Passagens de Gustavo Santos

219 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Gustavo Santos para ler e compartilhar. Os melhores escritores estão em Poetris.

A assertividade serve para despertar, nunca para desrespeitar e nós estamos cá para inspirar, nunca para pisar.

O corpo é a estalagem de quem verdadeiramente somos, um aluguer temporário e valioso que nos permite atingir objetivos enquanto seres superiores, mestres e deuses. Permite à nossa alma chegar à meta, e por isso devemos cuidá-lo como algo sagrado.

Acredita em ti, hoje e sempre, e nunca te esqueças que sempre que te desvias um centímetro daquilo que desejas vais sempre parar a quilómetros de distância daquilo que és.

A Confiança ao Virar da Esquina

Podemos ler todos os livros que falam sobre a importância da confiança nas nossas vidas, mas nunca o seremos verdadeiramente sem experimentar na pele a sensação de uma experiência, ou seja, nada podemos ser sem praticar seja o que for. A experiência é a prática, é o trabalho de campo, é a exposição, a vulnerabilidade e a consumação do verdadeiro conhecimento. Só depois de experimentares é que podes ousar saber alguma coisa. Percebes, portanto, a importância de ir para a rua? De levantares esse rabo gordo e achatado do sofá? Em casa pouco ou nada consegues experimentar, pois encontras-te no domínio da rotina. Tudo o que, eventualmente, haveria para ser posto em prática já o foi, portanto, nada mais há a ganhar nessas quatro paredes a não ser peso, melancolia e pó. Sugiro, portanto, que nesta fase vás a casa dormir e que vás para a rua viver. E é isto, só isto, apenas isto.

O nosso índice de confiança dispara em cada experiência que escolhemos viver e como já todos experimentámos já todos sabemos disto.

A única companhia que terás desde o teu primeiro segundo até ao teu último esgar de vida és tu, como tal, de nada nem ninguém podes depender a não ser de ti. Tudo passa, tu ficas.

Nós somos o que sentimos e não o que temos e a maior prova disso é que as melhores sensações que podemos viver são todas à borla.

Muitas vezes a antecipação da dor é muito mais dolorosa que a vivência da mesma no momento em que ela está a acontecer.

É bom recordar que somos os únicos responsáveis pela nossa mente, que ninguém nos tapa a boca e que tudo o que não dizemos é apenas condicionado por nós, exclusivamente por nós, pelo medo que criámos, pela subvalorização que nos damos e pela sobrevalorização que damos aos outros.

Não podemos atribuir à sorte ou ao azar a vida em que vivemos, temos de nos responsabilizar, de olhar bem para dento e perceber a forma como pensamos e posteriormente agimos.

A intuição gera vida, faz-nos acreditar para lá do impensável e a mente castra-nos a esperança porque nunca nos liberta do pensamento.

O Amor a Dois

O amor a dois só funciona se as individualidades se amarem a elas próprias em primeiro lugar.

E quem pensar o contrário ou é infeliz ou tem os dias contados para ser solteiro outra vez.

Existem três tipos de relacionamento a dois:

1 – Cada um dos dois vive primeiro para o outro e só depois para si mesmo, ou seja, o que interessa são as vontades do parceiro e nunca as suas, o que torna as coisas esquisitas, pois nenhum vive a sua verdade nem se respeita em momento algum, porque vivem ambos com medo de se perder. Deve ser enfadonho e, muitas vezes, confuso. É do género, eu quero uma coisa que não vou ter para dar ao outro, no entanto vou receber algo parecido com aquilo que queria mas não é bem a mesma coisa, o que é normal, pois mais ninguém além de nós sabe o que nos sabe melhor e quando nos sabe bem.

2 – As duas pessoas vivem em função da mesma. Pior ainda. É que se no exemplo acima ainda existe alguma energia, embora desfasada, a ser trocada de um para o outro, aqui nem isso.

Continue lendo…

É sempre assim: se forças uma descoberta interna, a mente obstrui-te logo a seguir. Tudo o que é sentido tem um momento certo, se ainda não chegou é porque ainda não é suposto chegar e de nada adianta forçar, pois ficarás cada vez mais e mais confuso.

Sempre que assumimos a nossa verdade perante seja quem for e em que circunstâncias for estamos mais perto, muito mais perto, de ganhar o merecido respeito que todos os seres humanos deviam sentir uns pelos outros.

Não há mal-entendidos, não há dúvidas, não há expectativas, não há invenções nem criação de enredos quando uma pessoa se respeita, é verdadeira consigo mesma e assertiva para com o mundo.

A verdadeira confiança é transmitida pelo que a pessoa é no seu íntimo e nunca pelo que ela tem ou faz.

Alguém acha que conquistei a minha felicidade através de um jogo qualquer ou que a ganhei numa rifa? A minha felicidade foi conquistada a pulso, com muitas lágrimas, com muitas cabeçadas na parede, muitas quedas e muitos enganos, muitas más escolhas e sofrimento à mistura. Não se escala uma montanha sem tombar algumas vezes.

Não Leves a Tua Vida Tão a Sério

Em relação à vida em si, passa-se o mesmo! Também não se pode levar esta experiência demasiado a sério. Se o fizeres, corres o risco de passar o tempo inteiro da tua existência a viver uma lista de problemas sem fim. Ainda assim, e como no tópico anterior, não te estou a pedir para deixares de viver as coisas com paixão e intensidade. Antes pelo contrário. Vive-as!! O que quero que entendas é que se as coisas, porventura, não correrem como esperavas ou te achavas merecedor, não lhes atribuas um significado tão sério.
Lembra-te: foi apenas mais uma experiência. Próxima!
Cada um de nós é o comandante da sua vida, logo, podemos escolher valorizar as coisas boas e desvalorizar as menos boas.

Há muita gente que diz, por ter lido em livros e, outras, por terem sentido na pele, que desvalorizar as coisas más é negar uma lição e que só aprendemos pela dor. A minha questão é: o que é que aprendemos? Aprendemos o que não devemos voltar a fazer, é isso? Se assim for, e sob esse único e limitado ponto de vista, estou de acordo. Acontece que o âmago da vida é outro e está centrado no que deves fazer!

Continue lendo…