Passagens sobre Humanos

1876 resultados
Frases sobre humanos, poemas sobre humanos e outras passagens sobre humanos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Fidelidade é a mais Integral de todas as Virtudes Humanas

A fidelidade (…) √© a mais integral de todas as virtudes humanas. O homem participa numa batalha e, sem a fidelidade, n√£o conhece a sua luta; apenas usa da viol√™ncia, interpreta uma vontade, √© instrumento de uma opini√£o. A fidelidade move-o desde a sua origem, √© a primeira condi√ß√£o da consci√™ncia. N√£o se efectuam coisas novas sem fidelidade. N√£o se engrandece a piedade ou se priva com o mais simples sentimento, sem a fidelidade. Uma ac√ß√£o progressiva tem que ter ra√≠zes tumulares, ra√≠zes naquilo que encerr√°mos definitivamente – uma era, um conhecimento, uma arte, uma maneira de viver. A fidelidade, disse eu, assegura-nos o tempo de criar e o tempo de destruir o que se tornou inconforme √† imagem do homem. Nada √© digno de valor, sem fidelidade.

Alguma coisa h√° mais perigosa do que a ignor√Ęncia, e √© n√£o a conhecer; porque todas as ignor√Ęncias humanas, que s√£o mais inumer√°veis do que as estrelas do c√©u, a pior de todas, a mais fatal, a mais fecunda de infinitos desastres, √© a ignor√Ęncia da pr√≥pria ignor√Ęncia.

A Liberdade de Escolha

Realmente, se um dia de facto se descobrisse uma fórmula para todos os nossos desejos e caprichos Рisto é, uma explicação do que é que eles dependem, por que leis se regem, como se desenvolvem, a que é que eles ambicionam num caso e noutro e por aí fora, isto é uma fórmula matemática exacta Рentão, muito provavelmente, o homem deixaria imediatamente de sentir desejo.
Pois quem aceitaria escolher por regras? Além disso, o ser humano seria imediatamente transformado numa peça de um orgão ou algo do género; o que é um homem sem desejos, sem liberdade de desejo e de escolha, senão uma peça num orgão?

Ent√£o as plantas ter√£o flores mais belas, os passarinhos cantar√£o com vozes mais lindas e as feras se tornar√£o mansas a ponto de dormirem aninhados nos colos dos seres humanos.

Mesmo que envolvamos um diamante com lama e imund√≠cies, ele pr√≥prio n√£o se macula. O diamante permanece limpo e puro sob a sujeira. O que est√° sujo √© apenas a sujeira. Assim tamb√©m √© a ess√™ncia espiritual do ser humano: por mais que o homem se envolva com pecados, jamais fica maculado; apenas encobre sua natureza verdadeira. √Č isto que queremos dizer quando afirmamos que ‚Äėneste mundo n√£o h√° um pecador sequer‚Äô. Na verdade, o que √© pecaminoso √© unicamente o pecado e n√£o o ser verdadeiro, isento de pecado.

O Amor Sugado

O amor, enquanto afei√ß√£o humana, √© o amor que deseja o bem, possui uma disposi√ß√£o amig√°vel, promove a felicidade dos demais e alegra-se com ela. Mas √© patente que aqueles que possuem uma inclina√ß√£o meramente sexual n√£o amam a pessoa por nenhum dos motivos ligados √† verdadeira afei√ß√£o e n√£o se preocupam com a sua felicidade, mas podem at√© mesmo lev√°-la √† maior infelicidade simplesmente visando satisfazer a sua pr√≥pria inclina√ß√£o e apetite. O amor sexual faz da pessoa amada um objecto do apetite; t√£o logo foi possu√≠da e o apetite saciado, ela √© descartada ¬ętal como um lim√£o sugado¬Ľ.

O Asco da Imprensa

√Č imposs√≠vel percorrer uma qualquer gazeta, seja de que dia for, ou de que m√™s, ou de que ano, sem a√≠ encontrar, em cada linha, os sinais da perversidade humana mais espantosa, ao mesmo tempo que as presun√ß√Ķes mais surpreendentes de probidade, de bondade, de caridade, a as afirma√ß√Ķes mais descaradas, relativas ao progresso e √† civiliza√ß√£o.
Qualquer jornal, da primeira linha √† √ļltima, n√£o passa de um tecido de horrores. Guerras, crimes, roubos, impudic√≠cias, torturas, crimes dos pr√≠ncipes, crimes das na√ß√Ķes, crimes dos particulares, uma embriaguez de atrocidade universal.
E é com este repugnante aperitivo que o homem civilizado acompanha a sua refeição de todas as manhãs. Tudo, neste mundo, transpira o crime: o jornal, a muralha e o rosto do homem.
N√£o compreendo que uma m√£o pura possa tocar num jornal sem uma convuls√£o de asco.

O que fez a esp√©cie humana sobreviver n√£o foi apenas a intelig√™ncia, mas a nossa capacidade de produzir diversidade. Essa diversidade est√° sendo negada nos dias de hoje por um sistema que escolhe apenas por raz√Ķes de lucro e facilidade de sucesso.

