Textos sobre Controle

30 resultados
Textos de controle escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

O Amor é Mais Forte

Os amantes de hoje preferem a droga mais leve, o tabaco mais light ou o caf√© descafeinado. J√° ningu√©m quer ficar pedrado de amor ou sofrer de uma overdose de paix√£o. As emo√ß√Ķes fortes s√£o fracas e as pr√≥prias fraquezas revelam-se mais fortes. Os amantes, esses, s√£o igualmente namorados da monotonia e amigos √≠ntimos da disciplina. O que est√° fora de controlo causa-lhes confus√£o, e afecta-lhes uma certa zona do c√©rebro, mas quase nunca lhes toca o cora√ß√£o. O amor devia ser sonhado e devia faz√™-los voar; em vez disso √© planeado, e quanto muito, f√°-los pensar.
Sobre o amor n√£o se tem controlo. √Č um sentimento que nos domina, que nos sufoca e que nos mata. Depois d√°-nos um pouco vida. No amor queremos viver, mas pouco nos importa morrer e estamos sempre dispostos a ir mais al√©m. Deixamo-nos cair em tenta√ß√£o, e n√£o nos livramos do mal, embora procuremos o bem. No amor tamb√©m se tem f√©, mas n√£o se conhecem ora√ß√Ķes: amamos porque cremos, porque desejamos e porque sabemos que o amor existe. Amamos sem saber se somos amados, e por isso podemos acabar desolados, isolados e deprimidos. Que se lixe! O amor n√£o √© justo,

Continue lendo…

O Vento que Decidirmos Ser

Uma das mais importantes escolhas que cada um de nós deve fazer é a de escolhermos qual o foco prin-cipal da nossa atenção e cuidado. Se o mundo à nossa volta, a fim de o mudar, ou se o interior de nós mesmos.

Quase todos os bens e males da nossa existência partem do nosso interior, pelo que será aí que importa aperfeiçoar, de forma profunda, tudo o que existe no nosso íntimo.

Um dos trabalhos mais importantes de cada um de nós será o de saber bem o que queremos. O segredo da felicidade pode estar aí: alterar em nós o que nos possa estar a causar desnecessárias ansiedades. Quantas vezes desejamos algo que está fora da nosso controlo?
Existem três tipos de coisas: as que dependem apenas de nós; as que escapam por completo à nossa decisão; e, aquelas sobre as quais temos algum controlo, mas não total.

Se fizermos a nossa alegria depender de algo que não está na nossa mão, então será fácil que nos sinta-mos roubados de algo que, na verdade, nunca foi nosso. Mesmo nos casos em que o conseguimos obter, a ansiedade associada à posse, até pela iminência de o perder da mesma forma que o ganhámos,

Continue lendo…

A Dificuldade de Estabelecer e Firmar Rela√ß√Ķes

A dificuldade de estabelecer e firmar rela√ß√Ķes. H√° uma t√©cnica para isso, conhe√ßo-a. Nunca pude meter-me nela. Ser ¬ęsimp√°tico¬Ľ. √Č realmente f√°cil: prestabilidade, autodom√≠nio. Mas. Ser soci√°vel exige um esfor√ßo enorme ‚ÄĒ f√≠sico. Quem se habituou, j√° se n√£o cansa. Tudo se passa √† superf√≠cie do esfor√ßo. Ter ¬ępersonalidade¬Ľ: n√£o descer um mil√≠metro no trato, mesmo quando por delicadeza se finge. Assumirmos a import√Ęncia de n√≥s sem o mostrar. Darmo-nos valor sem o exibir. Irresistivelmente, agacho-me. E logo: a pata dos outros em cima. Bem feito. Pois se me pus a jeito. E ent√£o reponto. O fim. Ser prest√°vel, colaborar nas tarefas que os outros nos inventam. Col√≥quios, confer√™ncias, organiza√ß√Ķes de. Ah, ser-se um ¬ęin√ļtil¬Ľ (um ¬ęparasita¬Ľ…). Raz√Ķes profundas ‚ÄĒ um complexo duplo que vem da juventude: incompreens√£o do irm√£o corpo e da bolsa paterna. O segundo remediou-se. Tenho desprezo pelo dinheiro. Ligo t√£o pouco ao dinheiro que nem o gasto… Mas ¬ęgastar¬Ľ faz parte da ¬ępersonalidade¬Ľ. Sa√ļde ‚ÄĒ mais dif√≠cil. Este ar apeur√© que vem logo ao de cima. A √ļnica defesa, obviamente, √© o resguardo, o isolamento, a medida.
√Č f√°cil ser ¬ęsimp√°tico¬Ľ, dif√≠cil √© perseverar, assumir o artif√≠cio da facilidade. Conservar os amigos. ¬ęN√£o √©s capaz de dar nada¬Ľ,

