Passagens sobre Movimento

331 resultados
Frases sobre movimento, poemas sobre movimento e outras passagens sobre movimento para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Solidão é Sempre Fundamento da Liberdade

A solidão é sempre fundamento
da liberdade. Mas também do espaço
por onde se desenvolve o alargar do tempo
à volta da atenção estrita do acto.
H√ļmus, e alma, √© a solid√£o. E vento,
quando da imóvel solenidade clama
o mudo susto do grito, ainda suspenso
do nome que vai ser sua pris√£o pensada.
A menos que esse nome seja estremecimento
‚ÄĒ fruto de solid√£o compenetrada
que, por dentro da sombra, nomeia o movimento
de cada corpo entrando por sua luz sagrada.

Felizes

Felizes. Porque, ao fundo de si mesmos,
cheios andam de quanto v√£o pensando.
E, disso cheios,
nada mais sabem. D√£o para aquele lado
onde o mundo acabou, mas resta o eco
de o haverem pensado até ao cabo
e irem agora criar o movimento
que subsiste no tempo
de o mundo ainda estar a ser criado.
Por isso s√£o felizes. Foram sendo
até, perdido o tempo, só em memória o estarem
[habitando.

Consciência Plena

Levas-me, consciência plena, desejante deus,
por todo o mundo.
Neste mar terceiro,
quase oiço tua voz; tua voz do vento
ocupante total do movimento;
das cores, das luzes
eternas e marinhas.

Tua voz de fogo branco
na totalidade da água, do barco, do céu,
traçando as rotas com prazer,
gravando-me com f√ļlgido minha √≥rbita segura
de corpo negro
com o diamante l√ļcido em seu dentro.

Tradução de José Bento

Coisas belas, coisas feias: o bom é que passam, passam, passam. Deixa passar. (Paisagens em movimento, in: Pequenas Epifanias)

A Contagem do Tempo Prejudica a Criatividade

Os povos primitivos n√£o conheciam a necessidade de dividir o tempo em filigranas. Para os antigos n√£o existiam minutos ou segundos. Artistas como Stevenson ou Gauguin fugiram da Europa e aportaram em ilhas onde n√£o havia rel√≥gios. Nem o carteiro nem o telefone apoquentavam Plat√£o. Virg√≠lio nunca precisou de correr para apanhar um comboio. Descartes perdeu-se em pensamentos nos canais de Amsterd√£o. Hoje, por√©m, os nossos movimentos s√£o regidos por fra√ß√Ķes exactas de tempo. At√© mesmo a vig√©sima parte de um segundo come√ßa a n√£o mais ser irrelevante em certas √°reas t√©cnicas.

O encanto principal da poesia é a lição da miragem, ou seja, mostrar o movimento frágil e vibrante da criação, em que a palavra está, de certa forma, numa quinta-essência humana, orando.

O Equilibrio das Virtudes

O que pode a virtude de um homem não deve medir-se nos momentos de esforço, mas na vida de todos os dias.
N√£o admiro o excesso de uma virtude, como a coragem, se n√£o vir ao mesmo tempo o excesso da virtude oposta, como em Epaminondas, que tinha a extrema coragem e a extrema benignidade. Pois de outro modo n√£o √© subir, √© cair. A grandeza n√£o consiste em estar num extremo, mas em tocar os dois ao mesmo tempo e em preencher todo o espa√ßo interm√©dio. Mas talvez ela seja apenas um s√ļbito movimento de alma de um extremo ao outro, talvez nunca esteja em mais que um ponto, como o ti√ß√£o de fogo? Seja; mas pelo menos isso indica a agilidade da alma, se n√£o a sua extens√£o.

