Passagens sobre Direção

195 resultados
Frases sobre dire√ß√£o, poemas sobre dire√ß√£o e outras passagens sobre dire√ß√£o para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Democracia Política Conduz à Ineficiência e Fraqueza de Direcção

Os defeitos da democracia pol√≠tica como sistema de governo s√£o t√£o √≥bvios, e t√™m sido tantas vezes catalogados, que n√£o preciso mais do que resumi-los aqui. A democracia pol√≠tica foi criticada porque conduz √† inefici√™ncia e fraqueza de direc√ß√£o, porque permite aos homens menos desej√°veis obter o poder, porque fomenta a corrup√ß√£o. A inefici√™ncia e fraqueza da democracia pol√≠tica tornam-se mais aparentes nos momentos de crise, quando √© preciso tomar e cumprir decis√Ķes rapidamente. Averiguar e registar os desejos de muitos milh√Ķes de eleitores em poucas horas √© uma impossibilidade f√≠sica. Segue-se, portanto, que, numa crise, uma de duas coisas tem de acontecer: ou os governantes decidem apresentar o facto consumado da sua decis√£o aos eleitores – em cujo caso todo o princ√≠pio da democracia pol√≠tica ter√° sido tratado com o desprezo que em circunst√Ęncias cr√≠ticas ela merece; ou ent√£o o povo √© consultado e perde-se tempo, frequentemente, com consequ√™ncias fatais. Durante a guerra todos os beligerantes adoptaram o primeiro caminho. A democracia pol√≠tica foi em toda a parte temporariamente abolida. Um sistema de governo que necessita de ser abolido todas as vezes que surge um perigo, dificilmente se pode descrever como um sistema perfeito.

A vida n√£o √© ir a um s√≠tio. √Č apenas sair para um passeio matinal. Escolham a dire√ß√£o para onde todo o vosso ser flui, para onde o vento soprar. Percorram esse caminho at√© onde ele vos levar sem nunca esperar encontrar alguma coisa.

Noiva

Ei-la toda de branco. Aos pés, o imenso véu
como em flocos de espuma, espalhado no ch√£o…
No ar, dentro do olhar, cabe inteirinho um céu,
e leva um c√©u maior dentro do cora√ß√£o…

Nos l√°bios… Ah! nos l√°bios o sabor do mel,
e uma carícia em flor se entreabre em cada mão,
Рe que tremor no braço, ao deixar no papel
o nome dela, o dele… os dois desde ent√£o…

Quem lhe falou da vida ? A vida é um sonho, a vida
é esse caminho azul, esse estranho embaraço
de sentir-se ao seu lado adorada e querida…

Aos seus p√©s, como nuvem branca, o imenso v√©u…
Quem dirá, que ao seguir apoiada ao seu braço
n√£o pensa que caminha em dire√ß√£o ao c√©u ?…

O Acaso Introduz e Acaba as Nossas Ac√ß√Ķes

√Č de um sadismo soberbo pensar que dever√≠amos ser julgados pelas nossas boas e m√°s ac√ß√Ķes, uma vez que s√≥ de um pequen√≠ssimo n√ļmero das nossas ac√ß√Ķes podemos decidir. O acaso cego, que se distingue da justi√ßa cega pelo simples facto de ainda n√£o usar venda, introduz e acaba as nossas ac√ß√Ķes; o que podemos fazer e, bem entendido, o que devemos fazer, em virtude da exist√™ncia tantas vezes negada da nossa consci√™ncia, √© deixarmo-nos arrastar numa certa direc√ß√£o e mantermo-nos depois nessa direc√ß√£o enquanto conservamos os olhos abertos e estamos conscientes de que o fim em geral √© uma ilus√£o, pelo que o fundamental √© a direc√ß√£o que mantivermos, pois s√≥ ela se encontra sob o nosso controlo, sob o controlo do nosso miser√°vel eu. E a lucidez, sim, a lucidez, os olhos abertos fitando sem medo a nossa terr√≠vel situa√ß√£o devem ser a estrela do eu, a nossa √ļnica b√ļssola, uma b√ļssola que cria a direc√ß√£o, porque sem b√ļssola n√£o h√° direc√ß√£o. Mas se me disponho agora a acreditar na direc√ß√£o, passo a duvidar dos testemunhos relativos √† maldade humana, uma vez que no interior de uma mesma direc√ß√£o – em si mesma excelente – podem existir correntes boas e m√°s.

Continue lendo…

√Č de mim agora que eu preciso falar, mesmo se eu tiver que faz√™-lo com sua l√≠ngua, ser√° um come√ßo, um passo em dire√ß√£o ao sil√™ncio e ao fim da loucura.

O rótulo de outras pessoas pode tentar chamar de falha, eu aprendi que é apenas a maneira de Deus apontando-lhe uma nova direção.

Um Segredo de um Casamento Feliz

Desde que a Maria João e eu fizemos dez anos de casados que estou para escrever sobre o casamento. Depois caí na asneira de ler uns livros profissionais sobre o casamento e percebi que eu não percebo nada sobre o casamento.

Confesso que a minha ambição era a mais louca de todas: revelar os segredos de um casamento feliz. Tendo descoberto que são desaconselháveis os conselhos que ia dar, sou forçado a avisar que, quase de certeza, só funcionam no nosso casamento.

Mas vou dá-los à mesma, porque nunca se sabe e porque todos nós somos muito mais parecidos do que gostamos de pensar.

