Frases de Rajneesh

82 resultados
Frases de Rajneesh. Conheça este e outros autores famosos em Poetris.

A consciência é uma das criações mais perversas da humanidade. E mal a criança nasce, começamos a construir uma consciência dentro dela; uma pequena parte que condena tudo o que a sociedade não deseja que exista dentro de vós e valoriza tudo o que a sociedade deseja que exista dentro de vós. Deixamos de ser inteiros.

A primeira experiência da criança é o medo, tal como o medo é a derradeira experiência do homem.

A inocência confere poder, mas a inocência é destruída, e é isso que estou a tentar devolver-vos para que possam ser novamente inocentes.

Devemos ter muita paciência com as crianças, estarmos muito atentos, muito conscientes, para não dizermos nada que possa impedir a sua própria inteligência de aparecer.

Com a intimidade, com o amor, com a sua abertura a muita gente, fica mais rico. E se puder viver em amor profundo, em amizade profunda, em intimidade profunda com muitas pessoas, terá vivido de maneira acertada e, onde quer que por acaso esteja, aprendeu a arte e também aí viverá, felizmente.

A meditação é um fim em si mesmo. Não há outro fim além dela. Tudo o que tenha um fim além de si mesmo destina-se apenas à mente medíocre, e tudo o que é um fim em si mesmo destina-se à pessoa verdadeiramente inteligente.

A filosofia não tem bases. Constrói castelos no ar. As ideias são apenas ideias, podemos projetar as ideias que quisermos e ninguém pode impedir-nos de o fazer. A partir do momento em que o fazemos, podemos arranjar todo o género de racionalizações para as sustentar. Não é difícil.

A personalidade tem medo e, por conseguinte, não permitirá que vocês se fundam com todas as situações em que é necessário fundirem-se. E parece absolutamente lógico que a personalidade tenha medo. A individualidade, porém, nunca tem medo da fusão, porque ela faz parte da vossa natureza. E não há como perdê-la.

Se não deixar cair todas as suas repressões e inibições – que são a herança da sua religião, da sua cultura, da sua sociedade, dos seus pais, da sua educação – nunca conseguirá estabelecer intimidade com ninguém. E terá de ser você a tomar a iniciativa.

Uma vez que é incapaz de se amar a si próprio, nunca mais será capaz de amar alguém. Essa é a verdade absoluta, sem quaisquer excepções.

Não é nas coisas grandes, mas nas pequenas, que devemos mostrar o nosso amor.

Este momento é dado a você, um presente gracioso de Deus ou do todo ou do que você quiser chamar; Tao, darma, logos.

Não ha maior ego do que o daquele que se julga acima dos outros por ter domado o ego. Ao dominar o ego, ao buscar a trascendência e negar o mundo, ele comete o maior EGO de todos: Achar que não tem ego, e que está além do mundo em que vive.

Tem de se compreender a lógica da mente. Se não a compreende, será uma vítima dela. A mente tem uma lógica perversa, é um círculo vicioso, anda às voltas. Quando lhe dá ouvidos, cada passo conduzi-lo-à ao círculo.

A religiosidade não é um talento. É apenas vermo-nos a nós próprios. Podemos ser pintores, poetas, músicos, podemos não ser ninguém, mas somos! Isto não é um talento, é a nossa existência. E vivê-la é um direito inato. Só podemos salvar esta religião viva se continuarmos a meditar e a criar novas flores, novos florescimentos, de maneira que nunca nos tornemos um deserto. Há sempre um oásis. Basta uma pessoa no meio de vós para manter viva a religiosidade e impedir que seja reduzida a um culto.

As pessoas vivem toda a sua vida a acreditar no que os outros dizem, dependentes dos outros. É por isso que têm tanto medo da opinião dos outros. Se eles pensam que você é mau, torna-se mau. Se o condenam, começa a condenar-se.

Se quiser amar alguém, ame-o agora. Ame-o, porque ninguém sabe o que vai acontecer no momento que se segue.

Se o relacionamento sobreviver à verdade, será muito belo. Se morrer, isso também será bom porque um relacionamento falso acabou.

Oitenta por cento da sua vida é orientada pelos olhos. Não deveria ser assim; tem de se restabelecer um equilíbrio. Também deve tocar, porque o tacto permite sensações que os olhos não podem veicular.