Cita√ß√Ķes de Mia Couto

387 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Mia Couto para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

N√£o podemos mendigar ao mundo uma outra imagem. N√£o podemos insistir numa atitude apelativa. A nossa √ļnica sa√≠da √© continuar o dif√≠cil e longo caminho de conquistar um lugar digno para n√≥s e para a nossa p√°tria. E esse lugar s√≥ pode resultar da nossa pr√≥pria cria√ß√£o.

Muitos dos debates que atravessam hoje o nosso espa√ßo p√ļblico s√£o curiosos. Por vezes eles resvalam para a agress√£o. Deixamos de discutir ideias para atacar pessoas. A necessidade de ter raz√£o, de ganhar a todo o custo, atropela os deveres do civismo que √© uma das raz√Ķes de estarmos aqui. Os debates deveriam servir para criarmos colectivamente conceitos produtivos, criarmos ideias que sejam construtoras.

Existem v√°rias formas de pobreza. E h√°, entre todas, uma que escapa √†s estat√≠sticas e aos indicadores num√©ricos: √© a pen√ļria da nossa reflex√£o sobre n√≥s mesmos. Falo da dificuldade de nos pensarmos como sujeitos hist√≥ricos, como lugar de partida e como destino de um sonho.

Um dos problemas do nosso tempo é que perdemos a capacidade de fazermos as perguntas que são importantes. A escola nos ensinou a dar respostas: a vida nos aconselha a que fiquemos quietos e calados.

Olhei o poente e vi as aves carregando o sol, empurrando o dia para outros aléns.

O dever do escritor para com a língua é recriá-la, salvando-a dos processos de banalização que o uso comum vai estabelecendo.

O voar não vem da asa. O beija-flor tão abreviadinho de asa, não é o que voa mais perfeito?

N√≥s cri√°mos um sistema que gera dificuldades para os mais pequenos assuntos. A dificuldade cria uma oportunidade para expedientes, para oportunismos diversos. Este sistema n√£o √© exclusivo de Mo√ßambique. √Č comum em todo o mundo. Mas este sistema nos faz sentir estranhos, pequenos e deslocados.

Não será que deveríamos cuidar melhor da vida das massas? Porque a verdade é que o caracol nunca deita fora a sua concha. O povo é a concha que nos abriga. Mas pode, repentemente, tornar-se no fogo que nos vai queimar.

√Āfrica vive numa situa√ß√£o quase √ļnica: as gera√ß√Ķes vivas s√£o contempor√Ęneas da constru√ß√£o dos alicerces das na√ß√Ķes. O que √© o mesmo que dizer os alicerces das suas pr√≥prias identidades. √Č como se tudo se passasse no presente, como se todas as na√ß√Ķes se entrecruzassem no mesmo texto. Cada na√ß√£o √© assunto de todos, uma inadi√°vel urg√™ncia a que ningu√©m se pode alhear. Todos s√£o c√ļmplices dessa inf√Ęncia, todos deixam marcas num retrato que est√° em gesta√ß√£o.

Se temos voz é para vazar sentimento. Contudo, sentimento demasiado nos rouba a voz.

Só se escreve com intensidade se vivemos intensamente. Não se trata apenas de viver sentimentos mas de ser vivido por sentimentos.

O serviço dos dias é apenas este: trazer dias, levar dias. O Tempo existe para apagar o Tempo.

Quando se faz amor assim, de paixão total, fica-se longe das palavras. O encantamento é uma casa que tem o silêncio por tecto.

A Demora

O amor nos condena:
demoras
mesmo quando chegas antes.
Porque não é no tempo que eu te espero.

Espero-te antes de haver vida
e és tu quem faz nascer os dias.

Quando chegas
j√° n√£o sou sen√£o saudade
e as flores
tombam-me dos braços
para dar cor ao ch√£o em que te ergues.

Perdido o lugar
em que te aguardo,
só me resta água no lábio
para aplacar a tua sede.

Envelhecida a palavra,
tomo a lua por minha boca
e a noite, j√° sem voz
se vai despindo em ti.

O teu vestido tomba
e é uma nuvem.
O teu corpo se deita no meu,
um rio se vai aguando até ser mar.

Estamos Nós Realmente Salvando o Mundo?

Hoje a pergunta com que nos confrontamos é simples: estamos nós realmente salvando o mundo? Não me parece que a resposta possa ser aquela que gostaríamos. O mundo só pode ser salvo se for outro, se esse outro mundo nascer em nós e nos fizer nascer nele.
Mas nem o mundo est√° sendo salvo nem ele nos salva enquanto seres de exist√™ncia √ļnica e irrepet√≠vel. Alguns de n√≥s estar√£o fazendo coisas que acreditam ser important√≠ssimas. Mas poucos ter√£o a cren√ßa que est√£o mudando o nosso futuro. A maior parte de n√≥s est√° apenas gerindo uma condi√ß√£o que sabemos torta, geneticamente modificada ao sabor de um enorme laborat√≥rio para o qual todos trabalhamos mesmo sem vencimento.

Se alguma coisa queremos mudar e parece que mudar √© preciso, temos que enfrentar algumas perguntas. A primeira das quais √© como estamos n√≥s, bi√≥logos, pensando a ci√™ncia biol√≥gica? Antes de sermos cientistas somos cidad√£os cr√≠ticos, capazes de questionar os pressupostos que nos s√£o entregues como sendo ¬ęnaturais¬Ľ. A verdade, colegas, √© que estamos hoje perante uma natureza muito pouco natural.

E é aqui que o pecado da preguiça pode estar ganhando corpo. Uma subtil e silenciosa preguiça pode levar a abandonar a reflexão sobre o nosso próprio objecto de trabalho.

Continue lendo…

A cidade n√£o √© apenas um espa√ßo f√≠sico mas uma foija de rela√ß√Ķes. √Č o centro de um tempo onde se fabricam e refabricam as identidades pr√≥prias.