Cita√ß√Ķes sobre Ferrugem

19 resultados
Frases sobre ferrugem, poemas sobre ferrugem e outras cita√ß√Ķes sobre ferrugem para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Noite Abre Meus Olhos

Caminhei sempre para ti sobre o mar encrespado
na constelação onde os tremoceiros estendem
rondas de aço e charcos
no seu extremo azulado

Ferrugens cintilam no mundo,
atravessei a corrente
unicamente às escuras
construí minha casa na duração
de obscuras línguas de fogo, de lianas, de líquenes

A aurora para a qual todos se voltam
leva meu barco da porta entreaberta

o amor é uma noite a que se chega só

A Perenidade das Ideias

Toda a vida se espantara com essa faculdade que as ideias t√™m de se aglomerarem friamente como cristais, formando estranhas figuras v√£s; ou crescerem como tumores devorando a carne que os concebeu; ou assumirem monstruosamente certos contornos da pessoa humana, √† maneira dessas massas inertes que algumas mulheres d√£o √† luz e que, em suma, n√£o s√£o mais do que um sonho da mat√©ria. Uma boa parte dos produtos do esp√≠rito n√£o passava tamb√©m de disformes sombras lunares. Outras no√ß√Ķes, mais claras e n√≠tidas, como que fabricadas por um mestre artes√£o, eram, por√©m, como aqueles objectos que, √† dist√Ęncia, iludem; imensamente admir√°veis eram os seus √Ęngulos e arestas; e todavia n√£o passavam de grades aonde o entendimento a se mesmo se aprisiona, abstractas ferragens que a ferrugem da falsidade n√£o tardaria a carcomir.
Tremia-se, por momentos, perante a iminente transmutação: um pouco de ouro parecia brotar no crisol do cérebro humano; não se conseguia, contudo, mais do que uma equivalência; da mesma forma que, naquelas experiências grosseiras em que os alquimistas da corte tentam provar aos príncipes seus clientes que algo descobriram, não era o ouro, no fundo da retorta, senão o de um banal ducado que, depois de correr de mão em mão,

Continue lendo…

Psicologia Humana

A Santos Lostada

Por tr√°s de uns vidros d’√≥culos opacos
Muita vez um le√£o e um tigre rugem,
E como um surdo temporal estrugem
Os ódios dos covardes e dos fracos.

Partir pudesses, ó poeta, em cacos,
Vidros que ocultam almas de ferrugem,
Que espumam de ira, tenebrosas mugem,
Mugem como de dentro de uns buracos.

Que essas sombrias, d√ļbias almas foscas
Que parecem, no entanto, como moscas,
Inofensivas, babam como as lesmas.

Mas tu, em v√£o, tais vidros partirias,
Pois que no mundo, eternamente, as frias
Almas humanas ser√£o sempre as mesmas!

O Equilíbrio na Maturidade

Recordo-me que outrora, quando tinha essa idade que se diz ser a idade do entusiasmo e da for√ßa da imagina√ß√£o, como me faltava a experi√™ncia para tornar mais fortes essas belas qualidades, interrompia frequentemente o meu trabalho, que muitas vezes me desagradava. Apois√ß√£o em que a idade nos coloca √© uma ironia da natureza. Quando chegamos √† total maturidade, temos uma imagina√ß√£o mais fesca e viva do que nunca e sobretudo sossegaram as loucas e impetuosas paix√Ķes que a idade arrasta consigo, mas faltam-nos j√° as for√ßas e temos os sentidos gastos – estes pedem mais o descanso do que a agita√ß√£o. E, no entanto, apesar de todas estas agruras, como √© grande a consola√ß√£o que nos √© comunicada pelo trabalho! Como me sinto feliz por n√£o ter de ser feliz como tanto o desejava no passado! De que selv√°tica tirania afinal n√£o me acabou por libertar o enfraquecimento do corpo?!
Então, a pintura era o que menos me preocupava. Temos de nos adaptar às nossas forças: se a partir de certa altura a natureza se recusa a trabalhar, não a devemos violentar mas contentarmo-nos com o que ela nos dá; não nos deixarmos dominar pela sede de elogios,

