A Delicadeza de ExpressĆ£o

As regras e os preceitos nĆ£o sĆ£o de grande ajuda para se aprender a falar delicadamente, se a natureza nĆ£o concorrer para isso. A delicadeza de que falo Ć© menos o efeito da arte do que de uma imaginaĆ§Ć£o viva e venturosa, que sem se esforƧar encontra termos apropriados para exprimir aquilo que se pensou; mas, para falar delicadamente, Ć© necessĆ”rio pensar delicadamente. A maioria das mulheres de qualidade que tĆŖm muito espĆ­rito e frequentam a sociedade falam com delicadeza, e embora nĆ£o inventem palavras novas, colocam tĆ£o bem os termos de que se servem, que eles parecem inteiramente novos e feitos especialmente para significar o que elas querem dizer. Elas exprimem todo um sentimento numa Ćŗnica palavra, e deixam ainda mil coisas agradĆ”veis a adivinhar; Ć© nisso que consiste a tal delicadeza da expressĆ£o. Ela nĆ£o consiste de modo algum em palavras grandiosas, num longo agrupamento de palavras harmoniosas, em frases muito rebuscadas; Ć© necessĆ”rio nĆ£o sei quĆŖ de natural, de desenvolto, de simples, de ingĆ©nuo, de fĆ”cil, mas vivo e engenhoso.