O casamento feliz n√£o √© nem um contrato nem uma rela√ß√£o. Rela√ß√Ķes temos n√≥s com toda a gente. √Č uma cria√ß√£o. √Č criado por duas pessoas que se amam.

O nosso casamento √© um filho. √Č um filho inteiramente dependente de n√≥s. Se n√≥s nos separarmos, ele morre. Mas n√£o deixa de ser uma terceira entidade.

Quando esse filho é amado por ambos os casados Рque cuidam dele como se cuida de um filho que vai crescendo -, o casamento é feliz. Não basta que os casados se amem um ao outro.

Continue lendo…

√Č In√ļtil Querer Parar o Homem

√Č in√ļtil querer parar o Homem,
o que transforma a pedra em piso,
o piso em casa e a casa em fonte
de novas m√ļsicas da carne
sob as velocidades da luz e da sombra.
√Č in√ļtil querer parar o Homem
acolher sempre um pouco de si próprio
no mistério da vida a cavalgar
os cavalos a√©reos da sem√Ęntica
sob uma indeferida eternidade.
√Č in√ļtil querer parar o Homem
e o impulso que o transforma sempre
na p√°tria sem fim do ato livre
que arranca a vida e o tempo e as coisas
do espelho imóvel dos conceitos.
Ah, que mistério maior é este
que liga a liberdade e o homem
e une o homem a outros homens
como o curso de um rio ao mar!
(quando a noite é una e indivisível,
nos olhos da mulher que eu amo
acende-se o deus deste segredo
-e uma sombra só nos transporta
ao fundo sem nome da vida.)

√Č in√ļtil querer parar o Homem.
Do que morre fica o gesto alto
a ser o germe de outro gesto
que ainda nem vemos no tempo.

Continue lendo…

Do Outro Lado

Tamb√©m eu j√° me sentei algumas vezes √†s portas do crep√ļsculo, mas quero dizer-te que o meu com√©rcio n√£o √© o da alma, h√° igrejas de sobra e ningu√©m te impede de entrar. Morre se quiseres por um deus ou pela p√°tria, isso √© contigo; pode at√© acontecer que morras por qualquer coisa que te perten√ßa, pois sempre p√°trias e deuses foram propriedade apenas de alguns, mas n√£o me pe√ßas a mim, que s√≥ conhe√ßo os caminhos da sede, que te mostre a direc√ß√£o das nascentes.

Iniciação ao Diálogo

I

De início bastará que olhes mais vezes
na mesma direcção hoje evitada
(estandartes nos olhos s√£o mais leves
do que no coração duros tambores),
ainda que o teu olhar próprio não rompa
as lajes de ódio com que te muraste.

II

O vento e chuva e tempo, sobre a pedra
passando sempre, h√£o-de gast√°-la: um dia,
antes que a obture o musgo ou algum p√°ssaro
aí faça o ninho fofo, encontrarás,
entre o lado que afirmas teu e o outro,
uma r√©stia de azul ‚ÄĒ o azul de todos.

III

Talvez rumor de passos, para além
do muro atravessado aos teus des√≠gnios…
N√£o por√°s terra onde se p√īs o c√©u:
ver o que diz o ouvido agora queres,
e onde a rocha fendeu-se cabe um olho
humano e mais a boca do fuzil.

IV

Provando fr√°gil o que acreditavas
inexpugn√°vel, eis que em ti se fixam
atentos outro olho e outro fuzil!

V

Contemplador e contemplado, hesitas
aprendendo na espera o inesperado:
lares como os que tens,

Continue lendo…

Quando se viaja em dire√ß√£o a um objetivo, √© muito importante prestar aten√ß√£o no caminho. O caminho √© que sempre nos ensina a melhor maneira de chegar, e nos enriquece…

A arte é um passo do que é óbvio e familiar na direção do que é misterioso e oculto.

A grandeza não é onde permanecemos, mas em qual direção estamos nos movendo. Devemos navegar algumas vezes com o vento e outras vezes contra ele, mas devemos navegar, e não ficar à deriva, e nem ancorados.

A Mulher de Negro

Os sons da floresta, as √°rvores, a bicicleta e, ao longe, o sil√™ncio im√≥vel de um vulto negro. Aproximei-me e era uma mulher vestida de negro. Um xaile negro sobre os ombros. Um len√ßo negro sobre a cabe√ßa. O som dos pneus da bicicleta a pararem, o som de amassarem folhas h√ļmidas e de fazerem estalar ramos. Os meus p√©s a pousarem no ch√£o. Os olhos da mulher entre o negro. Os olhos pequenos da mulher. O seu rosto branco. Vimo-nos como se nos encontr√°ssemos, como se nos tiv√©ssemos perdido havia muito tempo e nos encontr√°ssemos. O tempo deixou de existir. O sil√™ncio deixou de existir. Pousei a bicicleta no ch√£o para caminhar na direc√ß√£o da mulher. Era atra√≠do por segredos. Durante os meus passos, a mulher estendeu-me a m√£o. A sua m√£o era muito velha. A palma da sua m√£o tinha linhas que eram o mapa de uma vida inteira, uma vida com todos os seus enganos, com todos os seus erros, com todas as suas tentativas. Os seus olhos de pedra. Senti os ossos da sua m√£o a envolverem os meus dedos. N√£o me puxou, mas eu aproximei o meu corpo do seu. Senti a sua respira√ß√£o no meu pesco√ßo.

Continue lendo…