Continue lendo…

A Preguiça como Obstáculo à Liberdade

A pregui√ßa e a cobardia s√£o as causas por que os homens em t√£o grande parte, ap√≥s a natureza os ter h√° muito libertado do controlo alheio, continuem, no entanto, de boa vontade menores durante toda a vida; e tamb√©m por que a outros se torna t√£o f√°cil assumirem-se como seus tutores. √Č t√£o c√≥modo ser menor.
Se eu tiver um livro que tem entendimento por mim, um director espiritual que tem em minha vez consciência moral, um médico que por mim decide da dieta, etc., então não preciso de eu próprio me esforçar. Não me é forçoso pensar, quando posso simplesmente pagar; outros empreenderão por mim essa tarefa aborrecida. Porque a imensa maioria dos homens (inclusive todo o belo sexo) considera a passagem à maioridade difícil e também muito perigosa é que os tutores de boa vontade tomaram a seu cargo a superintendência deles. Depois de, primeiro, terem embrutecido os seus animais domésticos e evitado cuidadosamente que estas criaturas pacíficas ousassem dar um passo para fora da carroça em que as encerraram, mostram-lhes em seguida o perigo que as ameaça, se tentarem andar sozinhas. Ora, este perigo não é assim tão grande, pois aprenderiam por fim muito bem a andar.

Continue lendo…

Moral Convencional e Moral Verdadeira

A respeitabilidade, a regularidade, a rotina Рtoda a disciplina de ferro forjada na moderna sociedade industrial Рatrofiaram o impulso artístico e aprisionaram o amor de forma tal que não mais pode ser generoso, livre e criador, tendo de ser ou furtivo ou pedante. Aplicou-se controle às coisas que mais deveriam ser livres, enquanto a inveja, a crueldade e o ódio se espraiam à vontade com as bençãos de quase toda a bisparia. O nosso equipamento instintivo consiste em duas partes Рuma que tende a beneficiar a nossa própria vida e a dos nossos descendentes, e outra que tende a atrapalhar a vida dos supostos rivais. Na primeira incluem-se a alegria de viver, o amor e a arte, que psicologicamente é uma consequência do amor. A segunda inclui competição, patriotismo e guerra. A moral convencional tudo faz para suprimir a primeira e incentivar a segunda. A moral verdadeira faria exactamente o contrário.
As nossas rela√ß√Ķes com os que amamos podem ser perfeitamente confiadas ao instinto; s√£o as nossas rela√ß√Ķes com aqueles que detestamos que deveriam ser postas sob o controle da raz√£o. No mundo moderno, aqueles que de facto detestamos s√£o grupos distantes, especialmente na√ß√Ķes estrangeiras. Concebemo-las no abstracto e engodamo-nos para crer que os nossos actos (na verdade manifesta√ß√Ķes de √≥dio) s√£o cometidos por amor √† justi√ßa ou outro motivo elevado.

Continue lendo…

Sempre que Tiveres D√ļvidas

Sempre que tiveres d√ļvidas, ou quando o teu eu te pesar em excesso, experimenta o seguinte recurso: lembra-te do rosto do homem mais pobre e mais desamparado que alguma vez tenhas visto e pergunta-te se o passo que pretendes dar lhe vai ser de alguma utilidade. Poder√° ganhar alguma coisa com isso? Far√° com que recupere o controlo da sua vida e do seu destino? Por outras palavras, conduzir√° √† autonomia espiritual e f√≠sica dos milh√Ķes de pessoas que morrem de fome? Ver√°s, ent√£o, como as tuas d√ļvidas e o teu eu se desvanecem.

