Textos sobre Objeto

205 resultados
Textos de objeto escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

As Impress√Ķes da Mem√≥ria

Da mesma forma que os ramos de uma √°rvore que permaneceram por algum tempo curvados de uma determinada forma conservam uma certa facilidade para serem curvados novamente da mesma maneira, as fibras do c√©rebro, uma vez tendo recebido certas impress√Ķes por interm√©dio dos esp√≠ritos animais e pela ac√ß√£o dos objectos, conservam por bastante tempo alguma facilidade para receber essas mesmas disposi√ß√Ķes. Ora, a mem√≥ria consiste apenas nessa facilidade, j√° que se pensa nas mesmas coisas quando o c√©rebro recebe as mesmas impress√Ķes.

Controlar a Ira

Se deste vaz√£o √† ira, fica certo de que, al√©m do mal nela impl√≠cito, revigoraste o h√°bito e acrescentaste lenha √† fogueira. Quando √©s vencido por uma tenta√ß√£o da carne, n√£o consideres isso simples derrota: considera, tamb√©m, que revigoraste os teus h√°bitos dissolutos. Os h√°bitos e as faculdades s√£o necessariamente afectados pelos actos correspondentes. Os que antes n√£o existiam, agora aparecem; os demais cobram vigor e dom√≠nio. Esta √© a vers√£o que os Fil√≥sofos d√£o das mol√©stias da mente: sup√Ķe que algum dia cobi√ßaste ter dinheiro: se a raz√£o, em dose suficiente para provocar a consci√™ncia do mal, intervir, a cobi√ßa √© anulada e a mente recupera imediatamente a sua autoridade original; contudo, se n√£o recorreres a nenhum rem√©dio, jamais poder√°s esperar tal recupera√ß√£o; ao contr√°rio, a pr√≥xima vez em que for excitada pelo objecto correspondente, a chama do desejo irromper√° mais prontamente do que antes. Pela frequ√™ncia da repeti√ß√£o, a mente, ao fim e ao cabo, fica calejada e, assim, esta mol√©stia mental produz Avareza confirmada.
Quando algu√©m teve febre, mesmo depois de voltar √† normalidade, n√£o se encontra nas mesmas condi√ß√Ķes de sa√ļde que antes, a menos que a sua cura seja completa. Algo de semelhante ocorre com as mol√©stias da mente.

Continue lendo…

Só Chegamos a Ser uma Parte Mínima do que Poderíamos Ser

A actividade de comprar conclui em decidir-se por um objecto; mas √© tamb√©m antes uma elei√ß√£o, e a elei√ß√£o come√ßa por perceber as possibilidades que oferece o mercado. De onde resulta que a vida, no seu modo ¬ęcomprar¬Ľ, consiste primeiramente em viver as possibilidades de compra como tais. Quando se fala de nossa vida s√≥i esquecer-se disto, que me parece essencial√≠ssimo: a nossa vida √© em todo o instante e antes que nada consci√™ncia do que nos √© poss√≠vel. Se em cada momento n√£o tiv√©ssemos √† nossa frente mais que uma s√≥ possibilidade, careceria de sentido cham√°-la assim. Seria apenas pura necessidade. Mas ai est√°: esse estranh√≠ssimo facto da nossa vida possui a condi√ß√£o radical de que sempre encontra ante si v√°rias sa√≠das, que por serem v√°rias adquirem o car√°cter de possibilidades entre as quais havemos de decidir. Tanto vale dizer que vivemos como dizer que nos encontramos num ambiente de determinadas possibilidades. A este √Ęmbito costuma chamar-se ¬ęas circunst√Ęncias¬Ľ.

