Frases sobre Felicidade de Arthur Schopenhauer

21 resultados
Frases de felicidade de Arthur Schopenhauer. As mais belas frases e mensagens de Arthur Schopenhauer para ler e compartilhar.

Em geral, nove d√©cimos da nossa felicidade baseiam-se exclusivamente na sa√ļde. Com ela, tudo se transforma em fonte de prazer.

Um dos principais estudos da juventude deveria ser o de ¬ęaprender a suportar a solid√£o¬Ľ, porque esta √© uma fonte de felicidade, de tranquilidade e de √Ęnimo.

Os homens est√£o empenhados mil vezes mais em adquirir riqueza do que forma√ß√£o espiritual; no entanto, seguramente, o que se ¬ę√©¬Ľ contribui muito mais para a nossa felicidade do que o que se ¬ętem¬Ľ.

Ter em si mesmo o bastante para n√£o precisar da sociedade j√° √© uma grande felicidade, porque quase todo o sofrimento prov√©m justamente da sociedade, e a tranquilidade espiritual, que, depois da sa√ļde, constitui o elemento mais essencial da nossa felicidade, √© amea√ßada por ela e, portanto, n√£o pode subsistir sem uma dose significativa de solid√£o.

Aquilo que representamos, ou seja, a nossa existência na opinião dos outros, é, em consequência de uma fraqueza especial da nossa natureza, geralmente bastante apreciado; embora a mais leve reflexão já nos possa ensinar que, em si mesma, tal coisa não é essencial para a nossa felicidade.

Nenhum caminho é mais errado para a felicidade do que a vida no grande mundo, às fartas e em festanças, pois, quando tentamos transformar a nossa miserável existência numa sucessão de alegrias, gozos e prazeres, não conseguimos evitar a desilusão; muito menos o seu acompanhamento obrigatório, que são as mentiras recíprocas.

Uma aprecia√ß√£o correcta do valor daquilo que se √© em si e ¬ępara si¬Ľ mesmo, comparado √†quilo que se √© apenas aos olhos ¬ęde outrem¬Ľ, contribuir√° em muito para a nossa felicidade.

O que faz da juventude um período infeliz é a caça à felicidade, na firme pressuposição de que ela tem de ser encontrada na existência. Disso resulta a esperança sempre malograda e, desta, o descontentamento.

Na juventude, imaginamos o mundo repleto de felicidade e prazer, sendo que a √ļnica dificuldade √© alcan√ß√°-los, enquanto na velhice sabemos que do mundo n√£o h√° muito a esperar. Logo, acalmados por completo, fru√≠mos um presente suport√°vel e encontramos alegria at√© mesmo em miudezas.

O homem mais limitado de espírito é, no fundo, o mais feliz, embora ninguém consiga invejá-lo por tal felicidade.

Se quisermos avaliar a situação de uma pessoa pela sua felicidade, deve-se perguntar não por aquilo que a diverte, mas pelo que a aflige.

Toda a limitação, até mesmo a intelectual, é favorável à nossa felicidade. Pois quanto menos estímulo para a vontade, tanto menos sofrimento.

Todas as fontes externas de felicidade e deleite s√£o, segundo a sua natureza, extremamente inseguras, prec√°rias, passageiras e submetidas ao acaso; podem, portanto, estancar com facilidade, mesmo sob as mais favor√°veis circunst√Ęncias.

Importa menos saber o que ocorre e sucede a algu√©m na vida, do que a maneira como ele o sente, portanto, o tipo e o grau da sua susceptibilidade sob todos os aspectos. O que algu√©m √© e tem em si mesmo, ou seja, a personalidade e o seu valor, √© o √ļnico contributo imediato para a sua felicidade e para o seu bem-estar.

Guardemo-nos de erguer a felicidade da nossa vida sobre um ¬ęamplo fundamento¬Ľ, exigindo muito dessa felicidade: pois, estando apoiada sobre tal base, ela desaba mais facilmente, j√° que oferece muito mais oportunidades para acidentes, que n√£o tardam em faltar.

O dinheiro é uma felicidade humana abstracta; por isso aquele que já não é capaz de apreciar a verdadeira felicidade humana, dedica-se completamente a ele.