√° saber onde e os seus desenhos parecem-se muito com as coisas, n√£o haja d√ļvida. Mas nenhum homem consegue p√īr o mundo inteiro num livro. Assim como um livro onde todas as coisas estivessem desenhadas n√£o seria o mundo.
Muito bem, Marcus, respondeu o juiz.
Mas n√£o me desenhe a mim, disse Webster. Porque eu n√£o quero fazer parte do seu livro.
O meu livro ou outro livro qualquer, disse o juiz. O que h√°-de vir n√£o se desvia nem um bocadinho do livro onde est√° escrito. Como poderia desviar-se? O livro seria falso, e um livro falso nem sequer merece tal nome.
Vossemecê fala por enigmas como ninguém e eu não vou terçar palavras consigo. Só lhe peço que não ponha a minha venerável carantonha nesse seu caderno porque não me agrada que ande a mostrá-la por aí, se calhar a estranhos.
O juiz sorriu. Seja no meu livro ou não, cada homem habita em todos os outros e em troca alberga-os em si e assim por diante numa infindável complexidade de ser e testenunha até aos confins do mundo.

O Sonho Febril da Realidade

A verdade acerca do mundo, disse ele, √© que tudo √© poss√≠vel. N√£o fosse o caso de voc√™s se terem habituado desde a nascen√ßa a ver tudo aquilo que vos rodeia, esvaziando assim as coisas da sua estranheza, e a realidade surgiria aos vossos olhos tal como √©, um truque de magia num n√ļmero de ilusionismo, um sonho febril, um transe povoado de quimeras sem analogia nem precedente imagin√°vel, um carnaval itinerante, um espect√°culo de feira migrat√≥rio cujo derradeiro destino, depois de montar a tenda tantas e tantas vezes em tantos baldios enlameados, √© t√£o indescrit√≠vel e calamitoso que o esp√≠rito humano n√£o consegue sequer conceb√™-lo.
O universo n√£o √© uma coisa limitada e a ordem que o rege n√£o tem peias que, tolhendo-lhe os des√≠gnios, a forcem a repetir noutro lugar qualquer o que j√° existe num dado lugar. Mesmo neste mundo, existem mais coisas que escapam ao nosso conhecimento do que aquelas que conhecemos e a ordem que os nossos olhos v√™em na cria√ß√£o √© a ordem que n√≥s l√° pusemos, qual fio num labirinto, para n√£o nos perdermos. √Č que a exist√™ncia tem a sua pr√≥pria ordem e essa nenhum esp√≠rito humano consegue abarcar, sendo esse esp√≠rito apenas mais um facto entre tantos outros.

Continue lendo…