Continue lendo…

Dificuldade de Governar

1.
Todos os dias os ministros dizem ao povo
Como é difícil governar. Sem os ministros
O trigo cresceria para baixo em vez de crescer para cima.
Nem um pedaço de carvão sairia das minas
Se o chanceler n√£o fosse t√£o inteligente. Sem o ministro da Propaganda
Mais nenhuma mulher poderia ficar gr√°vida. Sem o ministro da Guerra
Nunca mais haveria guerra. E atrever-se ia a nascer o sol
Sem a autoriza√ß√£o do F√ľhrer?
Não é nada provável e se o fosse
Ele nasceria por certo fora do lugar.

2.
E também difícil, ao que nos é dito,
Dirigir uma f√°brica. Sem o patr√£o
As paredes cairiam e as m√°quinas encher-se-iam de ferrugem.
Se algures fizessem um arado
Ele nunca chegaria ao campo sem
As palavras avisadas do industrial aos camponeses: quem,
De outro modo, poderia falar-lhes na existência de arados? E que
Seria da propriedade rural sem o propriet√°rio rural?
N√£o h√° d√ļvida nenhuma que se semearia centeio onde j√° havia batatas.

3.
Se governar fosse f√°cil
N√£o havia necessidade de esp√≠ritos t√£o esclarecidos como o do F√ľhrer.

Continue lendo…

Aprendendo a Viver

Thoreau era um filósofo americano que, entre coisas mais difíceis de se assimilar assim de repente, numa leitura de jornal, escreveu muitas coisas que talvez possam nos ajudar a viver de um modo mais inteligente, mais eficaz, mais bonito, menos angustiado.
Thoreau, por exemplo, desolava-se vendo seus vizinhos s√≥ pouparem e economizarem para um futuro long√≠nquo. Que se pensasse um pouco no futuro, estava certo. Mas ¬ęmelhore o momento presente¬Ľ, exclamava. E acrescentava: ¬ęEstamos vivos agora.¬Ľ E comentava com desgosto: ¬ęEles ficam juntando tesouros que as tra√ßas e a ferrugem ir√£o roer e os ladr√Ķes roubar.¬Ľ
A mensagem é clara: não sacrifique o dia de hoje pelo de amanhã. Se você se sente infeliz agora, tome alguma providência agora, pois só na sequência dos agoras é que você existe.

Cada um de nós, aliás, fazendo um exame de consciência, lembra-se pelo menos de vários agoras que foram perdidos e que não voltarão mais. Há momentos na vida que o arrependimento de não ter tido ou não ter sido ou não ter resolvido ou não ter aceito, há momentos na vida em que o arrependimento é profundo como uma dor profunda.
Ele queria que fizéssemos agora o que queremos fazer.

Continue lendo…

A Import√Ęncia dos Princ√≠pios

Entre os homens, alguns h√° que possuem naturalmente um excelente car√°cter e que assimilam sem necessidade de longa instru√ß√£o os princ√≠pios tradicionais, que abra√ßam a via da moralidade desde o primeiro momento em que dela ouvem falar; do meio destes √© que surgem aqueles g√©nios que concitam em si toda a gama de virtudes, que produzem eles mesmos virtudes. Mas aos outros, √†queles que t√™m o esp√≠rito embotado, obtuso ou dominado por tradi√ß√Ķes err√≥neas, a esses h√° que raspar a ferrugem que t√™m na alma. Mais ainda: se transmitirmos os preceitos b√°sicos da filosofia aos primeiros, rapidamente eles atingir√£o o mais alto n√≠vel, pois est√£o naturalmente inclinados ao bem; se o fizermos aos outros, os de natureza mais fraca, ajud√°-los-emos a libertarem-se das suas convic√ß√Ķes erradas. Por aqui podes ver como s√£o necess√°rios os princ√≠pios b√°sicos. Temos instintos em n√≥s que nos fazem indolentes ante certas coisas, e atrevidos perante outras; ora, nem este atrevimento nem aquela indol√™ncia podem ser eliminados se primeiro n√£o removermos as respectivas causas, ou seja, a admira√ß√£o infundada ou o receio infundado.
Enquanto tivermos em n√≥s esses instintos, bem poder√°s dizer: “estes s√£o os teus deveres para com teu pai, ou para com os filhos,

Continue lendo…

Majestade Caída

Esse cornóide deus funambulesco
Em torno ao qual as Potestades rugem,
Lembra os trov√Ķes, que t√©tricos estrugem,
No riso alvar de tru√£o carnavalesco.

