Cita√ß√Ķes de Liev Tolst√≥i

136 resultados
Frases, pensamentos e outras cita√ß√Ķes de Liev Tolst√≥i para ler e compartilhar. Os melhores escritores est√£o em Poetris.

Quase todos os esforços humanos se dirigem não à diminuição da carga do trabalhador, mas a tornar mais agradável o ócio dos que já vivem em lazer.

Dizer que se vai amar uma pessoa a vida toda é como dizer que uma vela continuará a queimar enquanto vivermos.

Não se vive sem fé. A fé é o conhecimento do significado da vida humana. A fé é a força da vida. Se o homem vive é porque crê em algo.

Os homens distinguem-se entre si também neste caso: alguns primeiro pensam, depois falam e, em seguida, agem; outros, ao contrário, primeiro falam, depois agem e, por fim, pensam.

O Homem não é Sempre Igual

Um dos preconceitos mais conhecidos e mais espalhados consiste em crer que cada homem possui como sua propriedade certas qualidades definidas, que h√° homens bons ou maus, inteligentes ou est√ļpidos, en√©rgicos ou ap√°ticos, e assim por diante. Os homens n√£o s√£o feitos assim. Podemos dizer que determinado homem se mostra mais frequentemente bom do que mau, mais frequentemente inteligente do que est√ļpido, mais frequentemente en√©rgico do que ap√°tico, ou inversamente; mas seria falso afirmar de um homem que √© bom ou inteligente, e de outro que √© mau ou est√ļpido. No entanto, √© assim que os julgamos. Pois isso √© falso. Os homens parecem-se com os rios: todos s√£o feitos dos mesmos elementos, mas ora s√£o estreitos, ora r√°pidos, ora largos, ora pl√°cidos, claros ou frios, turvos ou t√©pidos.

O Que Sou e o Que Faço Neste Mundo

Involuntariamente, inconscientemente, nas leituras, nas conversas e at√© junto das pessoas que o rodeavam, procurava uma rela√ß√£o qualquer com o problema que o preocupava. Um ponto o preocupava acima de tudo: por que √© que os homens da sua idade e do seu meio, os quais exactamente como ele, pela sua maior parte, haviam substitu√≠do a f√© pela ci√™ncia, n√£o sofriam por isso mesmo moralmente? N√£o seriam sinceros? Ou compreendiam melhor do que ele as respostas que a ci√™ncia proporciona a essas quest√Ķes perturbadoras? E punha-se ent√£o a estudar, quer os homens, quer os livros, que poderiam proporcionar-lhe as solu√ß√Ķes t√£o desejadas.
(…) Atormentado constantemente por estes pensamentos, lia e meditava, mas o objectivo perseguido cada vez se afastava mais dele. Convencido de que os materialistas nenhuma resposta lhe dariam, relera, nos √ļltimos tempos da sua estada em Moscovo, e depois do seu regresso √† aldeia, Plat√£o e Espinosa, Kant e Schelling, Hegel e Schopenhauer. Estes fil√≥sofos satisfaziam-no enquanto se contentavam em refutar as doutrinas materialistas e ele pr√≥prio encontrava ent√£o argumentos novos contra elas; mas, assim que abordava – quer atrav√©s das leituras das suas obras, quer atrav√©s dos racioc√≠nios que estas lhe inspiravam – a solu√ß√£o do famoso problema,

Continue lendo…

O √ļnico consolo que sinto ao pensar na inevitabilidade da minha morte √© o mesmo que se sente quando o barco est√° em perigo: encontramo-nos todos na mesma situa√ß√£o.