Cita√ß√Ķes de Ruben A.

16 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Ruben A. para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

O Amor é de outro Reino

O amor √© de outro reino. (…) Da amizade, do amor, do encontro de duas pessoas que se sentem bem uma ao lado da outra, fazendo amor, falando de amor, trocando amor, conversando de amor, falando de nada, falando de pequenas hist√≥rias c√≥digo de ministros com aventuras de aventuras sem ministros conversa alta e baixa de livros e de quadros de compras e de ninharias conversas trocadas em mi√ļdos ouvindo m√ļsica sem escutar m√ļsica que ajuda o amor o amor precisa de ajudas de ir √†s cavalitas de andas de muita coisa simples amor √© um segredo que deve ser alimentado nas horas vagas alimentado nas horas de trabalho nas horas mais isoladas amor √© uma ocupa√ß√£o de vinte e quatro horas com dois turnos pela mesma pessoa com desconfian√ßas e descobertas com cegueiras e lumineiras amor de tocar no mais √≠ntimo na beleza de um encanto escondido rec√īndito que todos no mundo fizeram pais de padres m√£es de bispos av√≥s de cardeais amor agarrado intrometido de falus com prazer de alegria amor que n√£o se sabe o que vai dar que nunca se sabe o que vai dar amor t√£o amor.

O Amor é Inevitável

(O Amor) √Č inevit√°vel, faz parte da combust√£o da natureza, √© for√ßa, mar, elemento, √°gua, fogo, destrui√ß√£o, √© atmosfera, respira-se, quando se morre abandona-se, o amor deixa, fica isolado, √© um elemento, come-se, bebe-se, sustenta p√£o, p√£o di√°rio para rico e pobre, p√£o que ilumina o forno do amassador, aparece nas condi√ß√Ķes mais estranhas, bicho que nasce, copula dentro de si mesmo, paira, espermatoz√≥ide e √≥vulo, as duas coisas ao mesmo tempo, amor √© assim outro elemento fundamental da natureza, as pessoas vivem tanto com o amor, ou t√£o alheias do amor, que nem notam, raro percebem que o amor existe, raro percebem que respiram, que a √°gua est√°, √© indispens√°vel, ningu√©m pode viver alheio aos elementos, ao amor.

O amor pode ser uma dupla felicidade ‚Äď a felicidade dos primeiros tempos, da total entrega, e a segunda felicidade, a felicidade das coisas reais, das formas, dos modos de sentir, da participa√ß√£o consciente de uma pessoa noutra.

A exigência mata o amor. A necessidade imensa que tens de companhia, de estar ao pé, de ternura, de já, de saber de ir perto do mais perto, de envolver o amor, de dares personalidade na loucura, essa necessidade mata o amor, estrangula, a liberdade é amor que rouba o livre amor, é tão bom que deita por fora, escalda.

Muito do amor vem com o trabalho, com a persist√™ncia, com a presen√ßa. (…) O amor √© uma obra de arte, o acto do amor √© uma obra de arte.

Porque é que os Homens não Compreendem as Mulheres

Tu est√°s convencida h√° v√°rios anos de que eu n√£o te compreendo. Esta √© sempre a teoria das mulheres, que n√£o s√£o compreendidas, que n√£o s√£o queridas, que n√£o s√£o adoradas, as queixas montanhas grandes, queixas enormes, sempre a justificar uma infelicidade que lhes vem l√° do fundo da cria√ß√£o do mundo, do √ļtero, da terra, as mulheres reflectem o √ļtero feminino da terra, um √ļtero cheio de afli√ß√Ķes, em conclus√£o, queixam-se de tudo ent√£o entre os quarenta e os cinquenta, esse √ļtero funciona nas alturas, √© um √ļtero c√≥smico que j√° n√£o √© parte de uma mulher, pertence √† mulher do mundo. H√° muita verdade no que dizes, o homem desinteressa-se facilmente, depois do acto do amor, depois logo sacode as penas, arrebita, passa √† frente, domina outro mundo, a mulher fica fechada, acanhada nesse encontro muito √≠ntimo, nesse seu mais fundo dos fundos, na identidade uterina com a ideia da cria√ß√£o, da reprodu√ß√£o da g√©nese, salta, salta, forma-se na mulher a vis√£o do caos a que s√≥ ela pelo amor pode dar uma nova regra, pelo dom√≠nio da paix√£o, pela companhia, para isso tem de ser compreendida, ela julga que √© compreendida, tem de justificar a sua infelicidade pela compreens√£o do amor,