As Virtudes da Cidade

Amo o ru√≠do e a constante agita√ß√£o das grandes cidades. O movimento cont√≠nuo obriga √† observa√ß√£o dos costumes. O ladr√£o, por exemplo, ao ver toda a actividade humana, pensa involuntariamente que √© um patife, e esta imagem alegre em movimento pode vir a melhorar a sua natureza decadente e arruinada. O bo√©mio sente-se talvez mais modesto e pensativo quando v√™ todas as for√ßas produtivas, e o devasso diz possivelmente a si mesmo, quando lhe salta aos olhos a docilidade das massas, que n√£o √© mais do que um sujeito miser√°vel, est√ļpido e vaidoso, que s√≥ sabe ufanar-se com soberba. As grandes cidades ensinam, educam, e n√£o com doutrinas roubadas aos livros. N√£o h√° aqui nada de acad√©mico, o que √© lisonjeiro, pois o saber acumulado rouba-nos a coragem.
E depois h√° aqui tanto que incentiva, que sustenta e ajuda. Quase n√£o conseguimos diz√™-lo. √Č t√£o dif√≠cil dar uma express√£o viva ao que √© refinado e bom. Agradecemos as nossas vidas modestas, sentimo-nos sempre um pouco gratos quando somos empurrados, quando temos pressa. Quem tem tempo para esbanjar n√£o sabe o que o tempo significa, √© por natureza um ingrato. Nas grandes cidades qualquer mo√ßo de recados conhece o valor do tempo e nenhum ardina quer perder o seu tempo.

Continue lendo…

A Hipocrisia do Amor ao Povo

Estes amam o povo, mas n√£o desejariam, por interesse do pr√≥prio amor, que sa√≠sse do passo em que se encontra; deleitam-se com a ingenuidade da arte popular, com o imperfeito pensamento, as supersti√ß√Ķes e as lendas; v√™em-se generosos e sens√≠veis quando se debru√ßam sobre a classe inferior e traduzem, na linguagem adamada, o que dela julgam perceber; √© muito interessante o animal que examinam, mas que n√£o tente o animal libertar-se da sua condi√ß√£o; estragaria todo o quadro, toda a equilibrada posi√ß√£o; em nome da est√©tica e de tudo o resto conv√©m que se mantenha.
H√° tamb√©m os que adoram o povo e combatem por ele mas pouco mais o julgam do que um meio; a meta a atingir √© o dom√≠nio do mesmo povo por que parecem sacrificar-se; bate-lhes no peito um cora√ß√£o de altos senhores; se vieram parar a este lado da batalha foi porque os acidentes os repeliram das trincheiras opostas ou aqui viram maneira mais segura de satisfazer o v√£o desejo de mandar; nestes n√£o encontraremos a frase preciosa, a afectada sensibilidade, o retoque liter√°rio; preferem o estilo de barricada; mas, como nos outros, √© o som do oco tambor ret√≥rico o √ļltimo que se ouve.

Continue lendo…

O Sentido da Vida Está em Cada um de Nós

‘Vejamos, que vem a ser isto que me perturba?’, perguntou Levine a si pr√≥prio, sentindo, no fundo da sua alma, a solu√ß√£o para as suas d√ļvidas, embora ainda n√£o soubesse qual fosse. ‘Sim, a √ļnica manifesta√ß√£o evidente e indiscut√≠vel da divindade est√° nas leis do bem, expostas ao mundo pela revela√ß√£o que sinto dentro de mim e me identifica, quer queira quer n√£o, com todos aqueles que como eu as reconhecem. √Č esta congrega√ß√£o de criaturas humanas comungando na mesma cren√ßa que se chama Igreja. Mas o judeus, os mu√ßulmanos, os budistas, os confuccionistas?’, disse para si mesmo, repisando o ponto delicado. ‘Estar√£o eles entre milh√Ķes de homens privados do maior de todos os benef√≠cios, do √ļnico que d√° sentido √† vida?… Ora vejamos’, continuou, ap√≥s alguns instantes de reflex√£o, ‘qual √© o problema que eu a mim mesmo estou a p√īr? O das rela√ß√Ķes das diversas cren√ßas da humanidade com a Divindade? √Č a revela√ß√£o de Deus no Universo, com os seus astros e as suas nebulosas, que eu pretendo sondar. E √© no momento em que me √© revelado um saber certo inacess√≠vel √† raz√£o que eu me obstino em recorrer √† l√≥gica!

‘Eu bem sei que as estrelas n√£o caminham’,

Continue lendo…

O relógio tiquetaqueava. O instante em movimento que, segundo Sir Isaac Newton, separa o passado infinito do infinito futuro avançava inexoravelmente através da dimensão do tempo. Ou, a crer em Aristóteles, um pouco mais do possível a cada instante se tornava real; o presente imobilizava-se e ia incorporando a si o futuro, como um homem que ficasse engolindo para sempre uma fita de macarrão sem fim.