Toda a vida √© achar-se dentro da ¬ęcircunst√Ęncia¬Ľ ou mundo. Porque este √© o sentido origin√°rio da id√©ia (mundo). Mundo √© o repert√≥rio das nossas possibilidades vitais. N√£o √©, pois, algo √† parte e alheio √† nossa vida,

Continue lendo…

A Felicidade

A felicidade √© um estado permanente que n√£o parece ter sido feito, aqui na terra, para o homem. Na terra, tudo vive num fluxo cont√≠nuo que n√£o permite que coisa alguma assuma uma forma constante. Tudo muda √† nossa volta. N√≥s pr√≥prios tamb√©m mudamos e ningu√©m pode estar certo de amar amanh√£ aquilo que hoje ama. √Č por isso que todos os nossos projectos de felicidade nesta vida s√£o quimeras.
Aproveitemos a alegria do esp√≠rito quando a possu√≠mos; evitemos afast√°-la por nossa culpa, mas n√£o fa√ßamos projectos para a conservar, porque esses projectos s√£o meras loucuras. Vi poucos homens felizes, talvez nenhum; mas vi muitas vezes cora√ß√Ķes contentes e de todos os objectos que me impressionaram foi esse o que mais me satisfez. Creio que se trata de uma consequ√™ncia natural do poder das sensa√ß√Ķes sobre os meus sentimentos. A felicidade n√£o tem sinais exteriores; para a conhecer seria necess√°rio ler no cora√ß√£o do homem feliz; mas a alegria l√™-se nos olhos, no porte, no sotaque, no modo de andar, e parece comunicar-se a quem dela se apercebe.

O Amor Sugado

O amor, enquanto afei√ß√£o humana, √© o amor que deseja o bem, possui uma disposi√ß√£o amig√°vel, promove a felicidade dos demais e alegra-se com ela. Mas √© patente que aqueles que possuem uma inclina√ß√£o meramente sexual n√£o amam a pessoa por nenhum dos motivos ligados √† verdadeira afei√ß√£o e n√£o se preocupam com a sua felicidade, mas podem at√© mesmo lev√°-la √† maior infelicidade simplesmente visando satisfazer a sua pr√≥pria inclina√ß√£o e apetite. O amor sexual faz da pessoa amada um objecto do apetite; t√£o logo foi possu√≠da e o apetite saciado, ela √© descartada ¬ętal como um lim√£o sugado¬Ľ.

O Livro

Dos diversos instrumentos do homem, o mais assombroso √©, indubitavelmente, o livro. Os outros s√£o extens√Ķes do seu corpo. O microsc√≥pio e o telesc√≥pio s√£o extens√Ķes da vista; o telefone √© o prolongamento da voz; seguem-se o arado e a espada, extens√Ķes do seu bra√ßo. Mas o livro √© outra coisa: o livro √© uma extens√£o da mem√≥ria e da imagina√ß√£o.
Em ¬ęC√©sar e Cle√≥patra¬Ľ de Shaw, quando se fala da biblioteca de Alexandria, diz-se que ela √© a mem√≥ria da humanidade. O livro √© isso e tamb√©m algo mais: a imagina√ß√£o. Pois o que √© o nosso passado sen√£o uma s√©rie de sonhos? Que diferen√ßa pode haver entre recordar sonhos e recordar o passado? Tal √© a fun√ß√£o que o livro realiza.
(…) Se lemos um livro antigo, √© como se l√™ssemos todo o tempo que transcorreu at√© n√≥s desde o dia em que ele foi escrito. Por isso conv√©m manter o culto do livro. O livro pode estar cheio de coisas erradas, podemos n√£o estar de acordo com as opini√Ķes do autor, mas mesmo assim conserva alguma coisa de sagrado, algo de divino, n√£o para ser objecto de respeito supersticioso, mas para que o abordemos com o desejo de encontrar felicidade,

