Cita√ß√Ķes de √Črico Ver√≠ssimo

31 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de √Črico Ver√≠ssimo para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Maurício, Quero que o teu nome fique inscrito também no pórtico deste livro, que viste amadurecer e que enriqueceste com mais de uma sugestão preciosa. Ele ficará como um marco significativo em nossas vidas- o símbolo de uma funda amizade, a recordação dos sonhos de solidariedade humana que sonhamos juntos.

E, quando o amor ao dinheiro, ao sucesso, nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os lírios do campo e as aves do céu.

O amor est√° mais perto do √≥dio do que a gente geralmente sup√Ķe. S√£o o verso e o reverso da mesma moeda de paix√£o. O oposto do amor n√£o √© o √≥dio, mas a indiferen√ßa…

-Sei que a senhora gosta de ler ‚Äď digo.
РMuito. Não se ria se eu disser que o romance mais bonito que li em toda a minha vida foi a Joana Eira de Carlota Bronte. Conhece? Uma jóia. Acho que li esse livro umas vinte vezes. Devorei também todo o Walter Scott e o Alexandre Dumas. Nunca suportei o Zola nem o Flaubert. Mas gostava do Tolstoi. Ah! Leio também os modernos. Estrangeiros e nacionais, naturalmente.

Precisamos dar um sentido humano √†s nossas constru√ß√Ķes. E, quando o amor ao dinheiro, ao sucesso nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os l√≠rios do campo e as aves do c√©u.

Nenhum escritor pode criar do nada. Mesmo quando ele não sabe, está usando experiências vividas, lidas ou ouvidas, e até mesmo pressentidas por uma espécie de sexto sentido.

Sei que n√£o sou, nunca fui um writer’s writer, um escritor para escritores. N√£o sou inovador, n√£o trouxe nenhuma contribui√ß√£o original para a arte do romance. Tenho dito, escrito repetidamente que me considero, antes de mais nada, um contador de hist√≥rias.

O m√©dico sai do quarto n.¬į 122. A enfermeira vem ao seu encontro. -Irm√£ Isolda- diz ele em voz baixa- avise o Dr. Eug√™nio. √Č um caso perdido, quest√£o de horas, talvez de minutos. E ele sabe que vai morrer…

Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso. Não era bem isto o que queria dizer.

-Ser√° que um dia n√£o vai haver mais em toda a Terra um lugar em que um homem possa ser dono pelo menos do seu nariz, dizer o que pensa, ter uma quota razo√°vel de liberdade? Talvez em alguma ilha deserta do Pac√≠fico…

Os livros escolares, cujo objetivo √© ensinar-nos a hist√≥ria da nossa terra e do nosso povo, s√£o em geral escritos num esp√≠rito manique√≠sta, seguindo as cl√°ssicas ant√≠teses ‚Äď os bons e os maus, os her√≥is e os covardes, os santos e os bandidos.