Cita√ß√Ķes sobre Lisonjeadores

5 resultados
Frases sobre lisonjeadores, poemas sobre lisonjeadores e outras cita√ß√Ķes sobre lisonjeadores para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Ridículo do Adulador e do seu Alvo

Um lisonjeador que n√£o se procura esconder, s√≥ engana os tolos. √Č preciso que se desconfie dos que, mais espertos, se escondem aos olhares para mais secretamente se insinuarem no vosso esp√≠rito. Nem sempre √© f√°cil reconhec√™-lo; pois muitas vezes ele contradiz-se para melhor aprovar, e para mais seguramente lisonje√°-la ele combate a vossa opini√£o, at√© por fim entregar as armas e confessar-se vencido, deixando ao antagonista a honra de um v√£o triunfo. Que mais vergonhoso existe que o ser assim enganado? Guardemo-nos de que digam de n√≥s como no ¬ęEpicleros¬Ľ: ¬ęHoje ludibriastes brilhantemente todos esses velhotes idiotas de com√©dia¬Ľ. Pois, at√© nas pe√ßas de teatro, os velhotes cr√©dulos e imprevidentes fazem sempre um papel muito rid√≠culo.

A lisonja perde maior n√ļmero de mulheres do que o amor; quando n√£o vingam, n√£o deve atribuir-se-lhe a culpa, que √© toda do lisonjeador.

A Adulação na Amizade

Pois que √© pr√≥prio da verdadeira amizade dar e receber conselhos, d√°-los com franqueza e sem azedume, receb√™-los com paci√™ncia e sem repugn√Ęncia, persuadamo-nos bem de que n√£o ha defeito maior na amizade que a lisonja, a adula√ß√£o, as baixas complac√™ncias. Com efeito, n√£o se poderia dar bastantes nomes ao v√≠cio desses homens fr√≠volos e enganadores, que falam sempre para agradar, e jamais para dizer a verdade.
A dissimula√ß√£o √© funesta em todas as coisas (pois corrompe e altera em n√≥s o sentimento da verdade) mas √©, sobretudo, contr√°ria √† amizade. Destr√≥i a sinceridade, sem a qual n√£o subsiste mesmo o pr√≥prio nome da amizade. Se a for√ßa da amizade consiste em fazer de v√°rias almas uma s√≥, como seria assim, se em cada homem a alma n√£o √© a mesma, n√£o √© constante, mas vari√°vel, mut√°vel, tomando mil formas? De facto, que h√° de mais mut√°vel, de mais vers√°til que a alma daquele que se transforma n√£o apenas segundo o sentimento e a vontade dum outro, mas a um pequeno sinal deste, a um m√≠nimo gesto seu? ¬ęEle diz n√£o? Eu digo n√£o; ele diz sim? eu digo sim: numa palavra, eu me impus a obriga√ß√£o de tudo aplaudir¬Ľ,

Continue lendo…

Os Convencidos da Vida

Todos os dias os encontro. Evito-os. Às vezes sou obrigado a escutá-los, a dialogar com eles. Já não me confrangem. Contam-me vitórias. Querem vencer, querem, convencidos, convencer. Vençam lá, à vontade. Sobretudo, vençam sem me chatear.
Mas também os aturo por escrito. No livro, no jornal. Romancistas, poetas, ensaístas, críticos (de cinema, meu Deus, de cinema!). Será que voltaram os polígrafos? Voltaram, pois, e em força.
Convencidos da vida há-os, afinal, por toda a parte, em todos (e por todos) os meios. Eles estão convictos da sua excelência, da excelência das suas obras e manobras (as obras justificam as manobras), de que podem ser, se ainda não são, os melhores, os mais em vista.
Praticam, uns com os outros, nada de genuinamente indecente: apenas um espelhismo lisonjeador. Além de espectadores, o convencido precisa de irmãos-em-convencimento. Isolado, através de quem poderia continuar a convencer-se, a propagar-se?
(…) No corre-que-corre, o convencido da vida n√£o √© um vaidoso √† toa. Ele √© o vaidoso que quer extrair da sua vaidade, que nunca √© gratuita, todo o rendimento poss√≠vel. Nos neg√≥cios, na pol√≠tica, no jornalismo, nas letras, nas artes. √Č t√£o capaz de aceitar uma condecora√ß√£o como de rejeit√°-la.

Continue lendo…