Continue lendo…

As Pessoas Riam-se de Mim

A minha susceptibilidade a certo tipo de sustos (medo) era grande. Na rua, um homem caminhando na minha direcção, isto é, na direcção contrária, tirou da algibeira um lenço à minha frente; comecei de imediato a pensar, inconscientemente, acho, que estava a tirar uma arma ou um revólver.
A minha vista curta ‚ÄĒ nem sempre, mas excessivamente no que respeita aos tra√ßos das pessoas, aos gestos ‚ÄĒ afectava o meu c√©rebro desequilibrado. A minha imagina√ß√£o interpretava mal o car√°cter dos seus olhares. Distorcia, n√£o sabia explicar porqu√™, a inten√ß√£o e o significado dos seus gestos. O meu pr√≥prio sentido de audi√ß√£o era d√©bil; aplicava a mim pr√≥prio, retorcendo-as, as palavras que captava. Via em cada palavra um termo destinado a ofender-me, em cada frase, mal apanhada, a sombra e o vislumbre de um insulto.
As pessoas na rua riam-se: riam-se de mim. A minha vista d√©bil n√£o me deixava destruir esta ilus√£o. N√£o me atrevia a p√īr os √≥culos que tinha no bolso, pois temia que as minhas desconfian√ßas se revelassem fundadas.
Ansiava por ter uma grande auto-estima, para que a minha pessoa me fizesse esquecer de mim pr√≥prio. Desejava, oh, como desejava! ‚ÄĒ o impulso de me dedicar aos outros para que eles me fizessem esquecer de mim.

Continue lendo…

A Asfixia do Artista pela Sociedade

Eu tenho medo das ¬ęteses¬Ľ quando se apoderam de um artista jovem, sobretudo nos come√ßos da sua carreira. E sabem o que eu temo? Muito simplesmente que n√£o consiga os objectos da tese. Pensar√° um simp√°tico cr√≠tico, a quem li h√° pouco e cujo nome agora n√£o vou citar, que toda a obra art√≠stica isenta de tese pr√©via, realizada exclusivamente com um objectivo art√≠stico, e at√© de assunto inteiramente secund√°rio e n√£o correspondendo a nada de ¬ętendencioso¬Ľ possa resultar nuns proveitos para o seu objectivo ainda que √† primeira vista d√™ a impress√£o de satisfazer apenas ¬ęuma ociosa curiosidade¬Ľ? Porventura as nossas pessoas cultas ainda n√£o se deram conta do que pode passar-se no cora√ß√£o e na intelig√™ncia dos nossos escritores e artistas jovens? Que confus√£o de ideias e de sentimentos preconcebidos!

Sob a press√£o da sociedade, o jovem poeta sufoca na alma o seu natural anelo de espraiar-se em formas singulares; receia que condenem a sua ¬ęociosa curiosidade¬Ľ; reprime essas formas que lhe brotam do fundo da alma; nega-lhes vida e aten√ß√£o e arranca de dentro, entre espamos, o tema que √† sociedade agrada, que √© grato √† opini√£o liberal e social. Mas que erro t√£o horrivelmente c√Ęndido e ing√©nuo,

Continue lendo…

Os V√°rios Tipos de Amor

Parece-me que podemos, com maior razão, distinguir o amor em função da estima que temos pelo que amamos, em comparação com nós mesmos. Pois quando estimamos o objecto do nosso amor menos que a nós mesmos, temos por ele apenas uma simples afeição; quando o estimamos tanto quanto a nós mesmos, a isso se chama amizade; e quando o estimamos mais, a paixão que temos pode ser denominada como devoção. Assim, podemos te afeição por uma flor, por um pássaro, por um cavalo; porém, a menos que o nosso espírito seja muito desajustado, apenas por seres humanos podemos ter amizade. E de tal maneira eles são objecto dessa paixão que não há homem tão imperfeito que não possamos ter por ele uma amizade muito perfeita, quando pensamos que somos amados por ele e quando temos a alma verdadeiramente nobre e generosa.
Quanto √† devo√ß√£o, o seu principal objecto √© sem d√ļvida a soberana divindade, da qual n√£o poder√≠amos deixar de ser devotos quando a conhecemos como se deve conhecer. Mas tamb√©m podemos ter devo√ß√£o pelo nosso pr√≠ncipe, pelo nosso pa√≠s, pela nossa cidade, e mesmo por um homem particular quando o estimamos muito mais que a n√≥s mesmos. Ora,

Continue lendo…

Nunca se Escreve para Si Mesmo

O escritor não prevê nem conjectura: projecta. Acontece por vezes que espera por si mesmo, que espera pela inspiração, como se diz. Mas não se espera por si mesmo como se espera pelos outros; se hesita, sabe que o futuro não está feito, que é ele próprio que o vai fazer, e, se não sabe ainda o que acontecerá ao herói, isto quer simplesmente dizer que não pensou nisso, que não decidiu nada; então, o futuro é uma página branca, ao passo que o futuro do leitor são as duzentas páginas sobrecarregadas de palavras que o separam do fim.

