Passagens sobre Fantasia

168 resultados
Frases sobre fantasia, poemas sobre fantasia e outras passagens sobre fantasia para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Mais Infalível Veneno é o Tempo

Tabaco, caf√©, √°lcool, √°cido pr√ļssico, estricnina ‚ÄĒ todos n√£o passam de po√ß√Ķes dilu√≠das: o mais infal√≠vel veneno √© o tempo. Essa ta√ßa, que a natureza nos p√Ķe nos l√°bios, possui uma propriedade maravilhosa que supera qualquer outra bebida. Ela abre os sentidos, adiciona poder e povoa-nos de sonhos exaltados, a que chamamos esperan√ßa, amor, ambi√ß√£o, ci√™ncia. Em particular, ela desperta o desejo por maiores doses de si. Mas aqueles que tomam as maiores doses ficam embriagados, perdem estatura, for√ßa, beleza e sentidos, e terminam em fantasia e del√≠rio. N√≥s adiamos o nosso trabalho liter√°rio at√© que tenhamos maturidade e t√©cnica para escrever, mas um dia descobrimos que o nosso talento liter√°rio n√£o passava de uma efervesc√™ncia juvenil que perdemos.

Memória Amada

Para Alain Fournier

Vinham de longe em bandos. Acorriam
Jubilosos. Fantasias
De parques pluviosos
E, descendo,
Os patos bravos lançados
Entre juncos, salgueiros e veados.
Tarde,
Muito tarde, uns olhos tais
Haviam de aparecer, sobressaltados
Entre enigmas e um floco de cabelos
Osculado pelo vento. Alegorias…
Do agora ou nunca e do momento
Definido. Trégua impensada,
Insuspeita, no perfume alado
Da p√°gina dobrada e abandonada
Dum livro interrompido. Sinto a dor fina,
Finamente atravessada e suave,
– Quase saudade.

Para Que Serve A Poesia?

De servir-se utensílio dia a dia
utilidade pr√°tica aplicada,
o nada sobre o nada anula o nada
por desvendar mistério na magia.

O sonho em fantasia iluminada
aqui se oferta em módica quantia
por camel√īs de palavras aladas
marreteiros de mansa mercancia.

De pagamento, apenas um sorriso
de nuvens, uma fatia de grama
de orvalho e o fugaz fulgor de astro arisco.
Serena sentença em sina servida,

seu valor se aquilata e se esparrama
na livre chama acesa de quem ama.

Arrojos

Se a minha amada um longo olhar me desse
Dos seus olhos que ferem como espadas,
Eu domaria o mar que se enfurece
E escalaria as nuvens rendilhadas.

Se ela deixasse, ext√°tico e suspenso
Tomar-lhe as mãos mignonnes e aquecê-las,
Eu com um sopro enorme, um sopro imenso
Apagaria o lume das estrelas.

Se aquela que amo mais que a luz do dia,
Me aniquilasse os males taciturnos,
O brilho dos meus olhos venceria
O clar√£o dos rel√Ęmpagos noturnos.

Se ela quisesse amar, no azul do espaço,
Casando as suas penas com as minhas,
Eu desfaria o Sol como desfaço
As bolas de sab√£o das criancinhas.

Se a Laura dos meus loucos desvarios
Fosse menos soberba e menos fria,
Eu pararia o curso aos grandes rios
E a terra sob os pés abalaria.

Se aquela por quem j√° n√£o tenho risos
Me concedesse apenas dois abraços,
Eu subiria aos róseos paraísos
E a Lua afogaria nos meus braços.