Continue lendo…

O amor √© feito de per√≠odos muito curtos, presta√ß√Ķes de nada. (…) O amor √© de momentos que n√£o se espera onde v√£o ter, onde surgem, √© de segundos segundos que gritam eternidade, o amor √© de general que repara por acaso na paisagem, que inspecciona o que est√° frente aos olhos, distra√≠do, doses m√≠nimas, as doses m√°ximas matam, rebentam mata-ratos, rebenta-bois, l√° diz o povo.

O amor √© prazer, √© amor de companhia, √© amor de estar junto, precisa de mais coisas. (…) Mas onde √© que est√° o amor completo? Essa ambi√ß√£o mata o amor, esse desejo de tudo ter da outra pessoa, de tudo exigir, de tudo querer, essa ambi√ß√£o leva a desgra√ßa, a drama, a paix√£o sem controle, folha de √°rvore a cair no Outono.

Vivemos Para os Momentos Futuros, e N√£o o Presente

A √Ęnsia de matar tempo, de liquidar o espa√ßo de dias entre um acontecimento e o que lhe sucede, transmite, tanto em casos de amor como em outros, fins importantes, um estado de alma que se preocupa exclusivamente em atingir esse alvo previamente estabelecido. N√£o se pensa em mais nada. Semelhante √† situa√ß√£o criada quando se sabe de antem√£o que se vai encontrar determinada pessoa que nos interessa muito. Fica-se incapaz de articular palavra, de estreitar v√≠nculo com quem quer que seja que se nos atravesse no caminho. Est√°-se a viver em outrem, num estado fora da rela√ß√£o humana do dia a dia. Nem sequer ouvimos os sons, arrepiamos a pele ao tomar conhecimento consciente de not√≠cias que j√° sab√≠amos de antem√£o pertencerem ao dom√≠nio p√ļblico. Esta √© tamb√©m a √Ęnsia do suicida que nada mais faz entre a decis√£o de cometer o homic√≠dio e a pr√°tica do acto extremo.

Símios Aperfeiçoados

√Č preciso viver em estado de preven√ß√£o. N√£o ir na enxurrada do colectivismo e morrer afogado num bairro econ√≥mico ou numa col√≥nia balnear, resistir √†s press√Ķes pol√≠ticas mirabolantes, quer sejam de uma banda ou de outra, manter a condi√ß√£o do homem-artista em luta com o homem-massa foi sempre o que em mim se tornou claro desde que aos poucos tomei posse da minha personalidade. √Č fatal que se caminhe para a sanidade de vida das classes baixas, √© humano que isso se fa√ßa, no entanto tamb√©m √© humano, mais talvez, que se lute desesperadamente para que a condi√ß√£o mais sagrada do homem evolua libertando-se das massas satisfeitas com a assist√™ncia m√©dica, televis√£o e funeral pago. Essa massa vai criar um novo esp√≠rito animal, vai catalogar-se em Darwin e, convencidos que essa massa est√° feliz, constatamos ao fim de pouco tempo que esses grandes grupos de popula√ß√Ķes standardizadas deixaram de pensar e o seu sentir √© apenas tactual, sem nada de sublima√ß√£o em momentos mais √≠ntimos.
O mundo que pensa, do artista e do intelectual, tem de libertar-se do incómodo desses homens que trouxeram como contribuição para a humanidade uma ideia abstracta do colectivo em marcha, que passaram a emitir sons,

Continue lendo…

Quando o amor domina, quando vivemos rodeados de amor, nesse momento ficamos √≥rf√£os, num orfanato de prov√≠ncia, triste de esp√≠rito, puros de pecado, segredo √≠ntimo de que estamos errados, de que estamos contentes por estarmos errados, um dobre vivo a finados, toque de sino que diz, que fala…

Amor é a possibilidade de duas pessoas não se aborrecerem uma à outra.

