Passagens de Clarice Lispector

1250 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Clarice Lispector para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Quem se recusa o prazer, quem se faz de monge, em qualquer sentido, √© porque tem uma capacidade enorme para o prazer, uma capacidade perigosa ‚Äď da√≠ um temor maior ainda. S√≥ quem guarda as armas √† chave √© quem receia atirar sobre todos.

Que minha solid√£o me sirva de companhia. Que eu tenha a coragem de me enfrentar. Que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo.

A Humildade na Escrita

N√≥s, os que escrevemos, temos na palavra humana, escrita ou falada, grande mist√©rio que n√£o quero desvendar com o meu racioc√≠nio que √© frio. Tenho que n√£o indagar do mist√©rio para n√£o trair o milagre. Quem escreve ou pinta ou ensina ou dan√ßa ou faz c√°lculos em termos de matem√°tica, faz milagre todos os dias. √Č uma grande aventura e exige muita coragem e devo√ß√£o e muita humildade. Meu forte n√£o √© a humildade em viver. Mas ao escrever sou fatalmente humilde. Embora com limites. Pois do dia em que eu perder dentro de mim a minha pr√≥pria import√Ęncia – tudo estar√° perdido.

Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios.

Eu Queria uma Liberdade Olímpica

Acordei hoje com tal nostalgia de ser feliz. Eu nunca fui livre na minha vida inteira. Por dentro eu sempre me persegui. Eu me tornei intolerável para mim mesma. Vivo numa dualidade dilacerante. Eu tenho uma aparente liberdade mas estou presa dentro de mim. Eu queria uma liberdade olímpica. Mas essa liberdade só é concedida aos seres imateriais. Enquanto eu tiver corpo ele me submeterá às suas exigências. Vejo a liberdade como uma forma de beleza e essa beleza me falta.

O segredo destas flores fechadas é que exatamente no primeiro dia de primavera elas se abrem se dão ao mundo.

Ser é ser além do humano. Ser homem não dá certo, ser homem tem sido um constrangimento. O desconhecido nos aguarda, mas sinto que esse desconhecido é uma totalização e será a verdadeira humanização pela qual ansiamos.

Eu te odeio, disse ela para um homem cujo crime √ļnico era o de n√£o am√°-la. Eu te odeio, disse muito apressada. Mas n√£o sabia sequer como se fazia.

Oh, Deus, eu que fa√ßo concorr√™ncia a mim mesma. Me detesto. Felizmente os outros gostam de mim. √Č uma tranquilidade. Um sopro de vida.

Porque eu fazia do amor um c√°lculo matem√°tico errado: pensava que, somando as compreens√Ķes, eu amava. N√£o sabia que, somando as incompreens√Ķes √© que se ama verdadeiramente

O Casal Comum

Depois da √©poca de palavras de amor, de palavras de raiva, de palavras, as rela√ß√Ķes entre os dois tornaram-se aos poucos imposs√≠veis de resultar numa frase ou numa realidade clara. √Ä medida que estavam casados h√° tanto tempo, as diverg√™ncias, as desconfian√ßas, certa rivalidade jamais chegavam √† tona, embora elas existissem entre eles como o plano dentro do qual se entendiam. Esse estado quase impedia uma ofensa e uma defesa, e jamais uma explica√ß√£o. Formavam o que se chama um casal comum.

Não entendo de sonhos. Mas este me parece um profundo desejo de mudança de vida. Não precisa ser feliz sequer. Basta ano novo. E é tão difícil mudar. Às vezes escorre sangue.

S√≥ porque √© dif√≠cil compreender e amar o que √© espont√Ęneo e franciscano. Entender o dif√≠cil n√£o √© vantagem, mas amar o que √© f√°cil √© uma grande subida na escala humana.

Parece-me que eu vagamente sentia que, enquanto sofresse fisicamente de um modo t√£o insuport√°vel, isso seria a prova de estar vivendo ao m√°ximo.