Passagens de Francisco S√° Carneiro

117 resultados
Frases, pensamentos e outras passagens de Francisco S√° Carneiro para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

O nosso Povo tem sempre correspondido nas alturas de crise. As elites, as chamadas elites, é que quase sempre o traíram, e nós estamos a ver mais uma vez que o Povo Português foi defraudado da sua boa-fé.

O voto s√≥ √© perfeitamente democr√°tico se for livre e racional, o que sup√Ķe uma igualdade tendencial da informa√ß√£o e do poder econ√≥mico e social dos eleitores e dos eleg√≠veis.

A Justiça Social

O nosso objetivo prioritário para a prossecução da justiça social é a defesa, se possível, do aumento do poder de compra. Objetivo que, de resto, está em vias de concretização pela contenção da inflação, pela melhoria dos salários reais resultante da baixa do imposto profissional e da baixa do imposto complementar, visto que o passado provou bem que não é com aumentos nominais de salários, corroídos imediatamente pela inflação, que se aumenta o poder de compra.

Os problemas económicos são os que mais nos preocupam: o custo de vida, o desemprego, o bem-estar das pessoas. E também a eficácia administrativa, a organização do Estado no sentido da ordem democrática.

Pouco importa às pessoas saber que têm os direitos reconhecidos em princípio, se o exercício deles lhes é negado na prática.

Gosto demasiado da pol√≠tica para me candidatar √† Presid√™ncia da Rep√ļblica. Sou estruturalmente antipresidencialista e sempre entendi que, em democracia, a pol√≠tica deve ter no Parlamento a sua raz√£o e o seu objectivo.

O bem comum é aquele que respeita ao conjunto das pessoas em relação, ou seja, aquilo que a todas é indispensável assegurar para que dada pessoa possa realizar-se na liberdade.

O que há é que impor uma disciplina de actuação do poder económico e dos investimentos, para que ele seja feito com proveito de todos nós e não apenas para os detentores desse poder.

√Č certo que somos muito propensos a personalizar as quest√Ķes, o que inibe que elas sejam postas com a independ√™ncia e a objectividade necess√°rias.

Fartos da Demagogia e do Sectarismo

E os Portugueses? Fartos dos malabarismos que os partidos do poder fizeram para a ele se manterem agarrados, fartos da demagogia e do sectarismo, correspondem a esta crise pol√≠tica com uma atitude de profunda indiferen√ßa, que √© altamente preocupante em democracia. (…) Face a esta crise nacional, face a um pa√≠s angustiado, desagregado e √† deriva, em que se fracionaram os sentidos de solidariedade e de interesse nacional para serem substitu√≠dos por uma pol√≠tica do salve-se quem puder, o Povo Portugu√™s esperava que este debate lhe trouxesse finalmente uma esperan√ßa nova de ver os partidos discutirem aqui os verdadeiros problemas nacionais, de ver os partidos reconsiderarem aqui as suas posi√ß√Ķes, reconhecerem os seus erros, disporem-se a encetar vida nova.

Quem quer constituir família procura casa e emprego e não os encontra. Os que trabalharam toda uma vida veem-se, no fim dela, condenados a morrer à míngua.

Todos os políticos responsáveis sabem que não se pode prometer aos Portugueses senão tempos duros. E que se lhes não pode oferecer nada a curto prazo, excepto sacrifícios e trabalho paciente.