Citação de

O Mal das Doutrinas Religiosas

– Bem, o que at√© agora me pareceu mais interessante foi verificar que a grande maioria de todas essas cren√ßas parte de um facto ou de uma personagem de relativa probabilidade hist√≥rica, mas todas evoluem rapidamente para movimentos sociais subordinados e enformados pelas circunst√Ęncias pol√≠ticas, econ√≥micas e sociais do grupo que as aceita. Ainda est√° acordada?
Eulalia assentiu.
– Uma boa parte da mitologia que se desenvolve √† volta de cada uma destas doutrinas, desde a liturgia at√© √†s normas e tabus, prov√©m da burocracia que √© gerada √† medida que evoluem e n√£o do suposto facto sobrenatural que lhes deu origem. A maior parte das anedotas simples e bonan√ßosas, um misto de senso comum e folclore, e toda a carga beligerante que conseguem desenvolver prov√©m da interpreta√ß√£o posterior daqueles princ√≠pios, quando n√£o tendem a desvirtuar-se, nas m√£os dos seus administradores. A quest√£o administrativa e hier√°rquica parece ser a chave da sua evolu√ß√£o. A verdade √© revelada em princ√≠pio a todos os homens, mas depressa aparecem indiv√≠duos que se atribuem o poder e o dever de interpretar, administrar e, nalguns casos, alterar essa verdade em nome do bem comum, estabelecendo para isso uma organiza√ß√£o poderosa e potencialmente repressiva. Este fen√≥meno, que a biologia nos mostra ser pr√≥prio de qualquer grupo animal social, n√£o tarda a transformar a doutrina num elemento de controlo e de luta pol√≠tica. Divis√Ķes, guerras e cis√Ķes tornam-se inevit√°veis. Mais tarde ou mais cedo, a palavra faz-se carne e a carne sangra.