O Amor é Mais Forte

Os amantes de hoje preferem a droga mais leve, o tabaco mais light ou o caf√© descafeinado. J√° ningu√©m quer ficar pedrado de amor ou sofrer de uma overdose de paix√£o. As emo√ß√Ķes fortes s√£o fracas e as pr√≥prias fraquezas revelam-se mais fortes. Os amantes, esses, s√£o igualmente namorados da monotonia e amigos √≠ntimos da disciplina. O que est√° fora de controlo causa-lhes confus√£o, e afecta-lhes uma certa zona do c√©rebro, mas quase nunca lhes toca o cora√ß√£o. O amor devia ser sonhado e devia faz√™-los voar; em vez disso √© planeado, e quanto muito, f√°-los pensar.
Sobre o amor n√£o se tem controlo. √Č um sentimento que nos domina, que nos sufoca e que nos mata. Depois d√°-nos um pouco vida. No amor queremos viver, mas pouco nos importa morrer e estamos sempre dispostos a ir mais al√©m. Deixamo-nos cair em tenta√ß√£o, e n√£o nos livramos do mal, embora procuremos o bem. No amor tamb√©m se tem f√©, mas n√£o se conhecem ora√ß√Ķes: amamos porque cremos, porque desejamos e porque sabemos que o amor existe. Amamos sem saber se somos amados, e por isso podemos acabar desolados, isolados e deprimidos. Que se lixe! O amor n√£o √© justo, n√£o √© perfeito; no amor n√£o se declaram senten√ßas nem se proferem comunicados. O amor prefere ser imprevis√≠vel, cheio de riscos e de fogo cruzado. No amor os bra√ßos n√£o se cruzam, as palavras n√£o se gastam e os gestos servem para o demonstrar. Amar tamb√©m √© lutar, e enfrentar monstros fabulosos com cabe√ßa de le√£o, corpo de cabra e cauda de drag√£o. √Č uma ilus√£o, um sonho, um absurdo e uma fantasia. O amor n√£o se entende, n√£o se interpreta, n√£o se discerne nem se traduz. Quem ama acredita, mas n√£o sabe bem porqu√™, n√£o sabe bem o qu√™, nem percebe bem como.