Fazer os Sonhos Levantarem Voo

Alguns sonhos são belos, outros poéticos; uns realizáveis, outros difíceis de serem concretizados; uns envolvem uma pessoa, outros, a sociedade; uns possuem rotas claras, outros, curvas imprevisíveis; uns são rapidamente produzidos, outros precisam de anos de maturação.

H√° muitos tipos de sonhos. Sonho de se apaixonar por algu√©m, de gerar filhos ou conquistar amigos. Sonho de tirar um curso, ter uma empresa, ter sucesso financeiro para si e para ajudar os outros. Sonho de ter sa√ļde f√≠sica e ps√≠quica, de ter paz interior e de viver intensamente cada momento da vida.
Sonho de ser um cientista, um m√©dico, um educador, um empres√°rio, um empreendedor, um profissional que fa√ßa a diferen√ßa. Sonho de viajar pelo mundo, de pintar quadros, escrever um livro, ser √ļtil ao pr√≥ximo. Sonho de aprender a tocar um instrumento, praticar desportos, bater recordes.

Muitos enterram os seus sonhos nos escombros dos seus problemas. Alguns soldados nunca mais foram motivados para a vida depois de verem os seus colegas morrerem em combate.
Alguns oradores nunca mais recuperaram a sua seguran√ßa depois de terem um ataque de p√Ęnico em p√ļblico. Alguns desportistas n√£o conseguiram repetir a sua performance depois de fazerem uma cirurgia correctiva ou serem apanhados no controlo antidoping.

Continue lendo…

O Elogio do Vício

Admiro os viciados. Num mundo em que est√° toda a gente √† espera de uma cat√°strofe total e aleat√≥ria ou de uma doen√ßa s√ļbita qualquer, o viciado tem o conforto de saber aquilo que quase de certeza estar√° √† sua espera ao virar da esquina. Adquiriu algum controlo sobre o seu destino final e o v√≠cio faz com que a causa da sua morte n√£o seja uma completa surpresa.
De certo modo, ser um viciado é uma coisa bastante proactivista. Um bom vício retira à morte a suposição. Existe mesmo uma coisa que é planear a tua fuga.

Novo Ano

Eu desejaria que o Novo Ano trouxesse no ventre morte, peste e guerra. Morte à senilidade idealista e à retórica embalsamada; peste para um certo código cultural que age sobre os grupos e os transforma em colectividades emocionais; guerra à recuperação da personalidade duma cultura extinta que nada tem a ver com a cultura em si mesma.

Eu desejaria que o Novo Ano trouxesse nos braços a vida, a energia e a paz. Vida o suficientemente despersonalizada no caudal urbano para que os desvios individuais não sejam convite ao eterno controlo e expressão das pessoas; energia para desmascarar o sectarismo da sociedade secularizada em que o estado afectivo é mais forte do que a acção; paz para os homens de boa e de má vontade.

(31 de

Aprender a Viver

De um modo geral aceita-se que nenhuma actividade pode ser levada a cabo com sucesso por um indivíduo que esteja preocupado, uma vez que, quando distraída, a mente nada absorve com profundidade, mas rejeita tudo quanto, por assim dizer, a assoberba. Viver é a actividade menos importante do homem preocupado, no entanto, nada há mais difícil de aprender; por todo o lado, encontram-se muitos instrutores das outras artes: na realidade, algumas destas artes são captadas tão intensamente por simples rapazes que assim as podem ensinar. Mas aprender a viver exige uma vida inteira e, o que te pode supreender ainda mais, é necessária uma vida inteira para aprender a morrer.
Tantos dos mais ilustres homens puseram de lado todos os seus embara√ßos, renunciando a riquezas, neg√≥cios e prazeres e tomaram como √ļnico alvo at√© ao fim das suas vidas, saber viver.
Contudo, muitos deles morreram a confessar que ainda nada sabiam Рmuito menos saberão os outros. Acredita em mim: é marca de um grande homem, daquele que está acima do erro humano, não permitir que o seu tempo seja esbanjado: ele tem a mais longa vida possível simplesmente porque todo o tempo que tinha disponível o devotou inteiramente a si.