Assim, o escritor só encontra por toda a parte o seu saber, a sua vontade, os seus projectos, em resumo, ele mesmo; atinge apenas a sua própria subjectividade; o objecto que cria está fora de alcance; não o cria para ele. Se relê o que escreveu, já é demasiado tarde; a sua frase nunca será a seus olhos exactamente uma coisa. Vai até aos limites do subjectivo, mas sem o transpor; aprecia o efeito dum traço, duma máxima, dum adjectivo bem colocado; mas é o efeito que produzirão nos outros; pode avaliá-lo, mas não senti-lo.
Proust nunca descobriu a homossexualidade de Charlus,

Continue lendo…

Manufacturamos Realidades

Damos comummente √†s nossas ideias do desconhecido a cor das nossas no√ß√Ķes do conhecido: se chamamos √† morte um sono √© porque parece um sono por fora; se chamamos √† morte uma nova vida √© porque parece uma coisa diferente da vida. Com pequenos mal-entendidos com a realidade constru√≠mos as cren√ßas e as esperan√ßas, e vivemos das c√īdeas a que chamamos bolos, como as crian√ßas pobres que brincam a ser felizes.
Mas assim é toda a vida; assim, pelo menos, é aquele sistema de vida particular a que no geral se chama civilização. A civilização consiste em dar a qualquer coisa um nome que lhe não compete, e depois sonhar sobre o resultado. E realmente o nome falso e o sonho verdadeiro criam uma nova realidade. O objecto torna-se realmente outro, porque o tornámos outro.
Manufacturamos realidades. A matéria-prima continua a ser a mesma, mas a forma, que a arte lhe deu, afasta-a efectivamente de continuar sendo a mesma. Uma mesa de pinho é pinho mas também é mesa. Sentamo-nos à mesa e não ao pinho. Um amor é um instinto sexual, porém não amamos com o instinto sexual, mas com a pressuposição de outro sentimento. E essa pressuposição é,

Continue lendo…

Concebemos apenas √Ātomos em Compara√ß√£o com a Realidade das Coisas

A primeira coisa que se oferece ao homem ao contemplar-se a si pr√≥prio, √© o seu corpo, isto √©, certa parcela de mat√©ria que lhe √© peculiar. Mas, para compreender o que ela representa e a fix√°-la dentro dos seus justos limites, precisa de a comparar a tudo o que se encontra acima ou abaixo dela. Que n√£o se atenha, pois, a olhar para os objetos que o cercam, simplesmente, mas a contemplar a natureza inteira na sua alta e plena majestosidade. Considere esta brilhante luz colocada acima dele como uma l√Ęmpada eterna para iluminar o universo, e que a Terra lhe apare√ßa como um ponto na √≥rbita ampla deste astro e maravilhe-se de ver que essa amplitude n√£o passa de um ponto insignificante na rota dos outros astros que se espalham pelo firmamento. E se nossa vista a√≠ se det√©m, que a nossa imagina√ß√£o n√£o pare; mais rapidamente se cansar√° ela de conceber, que a natureza de revelar . Todo esse mundo vis√≠vel √© apenas um tra√ßo percept√≠vel na amplid√£o da natureza, que nem sequer nos √© dado a conhecer de um modo vago. Por mais que ampliemos as nossas concep√ß√Ķes e as projectemos al√©m de espa√ßos imagin√°veis, concebemos t√£o somente √°tomos em compara√ß√£o com a realidade das coisas.

