Passagens sobre Enigma

56 resultados
Frases sobre enigma, poemas sobre enigma e outras passagens sobre enigma para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Cada Homem Habita em Todos os Outros

Vossemec√™ aprendeu a desenhar v√°-se l√° saber onde e os seus desenhos parecem-se muito com as coisas, n√£o haja d√ļvida. Mas nenhum homem consegue p√īr o mundo inteiro num livro. Assim como um livro onde todas as coisas estivessem desenhadas n√£o seria o mundo.
Muito bem, Marcus, respondeu o juiz.
Mas n√£o me desenhe a mim, disse Webster. Porque eu n√£o quero fazer parte do seu livro.
O meu livro ou outro livro qualquer, disse o juiz. O que h√°-de vir n√£o se desvia nem um bocadinho do livro onde est√° escrito. Como poderia desviar-se? O livro seria falso, e um livro falso nem sequer merece tal nome.
Vossemecê fala por enigmas como ninguém e eu não vou terçar palavras consigo. Só lhe peço que não ponha a minha venerável carantonha nesse seu caderno porque não me agrada que ande a mostrá-la por aí, se calhar a estranhos.
O juiz sorriu. Seja no meu livro ou não, cada homem habita em todos os outros e em troca alberga-os em si e assim por diante numa infindável complexidade de ser e testenunha até aos confins do mundo.

No mundo há mistérios, no corpo há enigmas, mas no espírito e na mente humana se escondem os maiores segredos do universo.

Volto-me então para o meu rico nada interior. E grito: eu sinto, eu sofro, eu me alegro, eu me comovo. Só o meu enigma me interessa.

Amar-te é decifrar humildemente um enigma que não tem decifração porque a todo o momento as águas passam e bebê-las e banhar-me nelas é bom e não há mais nada.

√Č assim ent√£o o teu segredo. Teu segredo √© t√£o parecido comigo que nada me revela al√©m do que j√° sei. E sei t√£o pouco como se o teu enigma fosse eu. Assim como tu √©s o meu.

Uma Significação para a Vida

Como √© que o homem vai viver sem uma significa√ß√£o para a vida? Donde essa significa√ß√£o? Os suced√Ęneos dos deuses atropelam-se tumultuosos, mas duram menos que os deuses, duram menos que um homem. Imaginei um dia que o homem viria a aceitar a sua condi√ß√£o em plenitude. S√≥ n√£o imagino esse homem. Porque imaginando-o como me √© poss√≠vel, penso que admitir√° uma transcend√™ncia inomin√°vel, uma dimens√£o que supere o imediato da vida. S√≥ que o pens√°-lo n√£o me afecta o sentir. Tenho o enigma mas n√£o a chave que o desvende. Sei a interroga√ß√£o, mas n√£o posso convert√™-la na pergunta a que se d√° uma resposta. Da integra√ß√£o do homem no mist√©rio do universo o que me fica √© a vertigem. Mas aguento-me a√≠ sem me retirar do abismo nem cair nele. O curioso √© que s√£o os ¬ęracionalistas¬Ľ quem menos se perturba com a sem-raz√£o de tudo isto. Porque eles √© que deviam saber, mais do que os outros, o porqu√™ e o para qu√™. N√£o querem. O mundo existe-lhes assim mesmo, sem significa√ß√£o. Para mim me existe tamb√©m. Mas isso aturde-me. A velhice que se anuncia, anuncia-me a aceita√ß√£o e a serenidade. Mas n√£o me anuncia a liquida√ß√£o do problema.