De ironias o momo picaresco
Abre-lhe a boca e uns dentes de ferrugem,
Verdes gengivas de √°cida salsugem
Mostra e parece um S√°tiro dantesco.

Mas ninguém nota as cóleras horríveis,
Os chascos, os sarcasmos impassíveis
Dessa estranha e tremenda Majestade.

Do torvo deus hediondo, atroz, nefando,
Senil, que embora, rindo, est√° chorando
Os Noivados em flor da Mocidade!

Poema do homem-r√£

Sou feliz por ter nascido
no tempo dos homens-r√£s
que descem ao mar perdido
na doçura das manhãs.
Mergulham, imponder√°veis,
por entre as √°guas tranquilas,
enquanto singram, em filas,
peixinhos de cores am√°veis.
Vão e vêm, serpenteiam,
em compassos de ballet.
Seus lentos gestos penteiam
madeixas que ninguém vê.

Com barbatanas calçadas
e pulm√Ķes a tiracolo,
roçam-se os homens no solo
sob um céu de águas paradas.

Sob o luminoso feixe
correm de um lado para outro,
montam no lombo de um peixe
como no dorso de um potro.

Onde as sereias de espuma?
Trit√Ķes escorrendo babugem?
E os monstros cor de ferrugem
rolando trov√Ķes na bruma?

Eu sou o homem. O Homem.
Desço ao mar e subo ao céu.
N√£o h√° temores que me domem
√Č tudo meu, tudo meu.

Posfácio à Toca do Lobo

РPai, vem da morte e vamos às perdizes.
Vejo a aurora, que tinge do seu rajo
de dente a dente a Serra de Soajo…
РCiprestes, desatai-o das raízes!

– Este Inverno as perdizes est√£o em barda:
criaram-se as ninhadas sem granizo.
Vamos chumbar dos perdig√Ķes o guizo,
anda matar securas da espingarda.

A tua Holland… O animal de presa…
O azul brunido… Velha e como nova…
Bem a merecias a alegrar-te a cova.
Penou-te de saudades, com certeza.

Aqui a tens. Porque era ver-te, olh√°-la,
sequer um dia que não fosse vê-la.
Olha deluz-se a derradeira estrela,
j√° folga a luz no lustra aqui da sala.

Trinta anos depois, caçar contigo,
e sempre conversando e √† chala√ßa…
Mais que perdizes, hoje, melhor caça
√Č matar fomes do ca√ßar antigo.

Ver-te sorrir à escapatória sonsa
da velha que n√£o viu ¬ęperdiz nem chasco!¬Ľ
E o Lorde a anunci√°-la sob o fasco,
e tu lambendo o cigarrinho de on√ßa…

√ď pai, se n√£o vivias h√° trinta anos,
também há trinta eu não vivia,

Continue lendo…

Poeminha de Insatisfação Absoluta

O que me dói
√Č que quando est√° tudo acabado
Pronto pronto
N√£o h√° nada acabado
Nem pronto pronto
Pintou-me a casa toda
Est√° tudo limpado
O arm√°rio fechado
A roupa arrumada
Tudo belo, perfeito.
E no mesmo instante
Em que aperfeiçoamos a perfeição
Uma lasca diminuta, ténue, microscópica,
N√£o sei onde,
Está começando
Na pintura da casa
E as traças, não sei onde,
Est√£o batendo asas
E a poeira, em geral, está caindo invisível,
E a ferrugem está comendo não sei quê
E n√£o h√° jeito de parar.