Se ela ouvisse os meus cantos moribundos
E os lamentos das cítaras estranhas,

Continue lendo…

Conhecidos de Vista

Conhecem-se há meses de vista, do bairro onde vivem, de se verem na rua, no supermercado, no café, de passearem os cães no jardim. Ela mora dois prédios ao lado do dele, não sabe o seu nome, nem o que faz, mas conhece-lhe algumas rotinas, já ouviu a sua voz, aprecia a forma de ele se vestir. Acha-o atraente e fica atenta quando o vê.
Ele gosta de levar um livro consigo quando vai com o c√£o ao jardim. Senta-se num banco a ler, mas, se ela chega, n√£o consegue concentrar-se. Finge que l√™, espreita-a por cima do livro, maravilhado com o seu jeito distra√≠do de caminhar num vaiv√©m constante enquanto fala ao telem√≥vel, rodando o vestido numa volta graciosa ao fim de alguns passos casuais. Adora o seu sorriso encantador, o modo como inclina a cabe√ßa para tr√°s e lan√ßa um risinho espont√Ęneo para o ar a meio da conversa.
√Č s√°bado, est√£o sentados numa esplanada do jardim, ambos sozinhos, em mesas pr√≥ximas, frente a frente. Ela pede um caf√©, deita o a√ß√ļcar, mexe-o demoradamente com a colher, distra√≠da a observ√°-lo a ler o jornal. Fantasia que ele vai erguer os olhos a qualquer instante e surpreend√™-la a olhar,

Continue lendo…

Quando em Meu Desvelado Pensamento

Quando em meu desvelado pensamento
O teu formoso gesto se afigura,
N√£o sei que afecto sinto, ou que ternura,
Que a toda esta alma d√° contentamento.

Ali fico num largo esquecimento,
Contemplando na minha conjectura
De teu sereno rosto a graça pura,
De teus olhos o doce movimento.

Porém logo a inconstante fantasia
Me acorda o entendimento arrebatado,
E desfaz todo o bem que me fingia,

Sendo tal este gosto imaginado,
Que de Amor outra glória eu não queria
Mais que trazer-te sempre em meu cuidado.

O Final Do Guarani

(Santos, 15 jul. 1883)

Ceci — √© a virgem loira das brancas harmonias,
A doce-flor-azul dos sonhos cor de rosa,
Peri — o √≠ndio ousado das bruscas fantasias,
O tigre dos sert√Ķes — de alma luminosa.

Amam-se com o amor ind√īmito e latente
Que nunca foi traçado nem pode ser descrito.
Com esse amor selvagem que anda no infinito.
E brinca nos juncais, — ao lado da serpente.

Por√©m… no lance extremo, o lance pavoroso,
Assim por entre a morte e os tons de um puro gozo,
Dos leques da palmeira a note musical…

Vão ambos a sorrir, às águas arrojados,
Mansos como a luz, tranq√ľilos, enla√ßados
E perdem-se na noite serena do ideal!…

Um Amor Verdadeiro

Admitamos: o amor é um assunto que já foi falado e voltado a falar, trivializado e dramatizado ao ponto de as pessoas não saberem já o que é e o que não é. A maioria de nós não consegue vê-lo porque temos as nossas ideias preconcebidas sobre o que é (é suposto ser mais forte do que nós e arrebatar-nos) e como aparece (num embrulho alto, magro, bem-humorado e charmoso). Por isso, se o amor não aparecer envolvido na nossa fantasia, não o conseguimos reconhecer.

Mas tenho a certeza do seguinte: o amor est√° em todo o lado. √Č poss√≠vel amar e ser amado independentemente do s√≠tio onde estamos. O amor existe sob todas as formas. √Äs vezes vou at√© ao jardim da minha casa e sinto o amor a vibrar em todas as minhas √°rvores. Est√° sempre dispon√≠vel.

J√° vi tantas mulheres (incluindo eu) confundidas pela ideia de um romance, acreditando que s√≥ ser√£o pessoas completas se encontrarem algu√©m que complete as suas vidas. Se pensarmos bem, n√£o √© uma ideia maluca? Voc√™, sozinho, tem de preencher com amor esses espa√ßos vazios e destru√≠dos. Como diz Ralph Waldo Emerson: ¬ęNada lhe poder√° dar paz a n√£o ser voc√™ mesmo.¬Ľ

Nunca esquecerei o momento em que estava a limpar uma gaveta e me deparei com doze p√°ginas que me obrigaram a parar.

Continue lendo…

História Antiga

Vendo-a, fico a pensar que entre n√≥s, certo dia…
Mas, para que falar desse tempo feliz?
Eu a quis – nem eu sei dizer como a queria!
Ela – Quem poder√° dizer quanto me quis?!