Na Leitura e na Escrita Encontramo-nos Todos naquilo que Temos de Mais Humano

A escrita, ou a arte, para ser mais abrangente, cumpre fun√ß√Ķes que mais nenhuma √°rea consegue cumprir. (…) Sinto que h√° poucas experi√™ncias t√£o interessantes como quando se l√™ um livro e se percebe “j√° senti isto, mas nunca o tinha visto escrito”, procurar isso, ou procurar escrever textos que fa√ßam sentir isso, √© uma das minhas buscas permanentes. Trata-se de ordenar, de esquematizar, n√£o s√≥ sentimentos como ideias que temos de uma forma vaga mas que entendemos melhor quando os vemos em palavras. Trata-se tamb√©m de construir empatia: atrav√©s da leitura temos oportunidade de estar na pele de outras pessoas e de sentir coisas que n√£o fazem parte da nossa vida, mas que no momento em que lemos conseguimos perceber como √©. E isso faz-nos ser mais humanos. Na leitura e na escrita encontramo-nos todos naquilo que temos de mais humano.

Da Emenda

Concluido me tendo a mi comigo
De deixar o caminho que levava,
Vendo com raz√Ķes claras quanto errava
Em n√£o me desviar do mais antigo.

Pois no trabalho seu, no mor perigo,
Meu amigo consigo a mi me achava;
E quando no meu mal algum buscava,
Achava-me comigo sem amigo.

Agora dei a volta por caminhos
De solitarios bosques enramados,
De feras bravas mansos passarinhos;

Que ainda que entre espinhos conversados,
Mais quero pé descalço entre espinhos,
Que dos homens humanos espinhados.

Nós Estamos num Estado Comparável à Grécia

N√≥s estamos num estado compar√°vel, correlativo √† Gr√©cia: mesma pobreza, mesma indignidade pol√≠tica, mesmo abaixamento dos caracteres, mesma ladroagem p√ļblica, mesma agiotagem, mesma decad√™ncia de esp√≠rito, mesma administra√ß√£o grotesca de desleixo e de confus√£o. Nos livros estrangeiros, nas revistas, quando se quer falar de um pa√≠s cat√≥lico e que pela sua decad√™ncia progressiva poder√° vir a ser riscado do mapa ‚Äď citam-se ao par a Gr√©cia e Portugal. Somente n√≥s n√£o temos como a Gr√©cia uma hist√≥ria gloriosa, a honra de ter criado uma religi√£o, uma literatura de modelo universal e o museu humano da beleza da arte.

O ser humano é mentalmente tão evoluído e, ao mesmo tempo, tão complicado que quando não existem problemas trata de os criar.

Os V√°rios Tipos de Amor

Parece-me que podemos, com maior razão, distinguir o amor em função da estima que temos pelo que amamos, em comparação com nós mesmos. Pois quando estimamos o objecto do nosso amor menos que a nós mesmos, temos por ele apenas uma simples afeição; quando o estimamos tanto quanto a nós mesmos, a isso se chama amizade; e quando o estimamos mais, a paixão que temos pode ser denominada como devoção. Assim, podemos te afeição por uma flor, por um pássaro, por um cavalo; porém, a menos que o nosso espírito seja muito desajustado, apenas por seres humanos podemos ter amizade. E de tal maneira eles são objecto dessa paixão que não há homem tão imperfeito que não possamos ter por ele uma amizade muito perfeita, quando pensamos que somos amados por ele e quando temos a alma verdadeiramente nobre e generosa.
Quanto √† devo√ß√£o, o seu principal objecto √© sem d√ļvida a soberana divindade, da qual n√£o poder√≠amos deixar de ser devotos quando a conhecemos como se deve conhecer. Mas tamb√©m podemos ter devo√ß√£o pelo nosso pr√≠ncipe, pelo nosso pa√≠s, pela nossa cidade, e mesmo por um homem particular quando o estimamos muito mais que a n√≥s mesmos. Ora,

Continue lendo…

Deixa, Moreira, o Mundo

(Ao seu Amigo)

Deixa, Moreira, o mundo; é tempo agora
De ver da praia firme o golfo insano,
As velas colhe, e o tarde desengano
Com levantadas m√£os devoto adora.

Repousa pois: o mundo hoje devora
Com enganos cruéis o peito humano;
E rindo-te de ver o antigo engano,
As antigas paix√Ķes s√°bio melhora.

Deixa Amor, deixa as Musas, e somente
Do Ilustre Baco o copo à boca arrima;
Pois alegra a quem vive descontente:

Louva o homem discreto, o S√°bio estima;
Ama a virtude; mostra-te prudente;
Toma tabaco, fala à tua Prima.

Ao longo da maior parte do século XX, a emoção não foi digna de crédito nos laboratórios. Era demasiado subjectiva, dizia-se. Era demasiado fugidia e vaga. Estava no pólo oposto da razão, indubitavelmente a mais excelente capacidade humana, e a razão era encarada como totalmente independente da emoção…A emoção não era racional, e estudá-la também não era.