O amor √© duas coisas ao mesmo tempo; uma, muito fraca, quebra √† m√≠nima oscila√ß√£o; e outra, de uma fortaleza sobrenatural, aliada a um poder que vem das entranhas, for√ßa c√≥smica, para al√©m das conven√ß√Ķes, das leis morais, dos requisitos t√©cnicos das religiosidades.

A paix√£o √© feita de carradas de infelicidade e outras carradas de felicidade. (…) Vale a pena, vale sempre a pena, se n√£o houver paix√£o, amor, eu insisto em chamar amor, se n√£o houver paix√£o, nunca se sabe o que √© viver, o que √© a entrega, uma lucidez que d√° alegria, uma lucidez que s√≥ se tem nessas alturas, depois passa, lucidez e entusiasmo.

Símios Aperfeiçoados II

A trag√©dia √© a cristaliza√ß√£o da massa humana, t√£o perigosa como a estagna√ß√£o do esp√≠rito do homem que se torna acad√©mico ou fenece por falta de entusiasmo. Gostava de saber quantas pessoas pensam em macacos durante o correr de um dia? Quantas? O homem-massa, num futuro pr√≥ximo – em rela√ß√Ķes antropol√≥gicas o pr√≥ximo leva geralmente centenas de anos – transformar-se-√° num novo espect√°culo de jardim zool√≥gico. Em vez de jaula e aldeias de s√≠mios, ele ter√° balne√°rios p√ļblicos e campos para habilidades desportivas, com ocasionais jogos nocturnos. Dar√° palmas em del√≠rio ouvindo ainda o som distante da sineta tocada pelo elefante num acto m√°ximo de intelig√™ncia paquid√©rmica. Ter√° circuitos fechados, com pistas perfeitamente cimentadas, para passear o t√©dio da fam√≠lia aos domingos, circular√° repetidamente em metropolitanos convencido de que cada nova paragem √© diferente da anterior.
E estou absolutamente crente que do naufrágio calamitoso apenas se hão-de salvar os que pela porta do cavalo fugirem ao triturar das grandes colectividades humanas, ou os que por força invencível e instintiva se libertarem para uma nova categoria de homem, ou, melhor dizendo, para a sua verdadeira categoria de homem, de homem-pensamento, na linha directa de um Platão, de um Homero, de um Aristófanes,

Continue lendo…

Vida Incipiente

O facto real da vida √© que estamos de novo todos juntos sem se saber como nem porqu√™, √© o imponder√°vel que liga os seres e os deixa andar √° deriva como peda√ßo de corti√ßa em praia batida pelo norte – o resto, se se quiser analisar, √© uma babugem de rela√ß√Ķes sem eira nem beira ao deslizar da corrente que tanto vem dos outros lados do Atl√Ęntico como da disposi√ß√£o em cada um de n√≥s. Os dias foram andando dentro de cada um de n√≥s e na marcha de pormenores dom√©sticos gast√°mos horas preciosas de n√≥s mesmos. Acerca de com√©dias fizemos considera√ß√Ķes pessoais e quando se tratava de analisar uma trag√©dia usufru√≠amos um gozo espiritual de dever cumprido sexualmente.
Passaram-se anos, também não sei quantos. Houve uns que casaram, outros que ficaram para ornamento ímpar de jantares familiares e ainda outros que se ambulanteiam pelas esquinas do vício à procura de óleo para uma máquina donde se desprendeu já a mola real do entendimento.
Afinal também não importa que o ritmo das coisas tenha sido o mesmo, se todas as coisas existem para um ritmo que lhes é íntimo à sua própria expressão de coisas. Houve sábados e domingos sextas e quintas segundas e terças e sempre uma quarta-feira a comandar no equilíbrio do princípio e do fim.

Continue lendo…