Citação de

Cada Cabeça, Cada Sentença

A ideia de ninguĂ©m ter razĂŁo (haja ou nĂŁo haja pĂŁo) Ă© portuguesĂ­ssima. Sobre qualquer assunto, Portugal garante-nos sempre pelo menos dez milhĂ”es de razĂ”es, cada uma com a sua diferençazinha, cada uma com a sua insolenciazeca do “eu cĂĄ Ă© que sei”. NĂŁo hĂĄ neste abençoado territĂłrio um Ășnico sujeito, seja eu ou ele cego, surdo e mudo, que nĂŁo reclame a sua inobjectivĂĄvel subjectividade. LĂĄ diz o raio do povo, por tratar-se da Ășnica coisa em que o povo todo estĂĄ de acordo, «Cada cabeça, cada sentença». Basta fazer-se uma reuniĂŁo ou um jĂșri, um governo ou uma comissĂŁo, para assistir-se ao milagre da multiplicação das opiniĂ”es.