Passagens de Gustavo Santos

219 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Gustavo Santos para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

Perder ou desconsiderar o contacto com a nossa criança interior é negligenciar a nossa intuição, a nossa verdadeira sabedoria e abrir mão de tudo o que é melhor para nós.

Uma pessoa confiante depende exclusivamente de si, pois tem a ignição da mente e a força motriz do coração a puxar para o mesmo lado. Nenhuma subida é impossível, nenhum obstáculo é intransponível, nenhum sonho é inalcançável.

É esta a minha relação com as palavras. Ao mesmo tempo que as liberto para o mundo, libertam-me do mundo onde não quero estar e levam-me ao céu onde o mundo nada é quando comparado à sensação de eternidade que sinto quando as escrevo.

Mudar é voltar a sentir, assumir responsabilidades, curar o que há para ser tratado e, finalmente, agir.

Quando amas, aprendes a deixar ir e depois apercebes-te que o verdadeiro amor também passa por isso mesmo.

A Culpa é uma Doença

A culpa é uma doença que te arrasta e se alastra aos outros. De um momento para o outro, tu próprio, por habituação, culpasse por tudo e por nada, por situações em que podias ter feito melhor e por outras em que nada havia a fazer. Muitos de nós residem no condomínio da culpa. É essa a sua zona de conforto, pois foi a ela que se acostumaram e não conhecem nada para lá dos limites dessa emoção. Depois é a altura de eles ensinarem aos outros que somos todos culpados à vez, passam o testemunho do pecado aos conhecidos, familiares, amigos e filhos e, pronto, cá andamos todos num ciclo penoso de geração em geração.
Há solução? Claro! Há sempre solução para tudo.
É preponderante viver com a convicção de que apenas somos culpados de alguma coisa se agirmos com intenção de magoar, caso contrário somos apenas responsáveis. Não, não é a mesma coisa. A culpa sufoca-nos, a responsabilidade empurra-nos para a ação e promove a mudança.
De que forma, então, posso eu parar este ciclo vicioso?
РṆo permitindo que te considerem culpado seja do que for e se insistirem em faz̻-lo expulsa essas pessoas da tua vida.

Continue lendo…

É preponderante viver com a convicção de que apenas somos culpados de alguma coisa se agirmos com intenção de magoar, caso contrário somos apenas responsáveis. Não, não é a mesma coisa. A culpa sufoca-nos, a responsabilidade empurra-nos para a ação e promove a mudança.

Não interessa as tormentas que passaram nem as tempestades que estão para vir. Só o momento onde estás é relevantes. Mas só é possível usufruir de tamanho privilégio quando temos tudo resolvido e o medo não é suficientemente letal para nos congelar. Só é possível viver assim quando desligamos a cabeça do passado e do futuro.

Dar já é receber, as pessoas é que só acreditam naquilo que veem e não dão um passo se não visualizarem o que podem receber em troca.

Uma pessoa que não se ama dá um trabalho do caraças. Não se entrega, sente pela metade, duvida, cobra, culpa, desconfia e ainda se vitima. Repito, alguém no seu perfeito juízo escolhe esse padrão de pessoa para se relacionar?

O medo de magoar os outros é facilmente ultrapassável se garantirmos que a nossa comunicação se baseia, única e exclusivamente, na verdade.

É triste, mas é maioritariamente isso que as pessoas fazem. Fazem pelos outros em vez de tentarem descobrir tudo o que podem ganhar dentro delas e depois cobram-lhes atenção, palavras, respostas e conversas.

Todos podemos inspirar o próximo, basta para isso que materializemos em ações a nossa verdade.

Não há caminho que resista sem momentos de celebração. São eles o tónico para mantermos um ritmo consistente de passada e o foco onde queremos chegar. (…) Celebrar é caminhar.

Aquilo em que acreditamos só tem o poder de inspirar se o verbalizarmos ou colocarmos em ação.

Todas as armadilhas do presente são escolhidas por ti, és tu que lhes dás esse significado e lhes prestas tamanha vassalagem, portanto, és tu o único e verdadeiro responsável por cair nelas, por te afundares numa profunda miséria emocional e por deixares de sentir o que verdadeiramente pode e deve ser sentido.