Continue lendo…

A Universalidade de uma Opini√£o

A universalidade de uma opinião, tomada seriamente, não constitui nem uma prova, nem um fundamento provável, da sua exactidão. Aqueles que a afirmam devem considerar que: 1) o distanciamento no tempo rouba a força comprobatória dessa universalidade; caso contrário, precisariam de evocar todos os antigos equívocos que alguma vez foram universalmente considerados verdade: por exemplo, estabelecer o sistema ptolemaico ou o catolicismo em todos os países protestantes; 2) o distanciamento no espaço tem o mesmo efeito: caso contrário, a universalidade de opinião entre os que confessam o budismo, o cristianismo e o islamismo os constrangerá.
O que então se chama de opinião geral é, a bem da verdade, a opinião de duas ou três pessoas; e disso nos convenceríamos se pudéssemos testemunhar como se forma tal opinião universalmente válida.
Achar√≠amos ent√£o que foram duas ou tr√™s pessoas a supor ou apresentar e a afirmar num primeiro momento, e que algu√©m teve a bondade de julgar que elas teriam verificado realmente a fundo tais coloca√ß√Ķes: o preconceito de que estes seriam suficientemente capazes induziu, em princ√≠pio, alguns a aceitar a mesma opini√£o: nestes, por sua vez, acreditaram muitos outros, aos quais a pr√≥pria indol√™ncia aconselhou: melhor acreditar logo do que fazer controles trabalhosos.

Continue lendo…

Controlar a Vida a 360 Graus

Vivemos numa sociedade dominada cada vez mais pelo mito do controlo. E o seu postulado dogm√°tico √© este: a receita para uma vida realizada √© a capacidade de control√°-la a 360 graus. N√£o percebemos at√© que ponto uma mentalidade assim representa a nega√ß√£o do princ√≠pio de realidade. Isto para dizer como somos pouco ajudados a lidar com a irrup√ß√£o do inesperado que hoje o sofrimento representa. Sentimos a dor como uma tempestade estranha que se abate sobre n√≥s, tir√Ęnica e inexplic√°vel. Quando ela chega, s√≥ conseguimos sentir-nos capturados por ela, e os nossos sentidos tornam-se como persianas que, mesmo inconscientemente, baixamos. A luz j√° n√£o nos √© t√£o grata, as cores deixam de levar-nos consigo na sua ligeireza, os odores atormentam-nos, ignoramos o prazer, evitamos a melodia das coisas. Damos por n√≥s ausentes nessa combust√£o silenciosa e fechada onde parece que o interesse sensorial pela vida arde. ¬ęA dor √© t√£o grande, a dor sufoca, j√° n√£o tem ar. A dor precisa de espa√ßo¬Ľ, escreve Marguerite Duras nas p√°ginas autobiogr√°ficas do volume a que chamou ¬ęA Dor¬Ľ. E descobrimo-nos mais s√≥s do que pens√°vamos no meio desse inc√™ndio √≠ntimo que cresce. Nas etapas de sofrimento a impot√™ncia parece aprisionar enigmaticamente todas as nossas possibilidades.

Continue lendo…

Corrupção Intemporal

N√£o existe rep√ļblica, qualquer que seja a maneira como √© governada, onde haja mais de quarenta a cinquenta cidad√£os que chegam a postos de comando. Ora, como √© um n√ļmero muito pequeno, √© f√°cil mant√™-los sob controle, seja tomando a decis√£o de suprimi-los, seja dando a cada um a parcela de honras e empregos que lhes conv√©m.

