Passagens sobre Oração

113 resultados
Frases sobre oração, poemas sobre oração e outras passagens sobre oração para ler e compartilhar. Leia as melhores citações em Poetris.

Em certas circunstâncias, um palavrão provoca um alívio inatingível até pela oração.

Na Bíblia, a montanha representa o lugar da proximidade com Deus e do encontro íntimo com Ele; o lugar da oração, onde sentir a presença do Senhor. Lá em cima, no monte, Jesus mostra-Se aos três discípulos, transfigurado, luminoso, belíssimo.

Em primeiro lugar, devemos ordenar nossa mente por meio de oração e sintonizá-la com a Grande Vida. Então, uma força superior à força humana conduzirá nossos atos.

Precisamos de nos retirar para um lugar apartado, de subir ao monte, para um espaço de silêncio, para nos encontrarmos a nós mesmos e ouvir melhor a voz do Senhor.

É o que fazemos na oração.

Na nossa caminhada quotidiana, especialmente nas dificuldades, na luta contra o mal fora e dentro de nós, o Senhor não está longe; está ao nosso lado.

Nós lutamos com Ele e a nossa arma é precisamente a oração, que nos faz sentir Sua presença junto a nós e a Sua ajuda.

A luta contra o mal é dura e longa, requer paciência e resistência. É assim: é uma luta a levar por diante todos os dias, mas Deus é o nosso aliado, a fé n’Ele é a nossa força e a oração é a expressão desta fé.

Deus convida-nos a rezar com insistência não porque não saiba do que precisamos ou porque não nos ouça.

Pelo contrário, Ele ouve sempre e sabe tudo de nós.

A oração é pacificação e confiança da alma.

Podemos fazer a pergunta: «Mas quando é que me encontro com Jesus? Só no fim da vida?» Não, não! Encontramo-nos com Ele todos os dias. Mas como?

Na oração. Quando rezas, encontras-te com Jesus. Quando levas o teu filho a batizar, encontras-te com Jesus, encontras Jesus.

A oração é o encontro com Deus, com o Deus que nunca desilude. Perguntava Jesus:

«Deus não fará porventura justiça aos seus eleitos; que a Ele clamam dia e noite?» (Lucas 18,7). Na oração, o crente exprime a sua fé, a sua confiança, e Deus exprime a Sua proximidade através, também, do dom dos anjos, Seus mensageiros e nossos amigos.

As catacumbas não eram apenas lugares para escapar às perseguições, mas eram, sobretudo, lugares de oração, para santificar os domingos e para elevar, das entranhas da terra, a adoração a um Deus que nunca esquece os Seus filhos.

Há milagres, mas a oração ajuda! Uma oração corajosa, que luta, que persevera, não uma oração de favor.

Minha Mãe, Minha Mãe!

Minha mãe, minha mãe! ai que saudade imensa,
Do tempo em que ajoelhava, orando, ao pé de ti.
Caía mansa a noite; e andorinhas aos pares
Cruzavam-se voando em torno dos seus lares,
Suspensos do beiral da casa onde eu nasci.
Era a hora em que já sobre o feno das eiras
Dormia quieto e manso o impávido lebréu.
Vinham-nos da montanha as canções das ceifeiras,
E a Lua branca, além, por entre as oliveiras,
Como a alma dum justo, ia em triunfo ao Céu!…
E, mãos postas, ao pé do altar do teu regaço,
Vendo a Lua subir, muda, alumiando o espaço,
Eu balbuciava a minha infantil oração,
Pedindo ao Deus que está no azul do firmamento
Que mandasse um alívio a cada sofrimento,
Que mandasse uma estrela a cada escuridão.
Por todos eu orava e por todos pedia.
Pelos mortos no horror da terra negra e fria,
Por todas as paixões e por todas as mágoas…
Pelos míseros que entre os uivos das procelas
Vão em noite sem Lua e num barco sem velas
Errantes através do turbilhão das águas.

Continue lendo…

Nas suas orações, peça proteção e vida longa àqueles que ama. Deus, na sua infinita bondade, vai atender seu pedido e, por extensão, atenderá você também!

Liberdade

— Liberdade, que estais no céu…
Rezava o padre-nosso que sabia,
A pedir-te, humildemente,
O pio de cada dia.
Mas a tua bondade omnipotente
Nem me ouvia.