Continue lendo…

A Verdade é Histórica

O viver faz-se sempre a partir de ou sobre certos supostos, que s√£o como o solo em que para viver nos apoiamos ou do qual partimos. E isto em todas as ordens – em ci√™ncia como em moral e pol√≠tica, como em arte. Toda a ideia √© pensada e todo o quadro √© pintado a partir de certas suposi√ß√Ķes ou conven√ß√Ķes t√£o b√°sicas, t√£o evidentes para quem pensou a ideia ou pintou o quadro, que nem sequer repara nelas e por isso n√£o as introduz na sua ideia nem no seu quadro, n√£o as achamos ali postas mas precisamente supostas e como deixadas voluntariamente no esquecimento. Por isso, √†s vezes, n√£o entendemos uma ideia ou um quadro: falta-nos a palavra do enigma, a clave da secreta conven√ß√£o. E como, repito, cada √©poca – vou ser mais exacto -, cada gera√ß√£o parte de supostos mais ou menos diferentes, quer dizer-se que o sistema das verdades e o dos valores est√©ticos, morais, pol√≠ticos, religiosos t√™m inexoravelmente uma dimens√£o hist√≥rica, s√£o relativos a uma certa cronologia vital humana, valem s√≥ para certos homens. A verdade √© hist√≥rica.

A Eterna Criança

Com a for√ßa do seu olhar intelectual e da sua penetra√ß√£o espiritual cresce a dist√Ęncia e, de certo modo, o espa√ßo que circunda o homem: o seu mundo torna-se mais profundo, avistam-se continuamente estrelas novas, imagens novas e novos enigmas. Talvez tudo aquilo em que o olhar do esp√≠rito exercitou a sua sagacidade e profundeza tenha sido apenas um pretexto para este exerc√≠cio, um jogo e uma criancice e infantilidade.

Compadecer-se de todos os sofrimentos é tentar resolver os enigmas da vida

Compadecer-se de todos os sofrimentos é tentar resolver os enigmas da vida.

Dá Tempo à Tua Vocação

Nunca d√™s ouvidos √†queles que, no desejo de te servir, te aconselham a renunciar a uma das tuas aspira√ß√Ķes. Tu bem sabes qual √© a tua voca√ß√£o, pois a sentes exercer press√£o sobre ti. E, se a atrai√ßoas, √© a ti que desfiguras. Mas fica sabendo que a tua verdade se far√° lentamente, pois ela √© nascimento de √°rvore e n√£o descoberta de uma f√≥rmula. O tempo √© que desempenha o papel mais importante, porque se trata de te tornares outro e de subires uma montanha dif√≠cil. Porque o ser novo, que √© unidade libertada no meio da confus√£o das coisas, n√£o se te imp√Ķe como a solu√ß√£o de um enigma, mas como um apaziguamento dos lit√≠gios e uma cura dos ferimentos. E s√≥ vir√°s a conhecer o seu poder, uma vez que ele se tiver realizado. Nada me pareceu t√£o √ļtil ao homem como o sil√™ncio e a lentid√£o. Por isso os tenho honrado sempe como deuses por demais esquecidos.

Improviso

Nem só de chuva
se tece a nuvem
nem só de evento
se inventa o vento.

Nem só de fala
se engendra o grito
nem só de fome
prospera o trigo.

Nem só de raiva
arde a met√°fora
nem só de enigmas
se enfeita o nada.

Nem só de parca
o céu nos singra
nem só de pão
se morre à míngua

Nem só de pégaso
escapa o seio
para essa concha
partida ao meio.

Os rituais s√£o muito importantes. Sem eles, a vida seria indecifr√°vel. O cinema n√£o filma sen√£o isso, um conjunto de signos, de conven√ß√Ķes. A vida √© um enigma, n√£o √© leg√≠vel. S√£o os rituais que nos permitem l√™-la.

O Que Faz Sentido

A maioria das proposi√ß√Ķes e das quest√Ķes que foram escritas sobre assuntos filos√≥ficos n√£o √© falsa, mas desprovida de sentido. Por esse motivo n√£o podemos absolutamente responder √†s quest√Ķes desse g√©nero, mas apenas estabelecer que s√£o desprovidas de sentido.
(…) O sentido do mundo deve ser encontrado fora do mundo. No mundo, todas as coisas s√£o como s√£o e produzem-se da forma que se produzem: n√£o existe valor nele – e, caso houvesse algum, este n√£o teria valor.
(…) Uma resposta que n√£o pode ser exprimida sup√Ķe uma quest√£o que tampouco pode ser exprimida. O enigma n√£o existe. Se uma quest√£o pode ser inteiramente colocada, ela pode tamb√©m encontrar a sua resposta.

