Passagens de Gustavo Santos

219 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Gustavo Santos para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

A dor do presente é uma confluência de desilusões e ansiedades, de bloqueios e de medos, de tudo o que aconteceu ou ficou por acontecer e de tudo o que poderá acontecer ou nunca existir.

Uma pessoa equilibrada não sente necessidade de julgar seja quem for, pois não depende desse requinte de malvadez que é a sobreposição perante o outro.

Depender de Alguém

Depender de alguém, das ideias dos outros ou das filosofias das massas é negar a nossa própria existência, é abdicar totalmente do poder que nos foi concedido à nascença e a mais profunda ingratidão para com a oportunidade que nos foi dada de aqui estar. Como já o disse, cada um de nós é um ser especial e precioso, com responsabilidades pessoais e sociais diferentes de todos os outros. Cada um de nós pode fazer a diferença.
Quantas vezes já deixaste de arriscar porque não to permitiram? Quantas vezes já sonhaste com algo diferente daquilo que te foi imposto ou ensinado e por isso desististe? Quantas vezes foste feliz por depender de algo ou alguém?
Muitas pessoas optam, conscientemente, pela dependência por acharem que a vida se torna mais fácil nesse estado de submissão. Na verdade não lhes é exigido que lutem por nada, por ninguém e, muito menos, por elas. Agora, pergunto eu, que interesse é que isto tem? Esta gente, apesar de respirar e dar ares da sua graça, já morreu e só anda aqui a fazer figura de corpo presente, pois as suas vidas já não são desafiantes. Ser dependente é ter medo de assumir o risco das suas paixões,

Continue lendo…

Quanto mais dependeres do destino e mais te relacionares com gente dependente do destino, mais longe te encontras de sentir, da entrega e da vida na verdadeira aceção da palavra. Quanto mais do pior, menos do melhor. O teu destino é aquilo que tu pensas, aquilo que tu desejas para ti e te permites sentir, mas também pode ser aquilo que nunca ou jamais acreditarás vir a conquistar ou a sentir.

Viver apegado ao passado é como respirar por um ventilador, não és tu que o fazes, é algo ou alguém que o faz por ti.

O mau trato e a indiferença dos outros são pontes para o nosso amor-próprio. É com eles que nos é ensinado que dependemos, unicamente, de nós para sermos amados.

Quando damos valor ao que aparentemente não tem valor nenhum, acabamos sempre por encontrar algo de valioso.

Rentabilizar o Tempo

Sempre que damos algo como adquirido deixamos de sentir a plenitude, abdicamos da essência e acabamos por nos esquecer do «Agora», o único momento de ação que temos e que é verdadeiramente real. O que pretendo afirmar com estas linhas é tão simples como isto: o facto de sabermos do fim aproxima-nos de tudo o que realmente vale a pena e nada é mais imponente que a natureza, as pessoas e os afetos. Nada é mais importante que a forma como escolhemos rentabilizar o tempo finito que temos. Damos mais valor à vida quando temos a certeza absoluta que vamos morrer e quanto mais cedo adquirirmos essa consciência, mais sentimos, mais nos damos, mais sabemos receber, mais arriscamos, mais desfrutamos, mais celebramos, mais inspiramos e, por conseguinte, mais felizes somos também.

A solidão não é e nunca será a ausência dos outros, mas sim a falta que te fazes a ti próprio.

Queres Amar, Ama-te

As pessoas devem relacionar-se porque se amam e não porque se vão amar, devem trabalhar porque gostam daquilo que fazem e não porque um dia podem começar a gostar. Então, perguntas tu, o melhor é sermos todos descomprometidos com tudo? Ao que eu te respondo: claro. O descompromisso é a liberdade eterna, é a possibilidade que tu te dás de alterar o curso da tua vida a qualquer momento, sem recurso a qualquer emoção negativa. O único compromisso que deves ter é contigo. O resto passa-te ao lado, não controlas, não tens como gerir, sequer. Aliás, qualquer relacionamento, seja com uma pessoa ou com uma profissão, é mais verdadeiro quando não existe esse compromisso, é mais intenso, mais real, mais «Agora», mais tudo. A possibilidade de a pessoa se dar a liberdade de apenas viver o que sente é todo o caminho andado para a felicidade. Quem é mais feliz, a pessoa que não ama e ainda se encontra num casamento ou aquela que deixou de amar e saiu do casamento? Quem é mais feliz, a pessoa que arriscou fazer o que a apaixona ou aquela que todos os dias passa oito horas enfiada seja onde for e a fazer o que não gosta?

Continue lendo…

A arte de um guerreiro nasce na sua capacidade de persistir, na inigualável perseverança e na valentia perante quaisquer que sejam as adversidades e os adversários.

Quando escreves a tua verdade, ficas mais perto de a viver e é por isso que é tão importante comprometeres-te.

O medo de dizer o que sentimos é uma granada sem cavilha, ou seja, pode explodir a qualquer momento e os únicos lesados somos nós.

Abrir as Portas da Felicidade

A Força é a chave que abre as portas da felicidade, pois sem ela nenhuma das outras nove portas é aberta. Se desejamos ser felizes, temos de apelar à nossa força interior e mental para mudar o que está mal em nós. A Força distingue-nos da norma, pois obriga-nos a lutar pela diferença de tentarmos ser felizes, dá-nos a capacidade de optar consecutivamente por um «sim» ou um «não».

A Força abre-nos fronteiras, cria passagens por mundos desconhecidos e torna-nos corajosos. A Força destrói os medos e combate a indiferença e a frustração. A Força é um desvio de direção quando nos aproximamos do abismo, é um acordar repentino quando apenas temos um precipício pela frente. A Força é compreender um aviso, um sinal. É derrotar definitivamente os dias tristes.
Sou feliz porque tenho Força para mudar o que não está bem.

Só somos verdadeiramente rejeitados quando rejeitamos a nossa própria verdade. Vamos agir? É “Agora” ou nunca.

Ser espiritual é saber reconhecer a nossa essência, tratá-la bem e obedecer-lhe acima de tudo e de todas as coisas; é viver o momento, é a sede de aprender e a humildade quando se ensina, é sonhar, inspirar e respeitar o que somos.