Citação de

Símios Aperfeiçoados II

A trag√©dia √© a cristaliza√ß√£o da massa humana, t√£o perigosa como a estagna√ß√£o do esp√≠rito do homem que se torna acad√©mico ou fenece por falta de entusiasmo. Gostava de saber quantas pessoas pensam em macacos durante o correr de um dia? Quantas? O homem-massa, num futuro pr√≥ximo – em rela√ß√Ķes antropol√≥gicas o pr√≥ximo leva geralmente centenas de anos – transformar-se-√° num novo espect√°culo de jardim zool√≥gico. Em vez de jaula e aldeias de s√≠mios, ele ter√° balne√°rios p√ļblicos e campos para habilidades desportivas, com ocasionais jogos nocturnos. Dar√° palmas em del√≠rio ouvindo ainda o som distante da sineta tocada pelo elefante num acto m√°ximo de intelig√™ncia paquid√©rmica. Ter√° circuitos fechados, com pistas perfeitamente cimentadas, para passear o t√©dio da fam√≠lia aos domingos, circular√° repetidamente em metropolitanos convencido de que cada nova paragem √© diferente da anterior.
E estou absolutamente crente que do naufrágio calamitoso apenas se hão-de salvar os que pela porta do cavalo fugirem ao triturar das grandes colectividades humanas, ou os que por força invencível e instintiva se libertarem para uma nova categoria de homem, ou, melhor dizendo, para a sua verdadeira categoria de homem, de homem-pensamento, na linha directa de um Platão, de um Homero, de um Aristófanes, de um Plutarco.
A humanidade dá-nos, assim, um triste espectáculo de andar para trás, melhora em lepra social, colectiviza-se e baixa logo na escala humana, retrocedendo para uma classe entre os antropopitecos e o erectus, a que chamarei Màchomem.
E todos os dias o mundo assiste ao melanc√≥lico desfile de milhares de seres que passam a M√†chomens, na satisfa√ß√£o plena da sua jaula colectiva sem grades. E como os macacos, os elefantes, os c√£es e mais bicharia, os M√†chomens passam imediatamente a falar a sua l√≠ngua universal, sem necessidade de tradu√ß√£o, estendendo actividades f√≠sicas e associativas desde a Polin√©sia ao sul de It√°lia, trocando sauda√ß√Ķes, mensagens, hinos, desfiles, com√≠cios, e tantas outras indigest√Ķes apaixonadas dos grupos de seres que deixaram de ter fronteiras e voc√°bulos regionais. O c√£o que ladra nas margens do Dan√ļbio assemelha-se aos poderosos Serra da Estrela, sem distin√ß√£o de maior que nos fa√ßa ter prefer√™ncias por qualquer um destes ladrares. O M√†chomem da Amadora em muito pouco se vir√° a distinguir do M√†chomem de Detroit, Chicago, Manchester, Dusseldorf.

Ruben A., in “O Mundo √Ä Minha Procura I”