Continue lendo…

A Vantagem do Conhecimento Alargado

No que se refere ao esp√≠rito dotado de capacidades elevadas – o √ļnico que pode ousar a solu√ß√£o dos grandes e dif√≠ceis problemas concernentes ao universal e geral das coisas -, ele far√° bem em estender o m√°ximo poss√≠vel o seu horizonte, mas sempre com equanimidade, para todos os lados, sem se perder muito numa dessas regi√Ķes bem espec√≠ficas e conhecidas apenas por poucos. Ou seja, sem penetrar demasiado profundamente nas especialidades de alguma ci√™ncia isolada, muito menos envolver-se com a micrologia. Pois n√£o tem necessidade de se dedicar a objectos de dif√≠cil acesso para livrar-se da multid√£o de concorrentes; pelo contr√°rio, justamente aquilo que est√° ao alcance de todos √© o que fornecer√° a mat√©ria para combina√ß√Ķes novas, importantes e verdadeiras. Desse modo, o seu m√©rito poder√° ser apreciado por todos os que conhecem os dados, portanto, por uma boa parte do g√©nero humano. Nisso reside a imensa diferen√ßa entre a gl√≥ria que os poetas e os fil√≥sofos alcan√ßam e aquela acess√≠vel a f√≠sicos, qu√≠micos, anatomistas, mineralogistas, zo√≥logos, fil√≥logos, historiadores, etc.

Sociedade Espectaculista

A sociedade que repousa sobre a ind√ļstria moderna n√£o √© fortuitamente ou superficialmente espectacular, ela √© fundamentalmente espectaculista. No espect√°culo da imagem da economia reinante, o fim n√£o √© nada, o desenvolvimento √© tudo. O espect√°culo n√£o quer chegar a outra coisa sen√£o a si mesmo.
Na forma do indispensável adorno dos objectos hoje produzidos, na forma da exposição geral da racionalidade do sistema, e na forma de sector económico avançado que modela directamente uma multidão crescente de imagens-objectos, o espectáculo é a principal produção da sociedade actual.

Nada é Suficiente para se Morrer

– Nunca pensou escrever um romance?
– Sou um autor de folhetos, acho que interrogativos, e sobretudo um muito interrogativo leitor de perguntas. Mais nada.
– Basta para uma vida ?
– Nem sei se basta para uma verdadeira morte. Nada √© suficiente para se morrer. Ou √© suficiente cruzar os olhos com os de uma leoa materna. Ou brandir esse pequeno objecto el√©ctrico, embora seja t√£o pequeno e a noite por todos os lados do quarto pare√ßa intermin√°vel. Conheci um homem, um psiquiatra descontente ‚ÄĒ s√£o raros, os psiquiatras descontentes, conhe√ßo-os muito contentes a ganhar para enlouquecer as pessoas, rende tanto como a pol√≠tica, trata-se de pol√≠tica, a sinistra pol√≠tica dos tratamentos ‚ÄĒ, vivia numa ilha, este, descontente, adorava falar de estrelas, constela√ß√Ķes, sabia tudo, mas era, digamos, estelarmente irredut√≠vel: estava contra a ordem celeste. Mandou substituir o tecto do quarto de dormir por uma ab√≥bada com um sistema electr√≥nico de corpos celestes, deslocados, todos, relativamente √† estrutura natural, aut√≥nomos entre si. Ali era a lua nas suas fases e as Ursas e o Cruzeiro do Sul e a estrela Arcturus: um sistema de teclas permitia acender aquilo que se desejasse. O que vigorava era um c√©u dele,

Continue lendo…

A História é Sempre Fabricada

A história não está ligada ao homem, nem a qualquer objecto em particular. Consiste inteiramente no seu método; a experiência comprova que ele é indispensável para inventariar a integralidade dos elementos de uma estrutura qualquer, humana ou não humana. Longe portanto de a pesquisa da inteligibilidade resultar na história como o seu ponto de chegada, é a história que serve de ponto de partida para toda a busca de inteligibilidade. Assim como se diz de certas carreiras, a história leva a tudo, mas contanto que se saia dela.