A Mente Precisa de Ser Desafiada Todos os Dias

A mente, muito mais do que o corpo, precisa de ser desafiada todos os dias. Se poss√≠vel com treinos bi ou tridi√°rios. Sair da cama sem identificar a raz√£o pela qual acordamos maldispostos, passar horas a julgar este e aquele sem conhecer verdadeiramente ningu√©m ou a contestar o emprego que n√≥s pr√≥prios escolhemos e ir para a cama enjoados com o dia que tivemos, s√£o raz√Ķes mais do que suficientes para nos questionarmos. A soma de n√£o sei quantos dias assim, e acredita que se n√£o for o teu caso √© a situa√ß√£o da maioria das pessoas, resultar√° indubitavelmente em estados depressivos e de enfermidade precoce. N√£o podes continuar a aceitar a dor sem que fa√ßas nada para a curar e √© por isso, por desejar profundamente o teu reencontro contigo e com a tua verdadeira realidade, que te grito: ¬ęH√Ā SOLU√á√ÉO!!!¬Ľ E a solu√ß√£o passa por identificares o artista que h√° em ti, pois treinar a mente √© meramente uma arte. At√© se atingir o estatuto de comandante da nossa vida e a t√£o pretendida velocidade cruzeiro naquele que √© o oceano da nossa mente √© necess√°rio um alt√≠ssimo n√≠vel de concentra√ß√£o e criatividade. Precisas de estar sempre alerta e altamente focado no que a tua mente te sugere para depois,

Continue lendo…

Matéria e Espírito

N√≥s hoje estamos ao mesmo tempo na melhor √©poca da humanidade e na pior. T√£o depressa sentimos que tudo em n√≥s e em redor marcha un√≠ssono em frente, como subitamente um grande atrito emperra as nossas pr√≥prias articula√ß√Ķes. H√° ao mesmo tempo qualquer coisa que nos desacompanha e qualquer coisa que nos anima. H√° caminhos inteiros que terminam s√ļbito e n√£o h√° caminho inteiro e vital√≠cio. E n√≥s desejamos francamente acertar com a direc√ß√£o √ļnica e onde o √ļnico obst√°culo seja de verdade o mist√©rio do futuro.
Todo aquele que se lance mais animado pela palavra espírito, não creia que faz mais do que estar sujeito a uma determinante actual. A consciência material, como acontece hoje, dá entrada natural para o campo do espírito. Assim também o espírito tem existência vital segundo a qualidade de consciência da matéria. O espírito apartando da matéria não é deste mundo. Espírito e matéria confundem-se em vida.
Acontece, por√©m, que os fugitivos da mat√©ria transformam em si esse unilateralismo ao ingressar no esp√≠rito, e ficam outra vez de banda, inversamente agora, mas como antes. Ora o esp√≠rito n√£o tem mais dimens√Ķes do que a mat√©ria; s√£o outras, mas id√™nticas, que se justap√Ķem,

Continue lendo…

Analisar as Nossas Rela√ß√Ķes

Nenhuma mudança psíquica sustentável ocorre rapidamente. São necessários o autoconhecimento, a educação, o treino, a utilização de ferramentas e, em especial, a compreensão básica do mais complexo dos universos, a mente humana.
Qualquer mulher gostaria de remover a impaciência, a ansiedade, as fobias, o humor depressivo e a timidez da sua mente. Mas a vontade consciente de mudança ou superação de um conflito, por mais forte e poderosa que seja, não é eficiente. Não basta o Eu querer reorganizar a sua personalidade, é preciso utilizar estratégias adequadas. Até um psicopata gostaria de ser gentil e afetivo em toda a sua agenda psíquica, mas, no calor das crises, os monstros alojados no seu inconsciente devoram-no e magoam os outros.

O Eu deve ser equipado, em especial, para ser o Autor da sua hist√≥ria. Porque brilhamos no mundo exterior, mas somos t√£o opacos no mundo interior? Porque √© que as guerras, os homic√≠dios, as discrimina√ß√Ķes, os dist√ļrbios ps√≠quicos, os conflitos sociais fazem a pauta da nossa hist√≥ria? Por que raz√£o sonham os pais em proporcionar a melhor educa√ß√£o aos seus filhos, mas nem sempre t√™m √™xito? Porque √© que casais apaixonados que fazem juras de amor podem acabar inimigos?

Continue lendo…

Melhor Servir que Mandar Despoticamente

Se a servid√£o sempre corrompe, corrompe menos o escravo do que o senhor, excepto quando √© levada at√© ao embrutecimento. No plano moral, √© melhor para um ser humano sofrer coer√ß√Ķes, mesmo se emanam de um poder arbitr√°rio, do que exercer sem controle um poder dessa natureza.