O que de mais alto recebemos de Deus e da Natureza é a vida, o movimento de rotação em torno de si mesmo, o qual não conhece descanso, nem repouso.

Nós nunca comunicamos pensamentos; comunicamos tão-só movimentos, sinais mímicos com os quais remontamos aos pensamentos.

Seria Eterno

Seria eterno, se n√£o fosse entrando
por aquele país de solidão,
aonde ver a luz alarga, quando
e alarga, à volta, a vinda do verão.

Seria eterno. Assim somente o brando
movimento de entrar se lhe mensura,
conforme ver, ao ir-se dilatando,
amplia o campo √ļtil da ternura.

E, enquanto entra, um c√Ęntico de brisa
lembra quanto por campos foi outrora
tempo apagando a sua face lisa,

qual se alisando, se apagasse a hora.
E, indo entrando, a solid√£o se irisa
e o vai esquecendo pelo tempo fora.

Agora Mesmo

Est√° gente a morrer agora mesmo em qualquer lado
Está gente a morrer e nós também

Est√° gente a despedir-se sem saber que para
Sempre
Este som já passou Este gesto também
Ninguém se banha duas vezes no mesmo instante
Tu próprio te despedes de ti próprio
Não és o mesmo que escreveu o verso atrás
J√° est√°s diferente neste verso e vais com ele

Os amantes agarram-se desesperadamente
Eis como se beijam e mordem e por vezes choram
Mais do que ninguém eles sabem que estão a
[despedir-se

A Terra gira e nós também A Terra morre e nós
Também
Não é possível parar o turbilhão
Há um ciclone invisível em cada instante
Os pássaros voam sobre a própria despedida
As folhas vão-se e nós
Também
N√£o √© vento √Č movimento fluir do tempo amor e morte
Agora mesmo e para todo o sempre
Amen

O objectivo mais alto do artista consiste em exprimir na fisionomia e nos movimentos do corpo as paix√Ķes da alma.

As Opini√Ķes

Quando me manifestei com tanto ardor contra a opini√£o, estava ainda sob o seu jugo, sem me aperceber. Queremos ser estimados pelas pessoas que estimamos e, enquanto pude julgar favoravelmente os homens, ou pelo menos certos homens, os ju√≠zos que eles faziam a meu respeito n√£o me podiam ser indiferentes. Via que os ju√≠zos do p√ļblico s√£o muitas vezes justos; mas n√£o via que essa justi√ßa resultava do acaso, que as regras sobre as quais os homens fundamentam as suas opini√Ķes s√£o extra√≠das apenas das suas paix√Ķes ou dos seus preconceitos, que prov√™m deles, e que, mesmo quando ajuizam bem, √© frequente que esses bons ju√≠zos nas√ßam de um mau princ√≠pio, como acontece quando fingem honrar, a prop√≥sito de algum sucesso, o m√©rito de um homem, n√£o por esp√≠rito de justi√ßa, mas para se dar ares de imparcialidade, ao mesmo tempo que caluniam √† vontade esse homem relativamente a outros pontos.
Quando, por√©m, ap√≥s longas e v√£s pesquisas, vi que todos eles, sem excep√ß√£o, se mantinham dentro do sistema mais in√≠quio e absurdo que um esp√≠rito infernal pode inventar; quando vi que, a meu respeito, a raz√£o fora banida de todas as cabe√ßas e a justi√ßa de todos os cora√ß√Ķes;

Continue lendo…

Prende o Teu Coração ao Meu

De noite, amada, prende o teu coração ao meu
e que no sono eles dissipem as trevas
como um duplo tambor combatendo no bosque
contra o espesso muro das folhas molhadas.

Nocturna travessia, brasa negra do sono
interceptando o fio das uvas terrestres
com a pontualidade dum comboio desvairado
que sombra e pedras frias sem cessar arrastasse.

Por isso, amor, prende-me ao movimento puro,
à tenacidade que em teu peito bate
com as asas dum cisne submerso,

para que às perguntas estreladas do céu
responda o nosso sono com uma √ļnica chave,
com uma √ļnica porta fechada pela sombra.