Foi romance talvez, foi talvez fantasia,
vida que quase chega, e foge, por um triz…
Nosso amor, mas nem eu me lembro o que dizia!
Quem h√° de se lembrar do que a sonhar se diz!

Era um misto de sonho e tímido desejo:
eu Рtemendo manchar uma afeição tão bela!
ela Рa entregar-me a vida e a boca num só beijo!

Ah! a Vida… Afinal quem a vida adivinha?
Nem eu – que tanto a quis – sei por que n√£o sou dela!
nem ela, h√° de saber por que nunca foi minha!

O homem enérgico e que é bem sucedido é o que consegue transformar em realidades as fantasias do desejo.

As mulheres n√£o meditam, contentam-se com entrever ideias sob a forma mais flutuante e mais indecisa. Nada se acusa, nada se fixa nas brumas douradas das suas fantasias. S√£o apenas apari√ß√Ķes r√°pidas, figuras vagas, contornos imediatamente desvanecidos. Dir-se-ia que nada se importam com a verdade das coisas.

O Rápido Passar do Tempo é Sinal de Inactividade

O √≥cio torna lentas as horas e velozes os anos. A actividade torna r√°pida as horas e lentos os anos. A inf√Ęncia √© a actividade m√°xima, porque ocupada em descobrir o mundo na sua diversidade.
Os anos tornam-se longos na recorda√ß√£o se, ao repens√°-los, encontramos numerosos factos a desenvolver pela fantasia. Por isso, a inf√Ęncia parece longu√≠ssima. Provavelmente, cada √©poca da vida √© multiplicada pelas sucessivas reflex√Ķes das que se lhe seguem: a mais curta √© a velhice, porque nunca ser√° repensada.
Cada coisa que nos aconteceu √© uma riqueza inesgot√°vel: todo o regresso a ela a aumenta e acresce, dota de rela√ß√Ķes e aprofunda. A inf√£ncia n√£o √© apenas a inf√Ęncia vivida, mas a ideia que fazemos dela na juventude, na maturidade, etc. Por isso, parece a √©poca mais importante, visto ser a mais enriquecida por considera√ß√Ķes sucessivas.
Os anos são uma unidade da recordação; as horas e os dias, uma unidade da experiência.

A vida √© apenas uma vis√£o moment√Ęnea das maravilhas deste assombroso universo, e √© triste que tantos se desgastem sonhando com fantasias espirituais.

Nervos D’Oiro

Meus nervos, guizos de oiro a tilintar
Cantam-me n’alma a estranha sinfonia
Da vol√ļpia, da m√°goa e da alegria,
Que me faz rir e que me faz chorar!

Em meu corpo fremente, sem cessar,
Agito os guizos de oiro da folia!
A Quimera, a Loucura, a Fantasia,
Num rubro turbilh√£o sinto-As passar!

O coração, numa imperial oferta.
Ergo-o ao alto! E, sobre a minha m√£o,
√Č uma rosa de p√ļrpura, entreaberta!

E em mim, dentro de mim, vibram dispersos,
Meus nervos de oiro, esplêndidos, que são
Toda a Arte suprema dos meus versos!

A aurora do amor é a quadra de devaneios e fantasias, em que a vida do coração principia e exerce sobre nós o seu mágico influxo.

Com tudo mudando tão depressa, não se tem a chance de encontrar a imagem de sua fantasia quando você está pronto para ela.

Meu Coração

Eu tenho um coração Рum mísero coitado
ainda vive a sonhar… ainda sabe viver…
Рacredita que o mudo é um castelo encantado
e crian√ßa vive a rir batendo de prazer…

Eu tenho um coração, Рum mísero coitado
que um dia h√° de por fim, o mundo compreender…
Рé um poeta, um sonhador, um pobre esperançado
que habita no meu peito e enche de sons meu ser…

Quando tudo √© mat√©ria e √© sombra – ele √© uma luz…
Ainda cr√™ na ilus√£o… no amor… na fantasia…
– sabe todos de cor os versos que compus…

Deus p√īs-me um cora√ß√£o com certeza enganado:
Рe é por isso, talvez, que ainda faço poesia
lembrando um sonhador do s√©culo passado!…