A √ānsia de Protagonismo Social

Qual o sentido de tamanha azáfama neste mundo? Qual a finalidade da avareza e da ambição, da perseguição de riqueza, do poder e da proeminência? Satisfazer as necessidades da natureza? O salário do mais humilde trabalhador pode satisfazê-las. Quais serão então as vantagens desse grande objectivo da vida humana a que chamamos melhorar a nossa condição?
Ser observado, ser correspondido, ser notado com simpatia, complac√™ncia e aprova√ß√£o, s√£o tudo vantagens que podemos propor-nos retirar da√≠. O homem rico compraz-se na sua riqueza porque sente que ela faz recair as aten√ß√Ķes do mundo sobre si. O homem pobre, pelo contr√°rio, envergonha-se da sua pobreza. Sente que ela o coloca fora do horizonte dos seus semelhantes. Sentir que n√£o somos notados representa necessariamente uma desilus√£o para os desejos mais candentes da natureza humana. O homem pobre sai e volta a entrar despercebido, e permanece na mesma obscuridade seja no meio de uma multid√£o seja no recato do seu covil. O homem de n√≠vel e distin√ß√£o, pelo contr√°rio, √© visto por todo o mundo. Toda a gente anseia por v√™-lo. As suas ac√ß√Ķes s√£o objecto de aten√ß√Ķes p√ļblicas. Raro ser√° o gesto, rara a palavra que ele deixe escapar que passe despercebida.

Continue lendo…

A Liberdade Nunca é Real

Se examinarmos um indiv√≠duo isolado sem o relacionarmos com o que o rodeia, todos os seus actos nos parecem livres. Mas se virmos a m√≠nima rela√ß√£o entre esse homem e quanto o rodeia, as suas rela√ß√Ķes com o homem que lhe fala, com o livro que l√™, com o trabalho que est√° fazendo, inclusivamente com o ar que respira ou com a luz que banha os objectos √† sua roda, verificamos que cada uma dessas circunst√Ęncias exerce influ√™ncia sobre ele e guia, pelo menos, uma parte da sua actividade. E quantas mais influ√™ncias destas observamos mais diminui a ideia que fazemos da sua liberdade, aumentando a ideia que fazemos da necessidade a que est√° submetido.
(…) A grada√ß√£o da liberdade e da necessidade maiores ou menores depende do lapso de tempo maior ou menor desde a realiza√ß√£o do acto at√© √† aprecia√ß√£o desse mesmo acto. Se examino um acto que pratiquei h√° um minuto em condi√ß√Ķes quase as mesmas em que me encontro actualmente, esse acto parece-me absolutamente livre. Mas se aprecio um acto realizado h√° um m√™s, ao encontrar-me em circunst√Ęncias diferentes, a meu pesar, se n√£o tivesse realizado esse acto, n√£o existiriam muitas coisas in√ļteis, agrad√°veis e necess√°rias que derivam dele.

Continue lendo…

A Imperfeição dos Nossos Sentidos

Se os nossos sentidos fossem perfeitos, não precisávamos de inteligência; nem as ideias abstractas de nada nos serviriam. A imperfeição dos nossos sentidos faz com que não concordemos em absoluto sobre um objecto ou um facto do exterior. Nas ideias abstractas concordamos em absoluto.
Dois homens n√£o v√™em uma mesa da mesma maneira; mas ambos entendem a palavra ¬ęmesa¬Ľ da mesma maneira. S√≥ querendo visualizar uma coisa √© que divergir√£o; isso, por√©m, n√£o √© a ideia abstracta da mesa.

A Vantagem dum Longo Treino

A vantagem de um longo treino e duma escrupulosa concentra√ß√£o no futuro: na hora das realiza√ß√Ķes estabelece-se um estado sonamb√ļlico intermedi√°rio entre o fazer e o deixar fazer, entre o agir e o ser objecto de ac√ß√£o. Isso requer tanto menos aten√ß√£o quanto √© certo que, a maior parte das vezes, a realidade exige de n√≥s muito menos do que imaginamos e, assim, encontramo-nos um pouco na situa√ß√£o do homem que, armado at√© aos dentes, ao travar uma luta, n√£o tem necessidade, para vencer, sen√£o de manejar ligeiramente uma √ļnica pe√ßa do seu arsenal. Com efeito, quem liga import√Ęncia a si mesmo exercita-se no que √© mais dif√≠cil para se tornar cada vez mais destro no que √© f√°cil e poder ter a satisfa√ß√£o de triunfar, usando dos meios mais delicados e discretos. Ele repele, ali√°s, os expedientes grosseiros e selvagens, n√£o se resolvendo a us√°-los sen√£o em casos de for√ßa maior.