O espĂ­rito condena tudo o que nĂŁo inveja.