Cita√ß√Ķes de Nicolas Chamfort

98 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Nicolas Chamfort para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

O homem sem princípios é também comummente um homem sem carácter; pois, se tivesse nascido com carácter, teria experimentado a necessidade de criar princípios para si.

A cal√ļnia √© como uma vespa que o importuna e, contra a qual, n√£o se deve fazer qualquer movimento, a n√£o ser que se tenha a certeza de a matar.

Definição de um governo despótico: uma ordem de coisas em que o superior é vil e o inferior aviltado.

O Edifício Metafísico da Sociedade

Pode-se considerar o edifício metafísico da sociedade como um edifício material que seria composto de diferentes nichos ou compartimentos de grandeza mais ou menos considerável. Os lugares com as suas prerrogativas, os seus direitos, etc. formam esses diversos compartimentos, esses diferentes nichos. Eles são duráveis, e os homens passam. Aqueles que os ocupam são ora grandes, ora pequenos, e nenhum ou quase nenhum é feito para o seu lugar. Ali vemos um gigante, curvado ou agachado no seu nicho; lá vemos um anão sob uma arcada: raramente o nicho é feito para a estatura; em torno do edifício circula uma multidão de homens de diversos tamanhos. Todos esperam que haja um nicho vazio para ali se colocarem, qualquer que seja o nicho.

A nossa raz√£o torna-nos por vezes t√£o infelizes como as nossas paix√Ķes; e pode dizer-se do homem, quando isso acontece com ele, que √© um doente envenenado pelo pr√≥prio m√©dico.

Somos felizes ou infelizes por uma profus√£o de coisas que n√£o aparecem, que n√£o se dizem e que n√£o se podem dizer.

Admira-se o talento, a coragem, a bondade, as grandes dedica√ß√Ķes e as provas dif√≠ceis, mas s√≥ temos considera√ß√£o pelo dinheiro.

O que √© um fil√≥sofo? √Č um homem que op√Ķe a natureza √† lei, a raz√£o ao costume, a sua consci√™ncia √† opini√£o, e o seu julgamento ao erro.

Os novos amigos que criamos, depois de certa idade, e pelos quais procuramos substituir aqueles que perdemos, estão para os nossos velhos amigos, como os olhos de vidro, os dentes postiços e as pernas de pau estão para os verdadeiros olhos, para os dentes naturais e para as pernas de carne e osso.