Sonetos sobre Aragem

10 resultados
Sonetos de aragem escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Soneto Para Eugênia

O tempo que te alonga todo dia
é duração que colhes na paisagem,
t√£o distante e t√£o perto em ventania,
sitiando limites na viagem.

Desse mar que se afasta em maresia
o vago em teu olhar se faz aragem
nas vagas que se v√£o em vaga via
vigia de teus pés no vão das margens.

E o fio da teia vai fugindo fosco,
irreparável névoa pressentida
nos livros que n√£o leste, nesses poucos

momentos que sobravam da medida.
Ang√ļstia de ponteiros, sol deposto,
no tédio das desoras foge a vida.

Vida que bem mereces por inteiro,
e é pouca a que te dou de companheiro.

Primavera A Fora

Escute, excelent√≠ssima: — Que aragens
Traz do √°rvoredo a fresca romaria;
Como este sol é rubro de alegria,
Que tons de luz nas límpidas paisagens.

Pois beba este ar e goze estas viagens
Das brancas aves, sinta esta harmonia
Da natureza e deste alegre dia
Que resplandece e ri-se nas ervagens.

Deixe l√° fora estrangular-se o mundo…
Encare o céu e veja este fecundo
Ch√£o que produz e que germina as flores.

Vamos, senhora, o braço à primavera,
E numa doce m√ļsica sincera,
Cante a balada eterna dos amores…

O Perfume

O que sou eu? ‚Äď O Perfume,
Dizem os homens. ‚Äď Serei.
Mas o que sou nem eu sei…
Sou uma sombra de lume!

Rasgo a aragem como um gume
De espada: Subi. Voei.
Onde passava, deixei
A essência que me resume.

Liberdade, eu me cativo:
Numa renda, um nada, eu vivo
Vida de Sonho e Verdade!

Passam os dias, e em v√£o!
‚Äď Eu sou a Recorda√ß√£o;
Sou mais, ainda: a Saudade.

No Campo

Tarde. Um arroio canta pela umbrosa
Estrada; as águas límpidas alvejam
Com cristais. Aragem suspirosa
Agita os roseirais que ali vicejam.

No alto, entretanto, os astros rumorejam
Um press√°gio de noute luminosa
E ei-la que assoma – a Louca tenebrosa,
Branca, emergindo às trevas que a negrejam.

Chora a corrente m√ļrmura, e, √† dolente
Unção da noute, as flores também choram
Num chuveiro de pétalas, nitente,

Pendem e caem – os roseirais descoram
E elas bóiam no pranto da corrente
Que as rosas, ao luar, chorando enfloram.

Fim do Dia

Aquieta-se o silêncio na folhagem,
que em √°rvores teceu amor antigo;
sobressalto transposto da viagem
que o dia rumoroso fez consigo.

O coração, que é sombra na paisagem,
dá às palavras vãs outro sentido;
e √© murm√ļrio desfeito na aragem,
que do entardecer recolhe abrigo.

Ares assim se fazem de uma luz
que torna como baço o sol poente;
e o coração à estrema se reduz,
como o dia se volve mais ausente.

Recolhem-se as palavras no vagar
que dia nem fulgor nos podem dar.

Soneto Da Hora Final

Ser√° assim, amiga: um certo dia
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olhar√°s silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: – N√£o tenhas medo
E tu, tranq√ľila, me dir√°s: – S√™ forte.

E como dois antigos namorados
Noturnamente tristes e enlaçados
Nós entraremos nos jardins da morte.

Paira No Ambíguo Destinar-Se

Paira no ambíguo destinar-se
Entre longínquos precipícios,
A √Ęnsia de dar-se preste a dar-se
Na sombra vaga entre suplícios,

Roda dolente do parar-se
Para, velados sacrifícios,
Não ter terraços sobre errar-se
Nem ilus√Ķes com interst√≠cios,

Tudo velado, e o ócio a ter-se
De leque em leque, a aragem fina
Com consci√™ncia de perder-se…

Tamanha a flama e pequenina
Pensar na m√°goa japonesa
Que ilude as sirtes da Certeza.

√öltimo Round

O vento que de verde tudo varre
n√£o varre esta floresta onde eu habito.
Espana roxas nódoas de um espárringue
que sou eu mesmo a rir por esses ringues.

Porradas que me dou? Mero detalhe,
de quem passou a vida sem ter sido
sendo, o sabido s√ļdito do an√°rquico.
Não fui, não sou, não quero ser doído.

O menestrel choroso? Este n√£o vale,
perdeu-se pelos socos de outras divas
em noites desbotadas na paisagem.

Mas ent√£o, o que fica dessa trilha?
ora, amigo, nocautes dessa aragem
varrida nos cruzados descaminhos.

Cantares Bacantes (II)

Canto a lira dissonante:
como custam meus cantares!
os cantoch√Ķes dos solares
mais remotos que um levante.

Tua branca primavera
lança-perfume dos ares
profundo n√°car dos pares
mas verdes ramas da hera.

A cigarra morta canta
tua tarde de passagem
que a voz do bronze levanta

louvores a teu passeio
de gazela: leve aragem
ao coração, meu anseio!

M√£e

Olha, meu filho! quando, à aragem fria
De algum torvo crep√ļsculo, encontrares
Uma √°rvore velhinha, em modo e em ares
De abandono e outonal melancolia,

N√£o passes junto dela nesse dia
E nessa hora de bênçãos, sem parares;
N√£o v√°s, sem longamente a contemplares:
Vida cansada, trémula e sombria!

J√° foi nova e floriu entre esplendores:
Talvez em derredor, dos seus amores
Inda haja filhos que lhe queiram bem…

Ama-a, respeita-a, ampara-a na velhice;
Sorri-lhe com bondade e com meiguice:
‚ÄĒ Lembre-te, ao v√™-la, a tua pr√≥pria M√£e!