Qualquer operaĆ§Ć£o do nosso espĆ­rito tem sempre a sua certa e inevitĆ”vel origem no egoĆ­smo.