— Liberdade, que estais na terra…
E a minha voz crescia
De emoção.
Mas um silêncio triste sepultava
A fé que ressumava
Da oração.

Até que um dia, corajosamente,
Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
Saborear, enfim,
O pão da minha fome.
— Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome.

A Humildade é a Base da Sociedade

A humildade oferece a todos, mesmo ao que se desespera na solidão, a relação mais forte com o semelhante, e, na realidade, imediatamente, mas, com certeza, só no caso da humildade completa e duradoura. Ela é capaz disso por ser ao mesmo tempo a verdadeira linguagem da oração e a mais sólida das ligações. A relação com o semelhante é a relação da prece; a relação consigo mesmo, a relação do esforço para alcançar algo; a energia para esse esforço é extraída da oração.

Podes conhecer outra coisa que não seja a fraude? Fosse ela um dia obstruída, tu de modo nenhum poderias olhar para lá a não ser que quisesses tranformar-te numa estátua de sal.

O Amor é Mais Forte

Os amantes de hoje preferem a droga mais leve, o tabaco mais light ou o café descafeinado. Já ninguém quer ficar pedrado de amor ou sofrer de uma overdose de paixão. As emoções fortes são fracas e as próprias fraquezas revelam-se mais fortes. Os amantes, esses, são igualmente namorados da monotonia e amigos íntimos da disciplina. O que está fora de controlo causa-lhes confusão, e afecta-lhes uma certa zona do cérebro, mas quase nunca lhes toca o coração. O amor devia ser sonhado e devia fazê-los voar; em vez disso é planeado, e quanto muito, fá-los pensar.
Sobre o amor não se tem controlo. É um sentimento que nos domina, que nos sufoca e que nos mata. Depois dá-nos um pouco vida. No amor queremos viver, mas pouco nos importa morrer e estamos sempre dispostos a ir mais além. Deixamo-nos cair em tentação, e não nos livramos do mal, embora procuremos o bem. No amor também se tem fé, mas não se conhecem orações: amamos porque cremos, porque desejamos e porque sabemos que o amor existe. Amamos sem saber se somos amados, e por isso podemos acabar desolados, isolados e deprimidos. Que se lixe! O amor não é justo,

Continue lendo…

As orações dos homens
Subam eternamente aos teus ouvidos;
Eternamente aos teus ouvidos soem
Os cânticos da terra.

No turvo mar da vida,
Onde aos parcéis do crime a alma naufraga,
A derradeira bússola nos seja,
Senhor, tua palavra.

A melhor segurança
Da nossa íntima paz, Senhor, é esta;
Esta a luz que há de abrir à estância eterna
O fulgido caminho.

Ah ! feliz o que pode,
No extremo adeus às cousas deste mundo,
Quando a alma, despida de vaidade,
Vê quanto vale a terra;

Quando das glórias frias
Que o tempo dá e o mesmo tempo some,
Despida já, — os olhos moribundos
Volta às eternas glórias;

Feliz o que nos lábios,
No coração, na mente põe teu nome,
E só por ele cuida entrar cantando
No seio do infinito.

O Nosso Infinito

Há ou não um infinito fora de nós? É ou não único, imanente, permanente, esse infinito; necessariamente substancial pois que é infinito, e que, se lhe faltasse a matéria, limitar-se-ia àquilo; necessáriamente inteligente, pois que é infinito, e que, se lhe faltasse a inteligência, acabaria ali? Desperta ou não em nós esse infinito a ideia de essência, ao passo que nós não podemos atribuir a nós mesmos senão a ideia de existência? Por outras palavras, não é ele o Absoluto, cujo relativo somos nós?
Ao mesmo tempo que fora de nós há um infinito não há outro dentro de nós? Esses dois infinitos (que horroroso plural!) não se sobrepõem um ao outro? Não é o segundo, por assim dizer, subjacente ao primeiro? Não é o seu espelho, o seu reflexo, o seu eco, um abismo concêntrico a outro abismo? Este segundo infinito não é também inteligente? Não pensa? Não ama? Não tem vontade? Se os dois infinitos são inteligentes, cada um deles tem um princípio volante, há um eu no infinito de cima, do mesmo modo que o há no infinito de baixo. O eu de baixo é a alma; o eu de cima é Deus.
Pôr o infinito de baixo em contacto com o infinito de cima,

Continue lendo…