A Originalidade

Eu n√£o acredito na originalidade. √Č mais um feiti√ßo na nossa √©poca de vertiginoso desmoronamento. Creio na personalidade atrav√©s de qualquer linguagem, de qualquer forma, de qualquer sentido da cria√ß√£o art√≠stica. Mas a originalidade delirante √© uma inven√ß√£o moderna e um vig√°rio eleitoral. N√£o falta quem queira fazer-se eleger Primeiro Poeta do seu pa√≠s, da sua l√≠ngua ou do mundo. Correm, ent√£o, em busca de eleitores, insultam quem aparente possibilidades de lhes disputar o ceptro e, desse modo, a poesia transforma-se numa mascarada. No entanto, √© essencial conservar a direc√ß√£o √≠ntima, manter o controlo do crescimento que a natureza, a cultura e a vida social asseguram ao desenvolvimento das excel√™ncias do poeta.

Use o Seu Cérebro

N√£o existe manual de instru√ß√Ķes para o c√©rebro, mas ele precisa de alimento, repara√ß√£o e da devida manuten√ß√£o ainda assim. Certos nutrientes s√£o f√≠sicos; a atual mania dos alimentos para o c√©rebro faz as pessoas correrem para vitaminas e enzimas. Mas o devido alimento para o c√©rebro √© tanto mental como f√≠sico. O √°lcool e o tabaco s√£o t√≥xicos, e sujeitar o c√©rebro √† sua exposi√ß√£o √© fazer mau uso dele. A raiva e o medo, o stress e a depress√£o s√£o igualmente uma forma de m√° utiliza√ß√£o. No momento em que escrevemos este livro, um novo estudo revela que uma rotina de stress di√°rio fecha o c√≥rtex pr√©-frontal, a parte do c√©rebro respons√°vel pela tomada de decis√Ķes, corre√ß√£o de erros e avalia√ß√£o de situa√ß√Ķes. √Č por isso que as pessoas d√£o em doidas em engarrafamentos. √Č um stress rotineiro, e contudo a f√ļria, frustra√ß√£o e impot√™ncia que alguns condutores sentem indicam que o c√≥rtex pr√©-frontal deixou de dominar os impulsos prim√°rios por cujo controlo √© respons√°vel.

Damos constantemente connosco a voltar √† mesma quest√£o: use o seu c√©rebro, n√£o deixe que o seu c√©rebro o use a si. As f√ļrias com o tr√Ęnsito s√£o um exemplo do seu c√©rebro a us√°-lo,

Continue lendo…

A Chama da Vida e o Fogo das Paix√Ķes

Nem sempre estar apaixonado √© bom. A maior parte das paix√Ķes tomam conta da vontade e assumem o controlo do sentir e do pensar. Prometem a maior das liberta√ß√Ķes, mas escravizam quem desiste de si mesmo e a elas se submete.

A paix√£o √© sofrimento, um furor que √© o oposto da paz e do contentamento. Um vazio fulminante capaz das maiores acrobacias para se satisfazer. Mas que, como nunca se sacia, acaba por se consumir, por se destruir a si mesmo. Para ter paz precisamos de fazer esta guerra, na conquista do mais exigente de todos os equil√≠brios: entre a monotonia de nada arriscar e a imprud√™ncia de entregar tudo sem uma vontade pr√≥pria profunda. √Č essencial que saibamos desafiarmo-nos, por vezes, a um profundo desequil√≠brio moment√Ęneo. Afinal, quem nunca ousa est√° perdido, para sempre.
H√° boas paix√Ķes. S√£o as que trabalham como um fermento. De forma pacata, pac√≠fica e paciente. Animam, mas n√£o dominam. Orientam, mas n√£o decidem. Iluminam, mas n√£o cegam.

Quase ningu√©m faz ideia da capacidade que cada um de n√≥s tem para suportar e vencer grandes sofrimentos…

Por paix√Ķes comuns, h√° quem perca a cabe√ßa, o cora√ß√£o e a alma.

Continue lendo…