Cita√ß√Ķes de Marcel Proust

99 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Marcel Proust para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

A Mentira Perfeita

A mentira, a mentira perfeita, acerca das pessoas que conhecemos, sobre as rela√ß√Ķes que com elas tivemos, sobre o nosso m√≥bil em determinada ac√ß√£o formulado por n√≥s de uma forma completamente diferente, a mentira acerca do que somos, acerca do que amamos, acerca do que sentimos pela criatura que nos ama e que julga ter-nos tornado semelhante a ela porque passa o dia a beijar-nos, essa mentira √© das √ļnicas coisas no mundo que nos pode abrir perspectivas sobre algo de novo, de desconhecido, que pode abrir em n√≥s sentidos adormecidos para a contempla√ß√£o do universo que nunca ter√≠amos conhecido.

Sentimos num mundo, pensamos e nomeamos num outro mundo; podemos estabelecer uma concord√Ęncia entre ambos, mas n√£o preencher o intervalo.

A realidade apenas se forma na memória; as flores que hoje me mostram pela primeira vez não me parecem verdadeiras flores.

Aquilo que para nós faz a felicidade ou a infelicidade da nossa vida constitui para qualquer outro um facto quase imperceptível.

Colec√ß√Ķes de… Mulheres

Certamente, √© mais razo√°vel sacrificar a vida √†s mulheres que aos selos, √†s velhas tabaqueiras, at√© aos quadros e √†s est√°tuas. Apenas, o exemplo das outras colec√ß√Ķes deveria advertir-nos que mud√°ssemos, que n√£o tiv√©ssemos uma s√≥ mulher, mas in√ļmeras.

O romancista pode empreender sem receio o seu longo trabalho. Que a inteligência encete a tarefa, no seu caminho surgirão os desgostos que se encarregarão de a terminar.

A Leitura n√£o Deve Substituir o Pensamento

Enquanto a leitura for para n√≥s a iniciadora cujas chaves m√°gicas nos abrem no fundo de n√≥s pr√≥prios a porta das habita√ß√Ķes onde n√£o ter√≠amos conseguido penetrar, o papel dela na nossa vida ser√° salutar. √Č perigoso ao inv√©s quando, em vez de nos despertar para a vida pessoal do esp√≠rito, a leitura tende a substitu√≠-la, quando a verdade deixa de nos surgir como um ideal que s√≥ podemos realizar atrav√©s do progresso √≠ntimo do nosso pensamento e do esfor√ßo do nosso cora√ß√£o, mas como uma coisa material, depositada eritre as folhas dos livros como um mel preparado pelos outros e que s√≥ temos de nos dar ao trabalho de alcan√ßar nas prateleiras das estantes e de saborear em seguida passivamente num perfeito repouso de corpo e de esp√≠rito.

As pessoas dizem sempre aquilo que precisam de dizer, o que não será entendido pelos outros; falar é uma coisa destinada a si mesmo.

Os homens podem ter várias espécies de prazer. O verdadeiro é aquele pelo qual eles deixam outro.

Mentimos para Proteger o nosso Prazer

A mentira é essencial à humanidade. Nela desempenha porventura um papel tão importante como a procura do prazer, e de resto é comandada por essa mesma procura. Mentimos para proteger o nosso prazer, ou a nossa honra se a divulgação do prazer for contrária à honra. Mentimos ao longo de toda a nossa vida, até, e sobretudo, e talvez apenas, àqueles que nos amam. Só estes, com efeito, nos fazem temer pelo nosso prazer e desejar a sua estima.

Espírito Aniquilado pelo Corpo

O corpo encerra o espírito numa fortaleza; depressa a fortaleza é cercada por todos os lados, e por fim o espírito tem de se render. Mas, limitando-me a distinguir as duas espécies de perigos que ameaçam o espírito, e começando pelo exterior, lembrava-me de que já muitas vezes na vida me acontecera, em momentos de excitação intelectual em que uma circunstãncia qualquer suspendera em mim toda a actividade física (por exemplo, ao deixar de carruagem, meio embriagado, o restaurante de Rivebelle a caminho de um casino qualquer nas proximidades), sentir muito nitidamente dentro de mim o objecto actual do meu pensamento e compreender até que ponto dependia de um acaso, não apenas que tal objecto não entrasse ainda nos meus pensamentos, mas que fosse aniquilado com o meu próprio corpo.

Falar de si Próprio

Como o perigo de desagradar provém principalmente da dificuldade em avaliar quais as coisas que se notam e quais as que não são notadas, pelo menos por prudência nunca deveria a gente falar de si mesmo, pois esse é um tema em que seguramente a nossa visão e a alheia não coincidem nunca.
(…) Ao mau costume de falar de si mesmo e dos pr√≥prios defeitos, cumpre acrescentar, como formando bloco com o mesmo, esse outro h√°bito de denunciar nos car√°cteres alheios defeitos an√°logos aos nossos. E constantemente estamos a falar nos referidos defeitos, como se fora uma esp√©cie de rodeio para falar de n√≥s mesmos, em que se juntam o prazer de confessar e o de absolvermo-nos.