Cita√ß√Ķes de Ren√© Descartes

88 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Ren√© Descartes para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

A leitura de todos os bons livros é uma conversação com as mais honestas pessoas dos séculos passados.

Não há nada tão equitativamente distribuído no mundo como a inteligência: todos estão convencidos de que têm o suficiente.

Ninguém pode conceber tão bem uma coisa e fazê-la sua, quando a aprende de um outro, em vez de a inventar ele próprio.

Se você for uma pessoa que busca realmente a verdade, é necessário que ao menos uma vez na vida duvide de todas as coisas, da maneira mais profunda possível.

Inveja Justa e Injusta

Quando a fortuna envia a alguém bens de que ele é verdadeiramente indigno, e a inveja só é excitada em nós porque amando naturalmente a justiça ficamos contrariados que ela não seja observada na distribuição desses bens, trata-se de um zelo que pode ser desculpável; principalmente quando o bem que invejamos de outros é de tal natureza que pode converter-se em mal nas mãos deles, como se for algum cargo ou ofício em cujo exercício eles possam comportar-se mal.
Mesmo quando desejamos para nós o mesmo bem e somos impedidos de tê-lo, porque ouros que são menos merecedores o possuem, isto torna mais violenta tal paixão; e ela não deixa de ser desculpável, contanto que o ódio que contém se relacione somente com a má distribuição do bem que se inveja, e não com as pessoas que o possuem e distribuem.
Mas há poucos que sejam tão justos, e tão generosos a ponto de não ter ódio por aqueles que os precederam na obtenção de um bem que não é comunicável a várias pessoas e que eles haviam desejado para si mesmos, embora os que os obtiveram sejam tanto ou mais merecedores. E o que habitualmente é mais invejado é a glória,

Continue lendo…

Penso, logo Existo

De h√° muito tinha notado que, pelo que respeita √† conduta, √© necess√°rio algumas vezes seguir como indubit√°veis opini√Ķes que sabemos serem muito incertas, (…). Mas, agora que resolvera dedicar-me apenas √† descoberta da verdade, pensei que era necess√°rio proceder exactamente ao contr√°rio, e rejeitar, como absolutamente falso, tudo aquilo em que pudesse imaginar a menor d√ļvida, a fim de ver se, ap√≥s isso, n√£o ficaria qualquer coisa nas minhas opini√Ķes que fosse inteiramente indubit√°vel.
Assim, porque os nossos sentidos nos enganam algumas vezes, eu quis supor que nada h√° que seja tal como eles o fazem imaginar. E porque h√° homens que se enganam ao raciocinar, at√© nos mais simples temas de geometria, e neles cometem paralogismos, rejeitei como falsas, visto estar sujeito a enganar-me como qualquer outro, todas as raz√Ķes de que at√© ent√£o me servira nas demonstra√ß√Ķes. Finalmente, considerando que os pensamentos que temos quando acordados nos podem ocorrer tamb√©m quando dormimos, sem que neste caso nenhum seja verdadeiro, resolvi supor que tudo o que at√© ent√£o encontrara acolhimento no meu esp√≠rito n√£o era mais verdadeiro que as ilus√Ķes dos meus sonhos. Mas, logo em seguida, notei que, enquanto assim queria pensar que tudo era falso,

Continue lendo…

N√£o h√° nada repartido de modo mais equitativo no mundo do que a raz√£o: todo mundo est√° convicto de ter suficiente.

A Admira√ß√£o √© a Primeira de Todas as Paix√Ķes

Quando o primeiro contacto com algum objecto nos surpreende e o consideramos novo ou muito diferente do que conhec√≠amos antes ou ent√£o do que supunhamos que ele devia ser, isso faz que o admiremos e fiquemos espantados com ele. E como tal coisa pode acontecer antes que saibamos de alguma forma se esse objecto nos √© conveniente ou n√£o, a admira√ß√£o parece-me ser a primeira de todas as paix√Ķes. E ela n√£o tem contr√°rio, porque, se o objecto que se apresenta nada tiver em si que nos surpreenda, n√£o somos emocionados por ele e consideramo-lo sem paix√£o.

O bom senso é a coisa mais bem distribuída do mundo: todos pensamos tê-lo em tal medida que até os mais difíceis de se contentar nas outras coisas não costumam desejar mais bom senso do que têm.

Apenas desejo a tranquilidade e o descanso, que são os bens que os mais poderosos reis da terra não podem conceder a quem os não pode tomar pelas suas próprias mãos.

O Método é Necessário para a Procura da Verdade

Os mortais s√£o dominados por uma curiosidade t√£o cega que, muitas vezes, envenenam o esp√≠rito por caminhos desconhecidos, sem qualquer esperan√ßa razo√°vel, mas unicamente para se arriscarem a encontrar o que procuram: √© como se algu√©m, incendiado pelo desejo t√£o est√ļpido de encontrar um tesouro, vagueasse sem cessar pelas pra√ßas p√ļblicas para ver se, casualmente, encontrava algum perdido por um transeunte. (…) n√£o nego que tenham por vezes muita sorte nos seus caminhos errantes e encontrem alguma verdade; contudo, n√£o estou de acordo que sejam mais competentes, mas apenas mais afortunados. Ora, vale mais nunca pensar em procurar a verdade de alguma coisa que faz√™-lo sem m√©todo: √© cert√≠ssimo, pois, que os estudos feitos desordenadamente e as medita√ß√Ķes confusas obscurecem a luz natural e cegam os esp√≠ritos. Quem se acostuma a andar assim nas trevas enfraquece de tal modo a acuidade do olhar que, depois, n√£o pode suportar a luz do pleno dia.

√Č a experi√™ncia que o diz: vemos muitissimas vezes os que nunca se dedicaram √†s letras julgar o que se lhes depara com muito maior solidez e clareza do que aqueles que sempre frequentaram as escolas. Entendo por m√©todo regras certas e f√°ceis, que permitem a quem exactamente as observar nunca tomar por verdadeiro algo de falso,

Continue lendo…

Se quiser buscar realmente a verdade, é preciso que pelo menos um vez em sua vida você duvide, ao máximo que puder, de todas as coisas.

Despreza-se um homem que tem ci√ļmes da mulher, porque isso √© testemunho de que ele n√£o ama como deve ser, e de que tem m√° opini√£o de si pr√≥prio ou dela.

Desprende-te de todas as impress√Ķes dos sentidos e da imagina√ß√£o, e n√£o te fies sen√£o da raz√£o.