Nós, as mulheres, o que nos faz amar um homem é aparentá-lo com tudo o que amamos Рo tempo da crise, da puberdade, da gestação, do enigma; os primeiros rostos, as primeiras carícias, os primeiros medos.

A Floresta

Em v√£o com o mundo da floresta privas!…
РTodas as hermenêuticas sondagens,
Ante o hieróglifo e o enigma das folhagens,
S√£o absolutamente negativas!

Araucárias, traçando arcos de ogivas,
Bracejamentos de √°lamos selvagens,
Como um convite para estranhas viagens,
Tornam todas as almas pensativas!

Há uma força vencida nesse mundo!
Todo o organismo florestal profundo
√Č dor viva, trancada num disfarce…

Vivem só, nele, os elementos broncos,
– As ambi√ß√Ķes que se fizeram troncos,
Porque nunca puderam realizar-se!

Encarar a Morte

√Č talvez sinal de pris√£o ao mundo dos fen√≥menos o terror e a dor ante a chegada da morte ou a serena mas entristecida resigna√ß√£o com que a fizeram os gregos uma doce irm√£ do sono; para o esp√≠rito liberto ela deve ser, como o som e a cor, falsa, exterior e passageira; n√£o morre, para si pr√≥prio nem para n√≥s, o que viveu para a ideia e pela ideia, n√£o √© mais existente, para o que se soube desprender da ilus√£o, o que lhe fere os ouvidos e os olhos do que o puro entender que apenas se lhe apresenta em pensamento; e tanto mais alto subiremos quando menos considerarmos a morte como um enigma ou um fantasma, quanto mais a olharmos como uma forma entre as formas.

Personagem

Teu nome é quase indiferente
e nem teu rosto j√° me inquieta.
A arte de amar é exactamente
a de se ser poeta.

Para pensar em ti, me basta
o próprio amor que por ti sinto:
és a ideia, serena e casta,
nutrida do enigma do instinto.

O lugar da tua presença
é um deserto, entre variedades:
mas nesse deserto é que pensa
o olhar de todas as saudades.

Meus sonhos viajam rumos tristes
e, no seu profundo universo,
tu, sem forma e sem nome, existes,
silêncio, obscuro, disperso.

Teu corpo, e teu rosto, e teu nome,
teu coração, tua existência,
tudo Рo espaço evita e consome:
e eu só conheço a tua ausência.

Eu só conheço o que não vejo.
E, nesse abismo do meu sonho,
alheia a todo outro desejo,
me decomponho e recomponho.

O Enigma do Ser Humano

Encontramos uma pessoa que achamos interessante. Tentamos, como se costuma dizer, ¬ęsitu√°-la¬Ľ. (Tenho o h√°bito de fazer isso at√© com os senhores e as senhoras que l√™em as not√≠cias na televis√£o.) Nas nossas recorda√ß√Ķes, procuramos rostos parecidos com o que temos agora diante de n√≥s. O movimento lento das p√°lpebras faz lembrar um orador na Associa√ß√£o de Biologia, as comissuras dos l√°bios s√£o iguais √†s de um docente de Qu√≠mica em Uppsala nos anos cinquenta. Em suma, uma entoa√ß√£o que conhecemos ali, uma express√£o do rosto que recordamos de outro lado, e imaginamos que fic√°mos a compreender. Reconstitu√≠mos o desconhecido com o aux√≠lio do que conhecemos.
O psicanalista no seu consult√≥rio (nem sei se √© assim que se diz, nunca fui a nenhum) faz, em princ√≠pio, o mesmo: associa experi√™ncias, recorda√ß√Ķes, para encontrar as chaves do novo, do desconhecido, com que se confronta.
Mas as pe√ßas que vamos buscar, os factos a que recorremos, esse molho de chaves que s√£o os rostos antes encontrados e que fazemos tilintar na nossa m√£o, √©, tamb√©m ele, o desconhecido. Explicamos um enigma com outro enigma. √Č a mesma coisa que comprar um novo exemplar do mesmo jornal para confirmar uma not√≠cia em que n√£o acreditamos.

Continue lendo…

Só é artista aquele que é capaz de transformar a solução num enigma.